Podcast 37 – O Fim da Saga Harry Potter

Olá, trouxas!

Como todos sabem, a saga Harry Potter nos cinemas chegou ao fim! Para celebrar/lamentar o fim dessa jornada que acompanhamos durante dez anos, o Pipoca e Nanquim convidou Marília Toledo (leitora assídua e fã de HP) e Maurício Saldanha (cinéfilo e responsável pelo ótimo Cabine Celular, videocast em que logo após assistir um filme ele grava suas impressões, sempre muito verdadeiras e pungentes).

Com esses dois convidados especiais, conversamos sobre pontos positivos e negativos da adaptação, o elenco, os diretores, comparações com os livros e principalmente deixamos registrado o que significou Harry Potter para nós.

Não importa se você é Corvinal, Grifinória, Lufa-lufa  ou Sonserina, todos nós fomos educados nos corredores de Hogwarts e isso não se esquece, então dá logo o play!

Bloco 1

• Apresentando nossos convidados: Marília Toledo, que participou do videocast sobre Vertigo, e Maurício Saldanha, do Cabine Celular e RapaduraCast;
• Comemorando os 200 mil views do videocast do Pipoca e Nanquim em único programa!!
Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 2, o final de uma saga de 10 anos;
Episódio do Cabine Celular sobre o último filme da série;
• A saga enaltecendo o cinema inglês;
• J. K. Rowling presente em toda a série;
• Terry Gillian quase dirigiu Harry Potter;
• Os quatro diretores dos oito filmes.

Músicas
Sunny AfternoonThe Kinks
Helter SkelterThe Beatles

Bloco 2

• Será que a série de filmes ganharia se tivesse o mesmo diretor desde o início?
• Chris Columbus e o “pó de pirlimpimpim” nas duas primeiras adaptações;
• Tom mais infantil ou mais sombrio para a saga?
• Mike Newell e David Yates, a classe inglesa chega aos filmes à partir de O Cálice de Fogo;
• Daniel Lopes muda a nacionalidade de Gary Oldman;
• Que nos desculpe os bons moços, mas os vilões são o destaque de Harry Potter!
• Snape, nosso personagem favorito.

Músicas
Suffragette CityDavid Bowie
Tumbling DiceThe Rolling Stones

Bloco 3

• A tecnologia do cinema acompanhando a série;
• A sorte de quase não ter troca de atores em nenhum filme (exceto por Richard Harris, nem os bem velhinhos morreram);
Harry Potter está para a geração de hoje como Star Wars está para as antigas;
• A sacada de J. K. Rowling de fazer seu personagem crescer junto com seu público;
• Os livros realmente são cativantes, em nossa opinião;
• A medida que Harry crescia, a autora também melhorava em sua escrita, que também ficava mais sombria;
• Morte: a grande temática da série!

Músicas
SallyGrand Funk Railroad
Texas StrutGary Moore

Bloco 4

• O que achamos dos três atores principais;
• A saga careceu de grandes diretores de elenco;
• Muito conteúdo para ser adaptado;
O Enigma do Príncipe, o filme com mais problemas de adaptação;
• O vasto universo mágico de Harry Potter, razão do sucesso de Rowling;
• A varinha de condão de Bruno Zago;
• O parque temático de Harry Potter da Universal em Orlando;
• A sacada da tradução brasileira em chamar os não-bruxos de Trouxas!
• Será que a saga pode voltar?

Músicas (perdão pela edição, que inverteu a ordem das indicações do Maurício)
Country ComfortsRod Stewart
Bell Bottom BluesDerek and the Dominos

_______________________________________________________________________________

Se você gostar do que ouvir, ajude o podcast a se espalhar e clique no botão de RETWEET ou então no CURTIR do Facebook. Indique para os amigos, coloque no seu blog, segue a gente no Twitter, comente ou mande um email pra gente.

Reproduzir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Alexandre foi roubado de novo aushaushaushauh será?

    essa podcast foi muito boa extremamente informativa vcs se aprofundaram no assunto com apenas 33 minutos vlw pipoca

  2. O cast tá bem bacana!
    Só tem um errinho: Harry Potter já vendeu 500 milhões de livros e não 140 como foi dito. Ah e o nome do Dumbledore é Alvo Percival Wulfrigo Brian Dumbledore.

  3. Pelo jeito, alguém aqui não viu/leu HP, ná Rafael??!! Todos nos somos trouxas meu chapa!!

  4. Nunca fui um grande fã da franqu… Ops, da Saga Harry Potter. Não sei, acho que comecei a acompanhar já com uns 16 anos e nunca foi mto significativo pra mim… Pelo menos no início. A saga de fato se desenvolveu e merece o nome Saga. Tem algumas coisas que me incomodam (Tim Hunter. TIM HUNTER!!!) mas admito que a autora foi muito inteligente na criação do universo de HP, e merece muito, muito respeito MESMO. Em Askaban vi meu ator preferido e nos ultimos filmes me surpreendi. Muito bons. Pra mim, que não gostava, me vi fisgado!

