Minha Estante #07 – Daniel Lopes

Vocês já conheceram a grande coleção de Alexandre Callari, agora é a vez do segundo apresentador do Pipoca e Nanquim com maior número de quadrinhos abrir as portas de sua casa: Daniel Lopes!! Em breve será a vez de Bruno Zago, pra todos verem que os membros desse site realmente gostam do que fazem!

O Daniel, além de apresentador e editor do PN, é um economista que conseguiu se formar com uma monografia sobre o mercado nacional de quadrinhos, além de ser um dos autores da obra Quadrinhos no Cinema, que acabou de ser lançada.

Conheçam então a coleção de Daniel Lopes, suas edições mais raras, títulos preferidos, manias de colecionador, etc.

——————————————————————————————-

Fala Daniel, tudo bom? Como se sente sendo entrevistado por seu próprio site?

Olá, pessoal! Tudo na santa paz e com vocês?! Me sinto muito bem, totalmente à vontade, estou em casa.

Haha! Ok, vamos lá então, conte quando e por que você começou a se interessar por quadrinhos?

Comecei a curtir quadrinhos por conta da influência do meu pai, ele lia muita coisa do Homem-Aranha e Conan, vira e mexe eu dava uma crescida no pescoço nas revistas que ele deixava em cima da mesa e tal, quando aprendi a ler passei a ganhar algumas edições da Disney e Turma da Mônica, tanto é que minha primeira coleção foi Turma Da Mônica Coleção Coca-cola, que infelizmente não tenho mais,  com o tempo vieram os super-heróis e por ai foi.

Meu pai sempre foi uma influência muito grande, não só para quadrinhos, mas também quanto à música, literatura e cinema, lembro que por volta dos meus doze anos ele elaborou uma lista dos melhores filmes que já tinha assistido e isso foi um divisor de águas em minha vida.

Quando você passou de um leitor ocasional de HQs e passou a ser um ávido colecionador?

Isso foi muito recentemente, em 2006. Até então eu guardava algumas revistas, outras eu trocava por discos ou livros em sebos ou dava de presente pra algum amigo.  Mas em 2006, ao entrar na faculdade, fiz amizade com o Guilherme Garcia (ex-apresentador do Pipoca) que me apresentou alguns grandes títulos que eu desconhecia, e na república (casa alugada por estudantes para dividir despesas) em que morávamos havia uma boa coleção de Will Eisner. Fui fisgado de vez e quando voltei para visitar meus pais depois de algumas semanas, desenterrei algumas HQs guardadas, reli várias, botei plástico em tudo e desde então gasto a maior parte do meu orçamento e tempo com esse hobby.

E quantos quadrinhos você tem atualmente na coleção? Aproveite e deixe o link dela no Guia dos Quadrinhos!

Ainda é uma coleção modesta, nem se compara a algumas que pintaram por aqui, mas é muito seleta e inestimável. Atualmente tenho cerca de 2.500 quadrinhos e meu nome lá no Guia dos Quadrinhos é Daniellopes, mas está um pouco desatualizada e tenho alguns títulos que não possuem cadastro lá, principalmente os eróticos, alguns fanzines e importados.

Você sabe quanto dinheiro em média gasta mensalmente comprando HQs?

Ah, é uma quantia boa, não devo revelar isso publicamente, pois posso desenfrear a ira da patroa. Atualmente tenho gastado pouco, pois as condições financeiras não estão muito favoráveis.

Você prefere mais comprar os quadrinhos no ato de seu lançamento ou investe mais em material antigo?

Isso varia muito, tem algumas edições de luxo que estou na fissura pra ler que acabo comprando no lançamento, até porque algumas livrarias costumam dar desconto na primeira semana de venda, isso ajuda bem.

Mas tem coisa que eu seguro pra comprar mais pra frente, em algum sebo ou feira de livros onde possa encontrar em promoção.

Também compro muito material antigo, então varia bastante. Não deixo passar bons quadrinhos por preços apetitosos de jeito maneira.

Se você já tem a história que adora publicada em formatinho e ela é lançada em álbum de luxo, você a compra novamente? Depois vende a primeira ou fica com as duas?

Eu compro novamente quando o álbum de luxo vale a pena, se possui boa qualidade gráfica, muitos extras e um preço plausível ou se minha coleção em formatinho estava incompleta e detonada. Geralmente fico com as duas. Ultimamente tenho repassado algumas para meu irmão mais novo que está com sete anos e tem um interesse nato por super-heróis.

Você já fez alguma “loucura” ou investiu muito dinheiro de uma vez só para adquirir quadrinhos?

