AQUAMAN é um filme bom e ruim ao mesmo tempo| PN Extra #120

AQUAMAN, o novo capítulo do universo cinematográfico da DC Comics, finalmente estreou nos cinemas do mundo e, como acontece com praticamente todos os filmes de super-heróis, vem dividindo opiniões. Bruno Zago assistiu ao longa-metragem na pré-estreia (obrigado pelo convite, Panini!) e agora comenta sobre o que gostou e o que detestou. Será que Jason Momoa encarnou o personagem e é realmente um bom Aquaman? O elenco de coadjuvantes é bom? O filme tem muitas piadinhas? É sombrio como os anteriores da DC ou ruma para uma era mais iluminada e alegre, como os filmes da Marvel? Essas e outras perguntas, serão respondidas neste vídeo SEM spoilers

SINOPSE DO FILME

Filho do humano Tom Curry (Temuera Morrison) com a atlante Atlanna (Nicole Kidman), Arthur Curry (Jason Momoa) cresce com a vivência de um humano e as capacidades metahumanas de um atlante. Quando seu irmão Orm (Patrick Wilson) deseja se tornar o Mestre dos Oceanos, subjugando os demais reinos aquáticos para que possa atacar a superfície, cabe a Arthur a tarefa de impedir a guerra iminente. Para tanto, ele recebe a ajuda de Mera (Amber Heard), princesa de um dos reinos, e o apoio de Vulko (Willem Dafoe), que o treinou secretamente desde a adolescência.

QUADRINHOS DO AQUAMAN NA AMAZON: https://amzn.to/2QzklyH

LOJA OFICIAL DO PIPOCA & NANQUIM:

📱 http://www.lojadopn.com.br

◾ PARTICIPE ENVIANDO SUA CORRESPONDÊNCIA: 

📩 Caixa postal 78913  CEP 05061-970  – São Paulo/SP

◾ Curta nossa FANPAGE no Facebook:
http://www.facebook.com/Pipocaenanquim
—————————————-­­—————————————­-­—————–­-­—–
◾ Siga o Pipoca e Nanquim no TWITTER:
http://twitter.com/PIPOCAENANQUIM
—————————————-­­—————————————­-­—————–­-­—–
◾ Inscreva-se em nosso CANAL NO YOUTUBE:
http://www.youtube.com/pipocaenanquim
—————————————-­­—————————————­-­—————–­-­—–
◾ Siga o INSTAGRAM do Pipoca e Nanquim:
http://instagram.com/pipocaenanquim

– Daniel Lopes: http://instagram.com/danielgillopes
– Bruno Zago: http://instagram.com/zagaiada
– Alexandre Callari: http://instagram.com/alexandrecallari
—————————————-­­—————————————­-­—————–­-­—–
📩 E-mail para SUGESTÕES, CRÍTICAS, ELOGIOS E DÚVIDAS:
[email protected]

Tudo sobre AQUAMAN nos quadrinhos (origem + principais histórias) | Pipoca e Nanquim # 332

Por mais conhecido que ele fosse, tendo aparecido em animações, seriados televisivos e gozado de uma carreira nos quadrinhos de mais de sete décadas, o Rei dos Oceanos da DC Comics sempre foi um personagem do segundo escalão.

Tudo mudou quando o mago dos roteiros, Geoff Johns, recriou o personagem em 2011, levando-o para a primeira linha da editora. A repaginada funcionou e reverberou de tal maneira que, agora, o herói ganha seu próprio longa-metragem.

E antes de conferir o filme estrelado por Jason Momoa, você precisa saber TUDO SOBRE O AQUAMAN, e prepare-se para se surpreender com a convoluta trajetória do herói submarino.

QUADRINHOS DO AQUAMAN NA AMAZON: https://amzn.to/2QzklyH

EVOLUKIT:

PROMOÇÃO DE NATAL ESTANTES EVOLUKIT PARA LIVROS E HQs: https://goo.gl/RVkDua

– Cupom PIPOCAENANQUIM de 10% off à vista e 5% a prazo, em até 6x sem juros.

DICA: Fale que viu no Pipoca e Nanquim para facilitar sua compra e pague à vista para ganhar 15% DE DESCONTO com nosso cupom.
————-

LOJA OFICIAL DO PIPOCA & NANQUIM:

📱 http://www.lojadopn.com.br

◾ PARTICIPE ENVIANDO SUA CORRESPONDÊNCIA: 

📩 Caixa postal 78913  CEP 05061-970  – São Paulo/SP

◾ Curta nossa FANPAGE no Facebook:
http://www.facebook.com/Pipocaenanquim
—————————————-­­—————————————­-­—————–­-­—–
◾ Siga o Pipoca e Nanquim no TWITTER:
http://twitter.com/PIPOCAENANQUIM
—————————————-­­—————————————­-­—————–­-­—–
◾ Inscreva-se em nosso CANAL NO YOUTUBE:
http://www.youtube.com/pipocaenanquim
—————————————-­­—————————————­-­—————–­-­—–
◾ Siga o INSTAGRAM do Pipoca e Nanquim:
http://instagram.com/pipocaenanquim

