A Tendência dos Encadernados no Mercado de Quadrinhos – Café com Quadrinhos #16

Sim, meus caros leitores cafeinados, é difícil achar um de nós que não tenha simpatia pelo formato supramencionado.

A facilidade de manuseio e leitura; o conforto de ter início/meio/fim de uma só vez; a beleza de ver tudo enfileirado ordeiramente na estante; as lombadas chamativas; os aspectos gráficos exuberantes; os preços… Aqui que a cobra fuma, mas, continuando…

Tudo isso vem adjetivar os famosos encadernados.

Seriam eles a tendência no futuro do mercado mundial e, corolariamente, do nacional? A “onda” já começou ou, tão logo, a maré começará a subir definitivamente? As vantagens superam as desvantagens? Ainda vale a pena acompanhar os títulos mensais, os mixs, ou melhor mesmo é esperar lançarem os volumes em pauta?

Pegue vosso café, sente-se à mesa e vamos ao debate.

Muy bien, é nítido que, para o leitor ocasional ou habitual, ler tudo numa só tacada é uma belezura só. Você dispor de algum arco específico do seu herói favorito, alguma minissérie bacana ou coletânea de especiais, tudo em um só tomo – muitas vezes com extras bacanas, itens indispensáveis (alguns nem tanto) em tempos modernos – é infinitamente melhor do que ler tudo por partes, capítulo a capítulo, durante meses a fio e gastando bem mais.

Sem contar a praticidade para guardar, colecionar, emprestar (para os mais corajosos, claro) ou até mesmo enviar para alguém. Entretanto, na hora do preço, é quando ocorre os primeiros contratempos.

Um tópico bastante controvertido e extremista.

Por quê? Ora, devido ao fato de, sabendo que seus leitores estão seguindo essa tendência, muitas editoras locupletam os encadernados com todo tipo de luxo questionável e coloca um precinho pra lá de hipertenso. Exemplos não faltam pelas bancas e livrarias brasileiras.

Aí vem aquele costume, com honrosas exceções, de lançar a primeira edição toda chamativa e… E só. A esperada segunda, terceira, quarta e “X” edição ficam na espera, na promessa, no planejamento a longo prazo, no estudo de mercado, na mudança de editora, no formato diferente do lançamento anterior…

Igualmente aos livros opulentos, felizmente há alguns encadernados em conta para o bolso do leitor médio. Coleções inteiras sendo lançadas a um valor em conta, séries que vêm conquistando boa audiência entre os consumidores, com regularidade satisfatória de alguns meses de intervalo e sem a necessidade de desleixamento na qualidade gráfica interna.

Para alguns, um bálsamo em tempos de luxo excessivo a qualquer coisa considerada “neoclássica” dos frenéticos e verossímeis anos 00.

Outro fator que costumo ver, em muitos casos, é a comparação entre ler uma aventura parte por parte, mês a mês e, nos casos das revistas mixs, junto às outras que não tenho nenhum interesse em acompanhar… Ou simplesmente aguardar (e rezar) para que a editora resolva lançar aquela minissérie ou arco específico condensados em um único volume.

Como ando divorciado dos títulos regulares, isso vem sendo um bom ponto de apoio às minhas leituras, melhores selecionadas. Algumas minisséries da Panini, por exemplo, já dispensei logo após pegar a versão encadernada – e tenho fé que o mesmo será feito com a estupenda Surfista Prateado: Requiem, um dia, quem sabe, Oxalá…

Vamos torcer para que assim o seja.

Além destes fatos alhures comentados de forma brevíssima, faz-me necessário destacar a massiva onda que os encadernados gradativamente impõem no mercado. Talvez não haja mais retorno: vieram para ficar e, muito seriamente, podem ser as versões definitiva de muitas HQs no futuro. Isso é bom? Depende.