Eu já trabalhei (meio período) alguns meses em um sebo em troca de quadrinhos e discos. Foi excelente, pois pude adquirir algumas coisas sensacionais.

Investir muito dinheiro e comprometer o orçamento do mês para as outras contas é rotineiro.

Qual foi o maior lote de HQs que você obteve em uma tacada só?

Foi coisa de 500 revistas, a maioria da editora Abril, muito X-Men, Wolverine, Batman e Homem-Aranha… foi uma delícia, consegui fechar várias coleções.

Quais são os principais itens da sua coleção, aquelas séries ou volumes que você tem muito orgulho de ter?

Eu adoro minha coleção de eróticos, a coleção Sandman da Conrad, a do Lobo Solitário da Panini, as três primeiras séries completas do Batman pela Abril, gosto muito da coleção do Aranha também, os álbuns do Calvin e Haroldo, as coleções Graphic Novel (Abril), Graphic Marvel (Abril) e Graphic Globo. Tenho orgulho de todas as minhas HQs, todo dia sinto vontade de relê-las.

E quais são suas maiores raridades?

Não tenho muitas coisas que se diga “Meu Deus, que raridade! Isso deveria estar em um museu!!”, mas tenho algumas obras difíceis de encontrar, as principais acredito que sejam os Zéfiros originais, as Maria Erótica e algumas outras revistas da Grafipar. Também tenho algumas boas da Ebal e da RGE. O Sandman (incluindo Caçadores de Sonhos) da Conrad também virou raridade, né?!

Você me emprestaria esses quadrinhos que acabou de listar?

Nunca!

Diga quais personagens você tem como favoritos? Sei que deve ser mais de um, então liste logo uns cinco.

Batman, quando era criança, por volta dos sete anos, eu só assistia os dois filmes do Tim Burton, tive pelo menos uns cinco aniversários com ele como tema e as suas histórias até hoje me faz ir até às bancas.

Outros favoritos são: Wolverine, Spirit, Valentina e o Calvin.

Diga-nos os seus roteiristas e desenhistas favoritos.

Roteiristas e desenhistas: Eisner, Hugo Pratt, Crepax, Laerte, Frank Miller, Crumb, Alex Raymond, Bill Watterson…

Roteiristas: Alan Moore, Neil Gaiman, Garth Ennis, Kazuo Koike, Grant Morrison, Warren Ellis,  Giancarlo Berardi, Alejandro Jodorowsky…

Desenhistas: Neal Adams, Moebius, Jack Kirby, David Mazzuchelli, Dave Gibbons, Manara, Bill Sienkiewicz, Dave Mckean, J.H. Willians, Flavio Colin, John Cassaday, Kevin O´neill, Charles Vess, Jon Bolton, Alberto Breccia, Dave Gibbons, Samuel Casal, Danilo Beyruth, Rafael Coutinho, Gustavo Duarte, Chris Ware…ah tem uma cacetada.

Will Eisner

Alan Moore

Guido Crepax

Milo Manara

Frank Miller

Neil Gaiman

Grant Morrison

O diabo desceu na Terra e disse pra você: “Daaaaniel, estou confiscando sua coleção de quadriiiiiiiinhos, seu vagabundo maldito, você tem o direito de salvar apenas cinco, escooooolha looooooogo”. Se isso acontecesse, quais você salvaria?

Se o diabo só quiser minha coleção e não minha alma, eu salvo itens mais velhos, como os Zéfiros, coleção Maria Erótica, o que der pra carregar da Ebal e da RGE. Pois são coisas que dificilmente serão relançadas.

Mas se o cão-tinhoso quiser me levar e supondo que ele vacilou por não especificar se eram cinco HQs solos ou séries, vou levar boas séries, pra durar mais a leitura lá no caldeirão.

Sandman (Conrad)
Lobo Solitário (Panini)
Watchmen (Panin)
Calvin e Haroldo (Conrad)
O Cavaleiro das Trevas (Abril)

Eu só não levaria a coleção de Preacher, pois tenho certeza que o inferno está cheio de exemplares dessa obra.

Tem algum título que você está cobiçando nos últimos dias, aquela edição que falta isso aqui ó (sinal com dedo indicador e polegar paralelamente alinhados traçando uma minúscula medida) pra fazer uma loucura e comprar?

Cara, estou prestes a comprar todos os volumes de Nausicaä do Vale do Vento do mestre Hayao Miyasaki, lançado pela Conrad e também os três volumes da série Antes do Incal.

Quais HQs gringas você não vê a hora de serem lançadas no Brasil?

