A Floresta das Árvores Retorcidas

Alexandre Callari

Nesta obra de Horror Cósmico, Alexandre se apropria dos Mitos de Cthulhu, do cultuado Lovecraft, e os introduz em um contexto brasileiro na década de 1990, para criar um universo de ambientes híbridos, com espíritos, rituais místicos, raças perdidas e seres inimagináveis.

R$69,90

275 em estoque

• Formato 16 x 23 cm
• 420 páginas em preto e branco
• Capa dura com verniz, fitilho marcador e corte trilateral vermelho
• Miolo em papel pólen soft 80 g/m²

COMPLETE SUA COLEÇÃO

++
Price for all:   R$159,70
  • "(...)em vez de buscar proteger sua propriedade intelectual, [Lovecraft] fez o oposto, incentivando colegas e admiradores a criarem suas próprias histórias."
    Alexandre Callari, do posfácio da obra
  • "Um livro impressionante que faz muito bem à literatura nacional de horror. É extremamente bem escrito e diligenciado, deixando o leitor ávido por mais antes mesmo que o termine."
    Leandro Lorusso, Formiga Elétrica
  • "Os personagens [...] não lidam apenas com feras, fantasmas ou assombrações. Eles são forçados a encarar entidades para além do tempo e do espaço. [...] graças a essa incursão no horror cósmico, o romance dá liberdade para a prosa de Callari exercitar descrições abstratas de seres e sensações inexplicáveis, talvez o ponto alto da obra."
    André Cáceres, Estadão
CONHEÇA MAIS

Após um conturbado divórcio, Adam decide tirar um período sabático e se afastar de tudo e de todos que conhece, buscando refúgio em uma pitoresca cidade do interior paulista, onde a estranheza parece ser a norma vigente. Lá, ele logo é jogado em uma trama de bizarros e grotescos acontecimentos que envolvem não só toda a população, como também criaturas apocalípticas de outra dimensão. Repleto de referências à cultura pop e ao mundo do terror em particular, o livro presta homenagem aos antigos pulps e ao maior expoente de terror que eles produziram.

Com 420 páginas, a aterradora história ganha contornos ainda mais macabros com as ilustrações de Doug Firmino, que abrem e encerram cada um dos capítulos. O artista cursou Artes Visuais na Universidade de Brasília, onde desenvolveu estudos sobre desenho anatômico em laboratórios e necrotérios, teve prática com modelos vivos, anatomia comparada e outras vertentes que se somam ao seu estilo próprio por meio do desenho grotesco figurativo. Atualmente, Doug cursa pós-graduação na UnB, focada na área de poética contemporânea, e desenvolve uma pesquisa acerca das representações e autorrepresentações do corpo grotesco no desenho figurativo. Ou seja, é o ilustrador ideal para traduzir em imagens as cenas do livro.

O design da capa foi criado pela artista Giovanna Cianelli, inspirada nas clássicas revistas pulps da década de 1930 e nos filmes de terror B dos anos 1970, influências nas quais o autor também bebeu para desenvolver sua trama. Além disso, o livro recebeu um corte trilateral vermelho adequado ao teor da história.

Este é o livro inaugural do selo Original Pipoca & Nanquim, que se propõe a lançar o melhor da literatura e dos quadrinhos nacionais, sempre com a qualidade editorial e o acabamento gráfico à altura das obras e do desejo dos fãs.

SOBRE O AUTOR

Alexandre Callari

Alexandre Callari ficou conhecido como um dos apresentadores do trio que encabeça o canal de YouTube e editora Pipoca & Nanquim, mas sua variada carreira engloba outras áreas. Trabalhou como editor da DC Comics no Brasil entre 2011 e 2018, período em que foi responsável pelas revistas de diversos heróis, com destaque para as séries do Batman. Traduziu mais de trinta livros de ficção e não ficção e centenas de histórias em quadrinhos, sendo também um apaixonado pela nona arte e colecionador de mão cheia. É o autor da trilogia de terror Apocalipse Zumbi, coautor da série Quadrinhos no Cinema, junto de seus amigos do PN, Bruno Zago e Daniel Lopes, e de Branca de Neve: Os Contos Clássicos, em que apresentou sua própria versão da famosa fábula, todos lançados pela editora Generale.

Ao lado do diretor Rodrigo Aragão, coescreveu o curta‑metragem Revelações de um Cineasta Canibal e o longa A Mata Negra. Entre suas vertentes menos conhecidas, foi músico profissional dos anos 1990 a 2000, época em que gravou diversos álbuns com sua banda de heavy metal, Delpht, e é faixa preta em jiu-jítsu, atuando como professor até hoje.

Atualmente, também está trabalhando no roteiro de sua própria história em quadrinhos, Arena, que está prevista para ser lançada pelo selo Original Pipoca & Nanquim em novembro de 2020.


Assista ao vídeo

Você também pode gostar de…