    Me vi fisgado também com o Pipoca e Nanquim – vocês são foda!
    Marília mandou muito bem novamente. Daniel e Bruno eu nem preciso dizer, fodas como sempre. Mas Mauricio Saldanha foi destaque. SENSACIONAL!

    PARABÉNS GALERA!

  5. Nào querendo ser a “tia” chata,mas jà sendo…’A parte os supostos méritos apresentados,dos quais nenhum deles me convenceu realmente,oque me entristece,na verdade,é que se pergurtarmos à qualquer um dos espertalhòes de plantào se eles conhecem o livro “O Menino Màgico” da Raquel de Queiroz,a grande maioria,independente da idade,responderà:”Quem???”
    Como foi dito no post,o grande mérito da franquia descarada,disfarçada em saga literària,foi reafirmar a cultura britànica que vinha sendo monopolisada por aquela americana.O problema é que mudam os imperadores mas o império continua,enquanto os eternos “enfeitiçados” pagam,aplaudem e ainda dizem amém.

  6. Excelente cast!
    Acho que ainda a muito exagero em alguams comparações.
    Bons convidados e claro a excelente qualidade do cast como sempre.
    Pessoal só achei o audio baixo, outros cast que escuto
    estavam mais alto.

    Parabens pelo cast e pelo conteudo do site muito show!

  7. O que me entristece msm são termos como “literatura jovem” que abarcam obras terríveis, todas surgidas na esteira ou de HP ou de Crepúsculo. Esses livrecos tolos com escolas de vampiros, dragões, anjos, zumbis, lobisomens, etc etc etc. Todo mundo já deve ter visto, geralmente as pilhas ficam bem na porta das livrarias, o que é bem sintomático, considerando que o público alvo desse MONTE DE MERDA não tem o menor afã de pesquisar e correr atrás de obras fundamentais, aquelas que geralmente ficam no fundo e nem os vendedores dessas magazines, que em geral são uns néscios, conseguem localizar. Me entristece msm, imensamente, pois os fâs de HP em geral parecem dar excessiva atenção ao que eu chamo “a matéria” da obra ou seja, ao universo de magia, encantos e seres mitológicos. Prova maior disso creio eu, além dos subprodutos em forma de livros, são as toneladas de revistas “HP e outros Bruxos”, a tentativa mal fadada de enplacar a franquia Percy Jackson e a própria iniciativa de J.K. Rowling, com seu “Potermore”. Chega a ser vergonhoso que uma escritora tida como tão talentosa, mesmo já sentada numa fortuna nababesca, não tenha coragem de investir em um trabalho mais ousado, diferente, voltado a outro público. Ao invés disso ela prefere colocar HP numa espécie de masturbação sem fim. Isso não é atributo de gente talentosa, queiram me desculpar os fãs.

    Fazendo um adendo ao Pedro Nogueira, o único motivo de a semelhança entre Tim Hunter (Livros da Magia) e HP nunca ter dado zebra deve-se ao fato da Warner ser dona de ambos (filme do HP e HQs Books of Magic).

  8. O Neil Gaiman já se declarou que adora a obra da Rowling e não acredita no plágio, segundo ele “o arquétipo do jovem feiticeiro tem vários outros precedentes na literatura”.

    Fora o personagem deveras parecido o conteúdo é completamente diferente e claramente destinado a outro público.

  9. Por incrível que pareça, o Maurício Saldanha fez uma boa participação no podcast! rs

    Talvez seja por causa do tema, que tanto me agrada.

    Vocês conseguiram fazer um baita podcast em somente 33 minutos, parabéns!

    Em breve no Nerds Somos Nozes sairá um podcast sobre o tema também…

  10. Salve, pipoqueiros e nanquinzeiros.

    Pra mim, a saga é épica e tem uma importância gigantesca.

    Por sua causa vi minha filha desenvolver o gosto por literatura, enquanto acompanhavámos atores com idades aproximadas a dela, transformarem as palavras lidas em cenas belíssimas.

    Como consequência, vi nascer outro interesse por parte dela: pelo cinema.

    Discutimos sobre as atuações, sobre as escolhas dos roteiristas em comparação às escolhas da autora, sobre as nossas preferências, enfim… passamos bons momentos por conta dessa saga.

    Mesmo que eu tenha a oportunidade de ver nascer outra obra que alcance tamanho sucesso, não será a mesma coisa, porque as circunstâncias em que pude curtir Harry Potter não se repetirão, a não ser que seja com meus futuros netos… quem sabe?

    Abração.

  11. Realmente não há que falar em plágio, mas as coincidências entres ambos são muitas, para não dizer a quase total identidade física.