A Fortaleza Móvel e o Mundo Subterrâneo

RICARDO BARREIRO & ENRIQUE ALCATENA

Uma verdadeira obra de arte de espada e feitiçaria, resultado da união de dois mestres dos quadrinhos argentinos, Ricardo Barreiro e Enrique Alcatena, A Fortaleza Móvel e O Mundo Subterrâneo traz a épica saga do aventureiro Bass de Avregaut, ambientada em um mundo pitoresco inspirado em Robert E. Howard e H.P. Lovecraft, na íntegra, com arte de capa exclusiva para a edição brasileira! 

R$59,90

Em estoque

• Formato 17 x 26 cm
• 140 páginas em preto e branco
• Capa dura com verniz localizado
• Miolo em papel pólen de alta gramatura
• Tradução: Daniel Lopes

Normalmente comprados juntos:

+
Preço total:   R$109,80
  • "É perturbador conhecer o mundo concebido pelos argentinos Ricardo Barreiro e Enrique Alcatena mostrado neste álbum. Sério. Inicialmente, o ambiente parece o tradicional cenário com castelos e florestas que serve de base para aventuras de “espada e feitiçaria”, um gênero literário marcado pela presença de guerreiros e magos. O diferencial é o fato de os detalhes imaginados no roteiro por Barreiro serem perturbadores já em seu conceito, caso de construções vivas que abrigam centenas de pessoas, balões que são, na verdade, criaturas imensas repletas de ar e civilizações que habitam os cantos mais abissais do planeta rodeadas por morcegos-humanos. Ao ganharem forma no traço grotesco e sombrio de Alcatena, tudo isso se torna matéria-prima de pesadelos."
    Gustavo Vícola, Mundo dos Super-Heróis
  • "Em termos definitivos, a dupla composta por Barreiro e Alcatena nos proporcionou uma aventura em estado puro, que trouxe de volta um pouco da inspiração de Robert E. Howard e que ofereceu um pouco da ácida crítica social que continua válida até hoje. Uma história em quadrinhos altamente recomendada para qualquer fã de aventura."
    Cuarto Mundo
  • "Essa é uma obra que vai te causar uma positiva estranheza, tamanha a inventividade do que é encontrado ao longo de toda a narrativa visual criada por Enrique Alcatena."
    Edipo Pereira, CosmoNerd
  • "A ambientação da obra traz homenagens a autores da literatura pulp, especificamente H.P Lovecraft e Robert E Howard, apresentando um mundo místico e misterioso digno de uma aventura bárbara."
    Diego Aleluia Jaffré, Cine Horror
CONHEÇA MAIS

Foi na segunda metade dos anos 1980 que a afiada escrita de Ricardo Barreiro se combinou aos magníficos desenhos de Enrique Alcatena, para dar origem a esta maravilha da nona arte, publicada na lendária revista argentina Skorpio de maneira serializada, e agora apresentada ao público brasileiro pela primeira vez, em uma edição definitiva.

São duas aventuras ao melhor estilo pulp de Conan, o Bárbaro, que juntas formam uma grande trama. Na primeira, o mercenário Bass de Avregaut se vê jogado no meio de uma guerra entre dois impérios, a bordo de um castelo colossal capaz de se deslocar sobre rodas graças a uma misteriosa forma de energia. Na segunda, ele vai parar em um reino construído debaixo da terra, escravizado por um povo albino e forçado a participar de um selvagem torneio de gladiadores.

Com influências diretas da obra do escritor H.P. Lovecraft, A Fortaleza Móvel e O Mundo Subterrâneo é um clássico do quadrinho argentino que agradará em cheio os fãs do subgênero espada & feitiçaria.

Este volume da editora Pipoca & Nanquim tem 140 páginas em preto e branco, impressas em papel pólen de alta gramatura, com capa dura com verniz localizado, acompanhada de um prefácio de Chuck Dixon (A Queda do Morcego), posfácio do próprio Alcatena e biografias dos autores.