– Daniel Lopes: http://instagram.com/danielgillopes
– Bruno Zago: http://instagram.com/zagaiada
– Alexandre Callari: http://instagram.com/alexandrecallari
—————————————-­­—————————————­-­—————–­-­—–
📩 E-mail para SUGESTÕES, CRÍTICAS, ELOGIOS E DÚVIDAS:
[email protected]

Podcast 43 – Conan, o Bárbaro

Olá a todos, aqui estamos para alegrar mais uma cinzenta segunda-feira. Opa, dissemos cinzenta? Exato, especialmente para os cimérios, que acreditavam que a vida era nada mais que um ciclo de lutas incessantes e que um homem só se provava homem no campo de batalha. E após sua morte ele “viveria” para sempre em uma amarga terra cinzenta, cheia de brumas, vagando até o final dos tempos.

Essa visão que o povo cimério tinha do pós-vida não era oficial, é verdade, pois jamais foi mencionada por Robert Howard (o criador do bárbaro) ou seus principais escritores, porém traduz com precisão a angústia que cercava esse povo, cuja vida era dor, e a morte não trazia esperança de uma existência melhor. O culto a um deus que não se importa com seus adoradores e achava que o homem devia ser inflexível, brutal, inexorável… O contato com uma natureza extrema, que expõe os seres humanos a condições adversativas, gerando indivíduos duros; lobos sob peles humanas.

É desse povo que vem um dos personagens mais fascinantes de todos os tempos, o bárbaro Conan. Nascido na literatura na década de 1930, o cimério foi o principal marco do surgimento de um gênero que hoje se destaca como um dos mais fortes em qualquer mídia: Espada & Feitiçaria.

Sem Conan não haveria Dungeon & Dragons, Game of Thrones, Elric e, garantem alguns especialistas, nem mesmo O Senhor dos Anéis, ainda que a obra de Howard e Tolkien estivessem separadas por continentes de distância. Preciosismos à parte, este é nosso programa homenageando esta criação especialíssima, lembrando que aqui no Brasil você pode assistir o filme na rede Moviecom e comprar o livro Conan: o Bárbaro (Generale) aqui. E, caso queira saber tudo sobre o personagem, não se esqueça de adquirir o livro Quadrinhos no Cinema, da equipe do Pipoca.

Grande abraço a todos e até a semana que vem.

RESULTADO DA PROMOÇÃO DO PODCAST 42 – ENTREVISTA COM LOURENÇO MUTARELLI

Quem ouviu nosso podcast anterior sabia que o Pipoca e Nanquim, em parceria com a editora Quadrinhos na Cia., estava sorteando dois pôsteres do filme Natimorto, autografados pelo próprio Lourenço Mutarelli (autor da obra que inspirou a película e protagonista do mesmo). Bastava enviar por e-mail ou deixar nos comentários quais as suas obras preferidas do escritor, e os vencedores foram: Marcos NeufertMatheus Costa. Parabéns aos dois, entrem agora mesmo em contato conosco passando o endereço para enviarmos essa preciosidade, seus sortudos!

ERRATA

O videocast e a promoção que vai sortear dois livros Conan: o Bárbaro, da editora Generale, mencionados nesse podcast, vão ao ar na próxima sexta-feira, não estrearam na sexta passada como dissemos, por problemas técnicos na gravação do programa. Aguardem!

Músicas

Bloco 01
Trouble On Double TimeFree
I Know Why The Sun Don’t ShineFrankie Miller & Paul Kossoff

Bloco 02
The Stroke – Billy Squier
Candy – Iggy Pop & Kate Pierson

Bloco 03
Anything GoesAC/DC
Do You Love MeKiss

Bloco 04
King Of The DogsIggy Pop
When I’m Sixty-Four The Beatles


Se você gostar do que ouvir, ajude o podcast a se espalhar e clique no botão de RETWEET ou então no CURTIR do Facebook. Indique para os amigos, coloque no seu blog, segue a gente no Twitter, comente ou mande um email pra gente.

Reproduzir

Conan: o Bárbaro – Crítica

Pois é, apesar da nossa torcida, principalmente tendo o Alexandre Callari como responsável pela tradução do espetacular romance de Robert Howard, Conan – o Bárbaro, temos que admitir que não foi desta vez que Conan ganhou o filme que merece. Nosso conselho? Compre o livro, pois o filme deixa a desejar.