Já chegaram a fazer algum estudo de mercado, devidamente embasado, sobre as preferências do público consumidor de quadrinhos entre séries mensais e encadernados? Por sinal, já sabem o perfil do público consumidor de quadrinhos? A segunda indagação ajudará a responder a primeira pergunta.

Enquanto isso, no Brasil… Pois é.

Mais: qual seria o tempo ideal de intervalo entre um encadernado e outro? Lógico que nem muito longo, tampouco extremamente curto. Um interstício razoável é o mínimo que se poderia esperar, diferente do que ocorre, muitas vezes, na Europa.

Eficiência dissimulada de rapidez nem sempre é sinônimo de qualidade e, muitas vezes nestes casos, a prudência deve-se fazer presente. Roteiro e arte agradeceriam bastante, diga-se.

Bom, não sei quanto a vocês, mas eu já me rendi a esses maravilhosos tomos. Ainda fico com a pulga atrás da orelha na hora do preço, quase uma extorsão, e certos cuidados gráficos inteiramente supérfluos…

Mas, como ninguém é obrigado a comprar, viro-me com os capítulos apartados nas mensais e minisséries soltas. Ou parto pros importados de vez.

Tudo tem solução. Basta querer.

 

Deixe uma resposta

  1. Tomara que lancem um encadernado do Marvel Millennium Homem Aranha ( com volumes, por que são 100 edições, dava pra fazer uns 10 volumes). Oremos.

  2. Tomara que lancem um encadernado do Marvel Millennium Homem Aranha ( com volumes, por que são 100 edições, dava pra fazer uns 10 volumes). Oremos.

  3. Sou completamente louco por encadernados, as vezes fico pensando como seria ótimo aquela história em formatinho virar um Mega encadernado de luxo e com um preço legal, porque realmente esses preços são uma m3rda! Mas eu não iria gostar de ver o fim das revistas também…

  4. Bem como estamos no Brasil, o negócio é rezar, fazer mandiga ou qualquer coisa pra que a Panini ou outras editoras não só publiquem mais como deem continuidade aos encadernados já lançados a preços acessiveis. ex: bibliotecas marvel ( que para mim já foi lançado como peso morto, pois a muito tempo não sai algo novo, o maximo que foi publicado foram 3 volumes, nos States se não me engano já está na nona ou décima), outro é a continuidade ao Terra X, lançando Universo X e Paraiso X. O intervalo ideal para mim entre um lançamento ou outro é bimestral no maximo trimestral , não pesando muito e dando um folego ao nosso bolso.
    Bem, não sei o porque e a estrategia da Panini, mas hoje em dia muita gente tem vontade de ler as primeiras historias ou historias classicas de seus herois prediletos, onde os mesmos acabam parando nas mão de sebos que cobram preços absurdos, (ex: herois da tv , capitão america, hulk , homem aranha no mercado livre é corriqueiro vc encontrar coleção completa por mais de R$ 1000,00 !!!!) absurdo !!!! não é possivel que não tem ninguem na Panini aqui no Brasil que não percebeu isso ou se já percebeu o porque de não publicarem !!!
    Fui na Fest Comix e a quantidade de gente que eu vi nas filas com encadernados eram absurdas, é uma pena que a Panini não trata com respeito seus consumidores.
    Como foi sitado  no artigo tudo tem solução, e a minha é partir para os importados !!! é uma pena mas só tem essa maneira

  5. Depois de muito tempo voltou a minha paixão por quadrinhos, e claro que agora prefiro tudo encadernado , o preço muitas vezes é salgado  mais a parte boa é que se tem uma obra completa sem medo de esperar possíveis capítulos e claro fica bem mais bonito na estante, parabéns pela matéria. 

  6. Adoro encadernado, sai barato alguns outros muitos caros, mas acho que é fase, afinal quadrinhos é moda e herois também, sempre vai sair encadernados, mas acho que tende a diminuir um pouco quando a “moda” esfriar.
    E em séries de encadernado as editoras são fanfarronas lançam sem prazo a deus dara quando querer.