 

SOBRE OS AUTORES

RICARDO BARREIRO

Nasceu em Buenos Aires, no dia 2 de outubro de 1949. Sua carreira nos quadrinhos começou em 1973, publicando histórias curtas. Pouco tempo depois, começou a desenvolver a série de ficção científica Slot Barr, com arte de Francisco Solano López, lançada em 1976. 

No final dos anos 1970, já havia se consolidado como roteirista e colaborava regularmente com as revistas Skorpio, da Argentina, e Lanciostory, da Itália. As séries Barbara (com arte de Juan Zanotto) e As de Pique (com arte de Juan Giménez) são alguns destaques desse período.

Durante a ditadura argentina, Ricardo se exilou na Espanha em 1978, onde passou a roteirizar algumas histórias para a Heavy Metal. Depois, quando se mudou para Paris, publicou Ciudad e Estrella Negra, todas com desenhos do parceiro Juan Giménez.

Mudou-se para Roma em 1982 e se juntou ao desenhista Franco Saudelli para lançar O Homem de Wolfland e A Filha de Wolfland; nessa época, também escreveu Avrack: El Señor de los Halcones, em parceria com Enrique Breccia.

Na sequência, o prolífico escritor publicou: A Fortaleza Móvel, Mundo Subterrâneo e El Mago, com Enrique Alcatena; El Instituto e Ministerio, com Francisco Solano López; Caim e Parque Chas, com Eduardo Risso; entre muitas outras. 

Em meados de 1980, retornou ao seu país e, algum tempo depois, foi diagnosticado com câncer na laringe. Mas isso não o impediu de seguir trabalhando em projetos como Instituto II e III, El Eternauta: Odio Cósmico, uma história derivada da maior ficção científica argentina.

Faleceu em 12 de abril de 1999, pouco antes de completar 50 anos, por complicações causadas pelo câncer, deixando um legado impressionante.


ENRIQUE ALCATENA

Nasceu em Buenos Aires, no dia 26 de fevereiro de 1957. Se interessou por quadrinhos logo na infância e se tornou autodidata observando o trabalho de artistas como Jack Kirby, Barry Windsor-Smith, Osamu Tezuka, Sergio Toppi, entre outros.

Sua carreira começou na consagrada revista Pif Paf, da Ediciones Récord, que publicou seu primeiro trabalho, Bushido, em 1976. Pouco depois, entrou no mercado inglês, participando da linha Starblazer, da editora D.C. Thomson & Co., focada em ficção científica.

Em 1987, voltou a trabalhar para a Ediciones Récord e recebeu o roteiro escrito por Ricardo Barreiro para a história A Fortaleza Móvel. Na sequência, a dupla criou O Mundo Subterrâneo e El Mago. Algum tempo depois, conheceu o escritor Eduardo Mazzitelli, com quem deu início a uma das mais celebradas parcerias das HQs argentinas. 

No final dos anos 1980, começou a colaborar com o mercado norte-americano e um de seus primeiros trabalhos foi como arte-finalista da minissérie Gavião Negro, escrita e desenhada por Timothy Truman, de 1989. Foi o suficiente para comprovar seu talento e abrir as portas de praticamente todas as grandes editoras, o que lhe permitiu apresentar suas versões de personagens icônicos como Batman, Superman, Lanterna Verde, Flash e Conan.

Entre os muitos títulos que desenhou, cabe destacar Batman – Asilo Arkham: Os Subterrâneos da Loucura, com roteiro de Alan Grant; Predador Versus Juiz Dredd, com roteiro de John Wagner; Batman no Túnel do Tempo: O Corsário, em parceria com seu amigo Chuck Dixon, que o convidou para diversos projetos, inclusive algumas histórias de A Espada Selvagem de Conan; e Jim Morrison: O Rei Lagarto, graphic novel sobre o líder do The Doors, escrita por Luciano Saracino.


Assista ao vídeo

Você também pode gostar de…