Defendemos a escolha do diretor Marcus Nispel, por conta do trabalho que ele fez com os remakes de O Massacre da Serra Elétrica e Sexta Feira 13. Aprovamos também a escolha do ator, julgando sábia a opção de se distanciar da imagem consagrada (e insuperável) por Arnold Schwarzenegger, que iria gerar comparações imediatas. E ficamos aliviados quando saíram as primeiras fotos do set de filmagens, mostrando violência e nudez, além de cartazes oficiais que remetiam às pinturas originais de Frazetta.

Os problemas começaram com o trailer. Cenas forçadas, câmera lenta ultrapassada no estilo Matrix, pose e cara de mau, trilha sonora metal chupinhada de 300… Porém mesmo assim tinhamos fé na proposta, talvez pelo inabalável desejo de ver o cimério de volta as telas após um hiato de mais de vinte anos. Até, é claro, assistir o filme.

A película começa com uma narração igual à do longa original, desta vez na voz de Ron Perlman (canastrão ao extremo). Mas se o início é igual, logo o texto introduz a história de um artefato místico, uma máscara poderosa que garantiu a soberania do reino Acheron durante anos em um passado longínquo, espalhando uma era de terror e violência no continente Hiboriano. Por fim, os demais povos se uniram no melhor estilo O Senhor dos Anéis e derrubaram o reinado de Acheron.  Está achando clichê e batido até aqui? Fica pior! A máscara foi partida em sete pedaços e seus fragmentos escondidos pelo continente. Obviamente quem reunir a máscara irá ter o poder de controlar o continente e blá-blá-blá. Pois é, você já viu esse filme antes.

Corta para os cimérios. A mãe de Conan, no campo de batalha, parindo seu filho em uma cena constrangedora. Dá vontade de dar risada quando Perlman enfia sua faca suja e infectada nela para tirar o rebento de dentro e escutamos aquele barulinho de “gosma”. O moleque cresce com o estigma que todos conhecem, até sua vila ser atacada quando ele ainda era criança, em uma pobre recriação do massacre que ocorre no longa original. Mas se no Conan: O Bárbaro de 1982 o ataque a aldeia é parte fundamental do roteiro, já que leva à escravidão do cimério, a introspecção de sua personalidade, e ao seu desejo de vingança, aqui ele fica perdido, deslocado.

As lutas deixam a desejar, os atacantes praticam Le Parkour (é moda em todo filme agora), o jovem Conan é artista de circo e as maquiagens são babacas. Bom, o motivo do ataque é óbvio. Um feiticeiro fodão quer reunir os pedaços da tal máscara; um dos fragmentos é guardado pelo povo de Conan. O que os cimérios, povo bárbaro que detesta magia, estava fazendo com ele, não se sabe, mas o fato é que todo mundo morre e Conan cresce com o sonho de um dia se vingar. Porém algo parece deslocado, artifical, ao contrário da relação orgânica e viceral que o filme original estabelecia. Conan e Thulsa Doom tinham um elo jamais explícito em palavras, mas em atos e olhares, diferente do que ocorre nesta versão.

Bom, chega de contar uma história que se apoia em um fiapo de roteiro. Por que o filme é ruim? Vamos lá. Prá começo de conversa, vamos defender o protagonista, Jason Momoa. Muita gente se tranquilizou após ter visto a performance dele em Game of Thrones, achando que ele entregaria um Conan sensacional. Já aviso, ele está melhor na série de TV do que aqui, porém não é ele que compromete o filme. Seu trabalho não é magnífico e em vários momentos o ator até cria um herói antipático e chato, porém, se o filme fosse bom, passava batido. A atuação, infelizmente, não é o suficiente para salvar a película. Ele se esforça e está aparente que o homem imaginava que esse seria o mesmo passaporte para o sucesso que foi para Arnold.

O principal problema é mesmo o roteiro, cheio de furos e clichê, parece uma colagem incessante de cenas cujo único objetivo é mostrar que Conan é “o cara”. Logo as referências aos quadrinhos cessam e os roteiristas acreditam que o simples fato de mencionar A Torre do Elefante é suficiente para agradar os fãs. Não é! Primeiro por que essa é uma referência óbvia, segundo por que referências são curiosidades e não tábua de salvação para um trama preguiçosa. Os personagens são fracos; Tamara (Rachel Nichols), o interesse amoroso do cimério, não chega aos pés do carisma da guerreira Valéria do filme anterior e Stephen Lang até tenta, mas nem arranha James Earl Jones. O vilão Khalar Zym não passa de um psicopata com poderes, diferente da complexidade e profundidade que Jones trazia ao seu Thulsa Doom. Rose McGowan passa ridículo como a feiticeira Marique, tanto “atuando”, quanto visualmente; o certo mesmo deveria ter sido seguir em frente com o filme Red Sonja, ao invés de cancelá-lo para participar deste festival de mau gosto (não que a culpa tenha sido dela, claro).