    Mas também adoro encadernado de formadinho, os antigos almanaques e tenho a ideia de que eles deveriam voltar, vou explicar meu ponto: Tem muitas sagas ruins e outras legais em revistas mensais, sabe aquela aque enche linguiça na revista, que não tem fama nem oba-oba nela.
    Poderiam ser lançados a preço popular R$:5,00, almanaques com essas histórias regulares, assim atrai novos leitores e ainda no final a panini ve quais histórias venderem bem para lançar futuramente em edição de luxo, sabe usar essas histórias sem holofotes de termometro, descobrir sagas interessantes que não são aclamadas e angariar novos leitores.

  7. Eu entendo que é importante existir os mensais ou mix mas, eu não tenho mais paciência, só compro encadernado, acho que nenhum que eu comprei teve um preço abusivo.
    O último foi o batman ano um, achei bem justo.

  8. Galera, esse é um assunto difícil.

    Em primeiro lugar, no Brasil a venda não é feita sob demanda, como nos EUA. Ou seja, a editora nunca sabe exatamente o quanto produzir. Isso é o que causa maior atraso entre um título e outro, e também a falta de continuidade. Às vezes algo é lançado, mas simplesmente não vende (Starman, Questão, etc.)

    Quanto à preferência entre mensais e encadernados, hoje em dia, as mensais funcionam como um termômetro. Se a revista tem aceitação, ela é lançada encadernada – novamente o fator principal é o custo.

  9. Encadernados têm ótimas vantagens, mas o que mais desanima é a interrupção nas publicações. Lançam um encadernado caro (muitas vezes com um desnecessário requinte gráfico, como bem disse o André) que não tem boas vendas e interrompem a publicação, deixando os leitores órfãos. Vide o Liga da Justiça do Morrison, Starman, Biblioteca Marvel, etc. A Vingança dos Lanternas Verdes saiu por causa do hype do filme, e duvido que deem continuidade até a Noite Mais Densa (O mesmo vale para Lanterna Verde Crônicas).O mesmo aconteceu com grandes clássicos do poderoso Thor, que lançou o vol. 4 uns cinco anos depois de lançar o primeiro. Quando dão continuidade, a espera é enorme…

  10. “A facilidade de manuseio e leitura; o conforto de ter início/meio/fim de
    uma só vez; a beleza de ver tudo enfileirado ordeiramente na estante”

    disse tudo

    bom post. colecionar encadernado é realmente um vício

  11. Gostei da linguagem asgardiana no post. Enfim, longa vida aos encadernados. Gosto muito, acho que é o melhor para quem curte quadrinhos!

  12. Eu vi alguns encadernados, pirei quando vi o encadernado do WILL EISNER sobre NY, GUERRA CIVIL… mas como bem foi comentado, o preço não ajuda muito =/

  13. Um ponto da matéria é bem interessante: com encadernados, selecionamos melhor nossa leitura. Há um contra: podemos estar perdendo uma boa história em um mix ou mensal desprezados… Mas, se for boa mesmo, uma dia, poderá sair em encadernado…

    Não compro mensais. O tempo é curto. E a grana também. Selecionar a leitura é imprescindível. E os espaços entre publicações mensais cansam. Como é bom ler uma saga ou arco de uma lapada só!!!! Para organizar HQ com lombada quadrada, nem se fala!!!

    E, quanto ao preço…. convenhamos: títulos mensais não estão tão baratos!

    Enfim, sou um fã do encadernado. Voltei a ler quadrinhos pela praticidade que eles oferecem. E pela unicidade. Não tenho idade e tempo para viver indo às bancas a fim de ler as “cenas dos próximos capítulos”….

    A realidade é que esse formato tomará cada vez maior dimensão.

  14. [email protected] em

    Pelo visto, os encadernados valem mais a pena do que as mensais, que geralmente vai de classificação boa a péssima!