Há cenas que são vergonha alheia, como uma cabeça cortada que cai no chão e abre os olhos, muito sangue em CGI e diálogos que só não são piores do que a trilha sonora – sem dúvida a mais horrorosa dos últimos anos. Marcus Nispel prova o que todos já sabem: lidar com 3D não é assim tão fácil. Na verdade, trabalhar com efeitos especiais não é fácil, pois se o diretor e a equipe técnica não souberem o que estão fazendo, o resultado fica como o visto aqui. Há momentos que não são melhores do que telefilmes. A iluminação é escura em diversas cenas, confundindo o expectador.

Conan: O Bárbaro foi um dos mega-fracassos do ano, o primeiro filme em 3D a naufragar, o que mostra que o público não está mais topando gato por lebre. De certo modo, isso é positivo. A franquia precisa ser repensada e reiniciada do zero, tal qual aconteceu com Batman. Se o filme fizesse dinheiro, correríamos o risco de ver uma continuação (como Lanterna Verde).  É uma pena que, em épocas de Game of Thrones, o maior bárbaro da história ganhe uma adaptação tão vergonhosa.

Podcast 35 – Game of Thrones: 1ª Temporada

Enfim, final da 1ª temporada de Game of Thrones no Brasil!!! E que final minha gente, portanto vamos falar mais um pouco dessa nova série da HBO. Lembrando que um tempo atrás fizemos um podcast sobre esse tema, erguendo algumas curiosidades, expectativas, primeiras impressões, etc. Como na época tinham sido exibidos apenas dois episódios, demos um panorama básico da obra de G. R. R. Martin. Hoje, nos concentramos apenas na série de TV e discutimos sobre os acontecimentos dessa temporada. Então ATENÇÃO: o programa contém spoilers de Guerra dos Tronos, ouça apenas se já tiver assistido tudo!

Bloco 1
• Convite de honra: Lançamento do livro Apocalipse Zumbi no Sesc-Araraquara;
Workshop de videocast com o Pipoca e Nanquim no Sesc-Pompéia;
• A primeira temporada de Game of Thrones terminou!
• Já falamos de GoT alguns meses atrás, mas ainda eram nossas primeira impressões;
• Spoilers pra tudo quanto é lado, salve-se quem puder;
• Dica de podcast: Masmorra Cast;
Ouça o Masmorra Cast com participação de Bruno Zago;
• Definindo em  GoT em poucas palavras;
• Martin e seu mundo de facínoras;
• Os reinos, governadores e povos de Westeros.

Músicas
Locomotive Breath – Jethro Tull
Come On, Come Over  – Jaco Pastorius

Bloco 2
• HBO é selo de qualidade;
• A mescla de um elenco experiente com atores jovens;
• Emilia Clarke atuou bem como Daenerys Targaryen?
• No final das contas, você gostou de GoT?;
• Martin é mestre em instigar a curiosidade;
• Daniel ficou P da vida com as mortes;
• Ned Stark cadê sua honra, irmão?;
• A polêmica da morte dos protagonistas;
Star Wars entra na conversa;
• Matando personagens para outros se destacarem;
• Robb Stark, um baita comandante.

Músicas
Eye In The Sky – Alan Parsons Project
If Looks Could Kill – Heart

Bloco 3
• Críticas a morte abrupta de Ned Stark;
• Faltou batalha nessa temporada! Queremos ver sangue jorrando!;
• Khal Drogo e seu cortinho fatal no braço;
• Daenerys Targaryen praticamente assassinou seu marido;
• As melhores cenas de Jason Momoa;
• Martin não tem coração;
• Daenerys e a bruxa louca;
• Na cena final, vocês viram primeiro os peitos da Daenerys ou os filhotes de dragão?;
• Será que os peitos são falsos?! Oh noooo!
• Expectativas gerais para a próxima temporada.
• Cersei Lannister é odiosa.
• Joffrey Baratheon é totalmente insano;
• Ned Stark ficaria melhor sem honra do que na cova.

Músicas

Star – Stealers Wheel
Bang a Gong (Get it On)  – T-Rex

Bloco 4
• Martin é um bom escritor, mas não é visionário;
• O foco dramático da Muralha;
• Quando chega o inverno?
• Zumbi, dragão, mulher pelada – Essa série é ótima!;
• Robb Stark causa arrepios no Alexandre;
• A espera pela segunda temporada será loooonga.

Músicas

Steady, As She Goes – The Raconteurs
I Hear You Call – Bliss

_______________________________________________________________________________

Se você gostar do que ouvir, ajude o podcast a se espalhar e clique no botão de RETWEET ou então no CURTIR do Facebook. Indique para os amigos, coloque no seu blog, segue a gente no Twitter, comente ou mande um email pra gente.

Reproduzir