Quero que saia por aqui Richard Stark’s Parker: The Hunter, de Darwyn Cooke; The Alcoholic, de Jonathan Ames (criador da sensacional série Bored to Death); El Eternauta,de Oesterheld; Daytripper, de Fábio Moon e Gabriel Bá; Wilson, de Daniel Clowes; os encadernados do Conan que estão saindo pela Dark Horse,  putz, tem milhares de títulos ótimos que deveriam ser lançados aqui…

Também quero muito que republiquem Akira e Monstro do Pântano em edições luxuosas e completas!

Mudando de assunto, como você guarda sua coleção? Qual técnica usa para conservar as HQs?

Eu guardo os encadernados em pé em uma estante de madeira maciça, sem emplastificar. Os mensais e formatinhos ficam em uma estante de ferro, alguns  emplastificados, preciso criar vergonha na cara e colocar no resto.  Minhas estantes já estão cheias, preciso comprar mais uma, por enquanto vai ficando quadrinhos no criado mudo ou na escrivaninha.

Você tem alguma mania de colecionador? Ou melhor: eu sei que, como colecionador, você tem algumas manias, revela pra galera quais são.

O cheiro de livro novo é simplesmente delicioso, sempre que abro alguma nova aquisição dou uma cheirada, tomando o cuidado pra não encostar o nariz em páginas pretas que podem ficar com marcadas pela oleosidade da pele. Inclusive marcas de dedo em páginas escuras de papel couché me deixam puto da vida.

Também, salvo raríssimas exceções, não empresto minhas HQs. Ajudo a pessoa a comprar, dou de presente e crio a vontade de ler através do Pipoca e Nanquim, mas emprestar, não!

Você ainda lê quadrinhos mensais, ou fica apenas nos encadernados?

Muito pouco. Prefiro ficar com os encadernados mesmo. Até por que mensais em sua maioria são de super-heróis, sempre envolto em sagas gigantes e clichês pra todo lado. Não tenho tanta paciência.  Voltei a comprar a revista Vertigo por conta do Vampiro Americano e é uma mensal que dá gosto de comprar. Também sempre dou uma chance pro Batman.

Qual foi sua última leitura e qual está sendo a atual?

Minha última leitura foi a coletânea Fierro (Ed. Zarabatana) e a HQ que está no topo do criado mudo agora é Criminal Vol.2 – Lawless.

Cara, nós do PN sabemos que você é o mais rato de sebo dentre todos nós, diz pro pessoal alguns títulos bacanas que você obteve a preço de nada?

Nossa, isso quando acontece é sempre uma alegria tremenda.

Já paguei mixaria em várias HQs, um monte de formatinho por R$0,10,

Moonshadow encadernado (Ed. Globo) eu paguei R$ 3,00; Anel do Nibelungo (Opera Graphica) por R$ 5,00; meu Sandman Prelúdios e Noturnos (Conrad) achei em sebo por R$ 20,00; Homem-Aranha em Cores N.5 (Ebal) por R$ 1,00, minissérie Reino do Amanhã (Abril) por R$ 5,00… são algumas das pechinchas.

A maior parte da minha coleção eu comprei em sebos ou em promoções de livrarias, pagar o preço de capa, ainda mais dos encadernados é vacilo demais.

Vemos que você tem um espaço de sua estante reservado pra outra coleção, a de discos. Quanto discos você tem? Ainda investe nesse hobby?

Eu adoro música. Ler uma boa história ao som de um bom disco na vitrola não tem preço!

Minha coleção de disco ainda é pequena. Tenho cerca de 500 LPs e uns 150 CDs originais (gravado não conta! Não que eu faça isso… rs). Hoje em dia eu invisto bem menos em discos do que em HQs. Mas nunca deixo de procurar e sempre compro uma coisa ou outra, ou você acha que vou perder mamatas de comprar um baita álbum por 10 reais?! Se for um disco que quero muito e o preço cabe no bolso, levo fácil!

Quais seus discos mais raros?

Grand Funk Railroad –We’re na American Band (1973) com capa metalizada em dourado, vinil amarelo e os quatro adesivos originais do ano oficial de lançamento;
Los ShakersFor You (1966) – Banda Uruguaia com pegada à la Beatles;
Som Nosso De Cada Dia – Sábado E Domingo (1977) – Disco praticamente novo, sem nenhum risquinho;
Som Imaginário – Matança Do Porco (1973);
Arrigo Barnabé – Clara Crocodilo (1983) – Autografado!
Frank Zappa Ratas Calientes – Versão argentina do clássico Hot Rats;
O primeirão do Zimbo Trio autografado por Rubinho e Godoy;

Também tenho a discografia oficial dos Mutantes, alguns discos originais dos EUA e da data oficial de lançamento como Harvest do Neil Young, One More From the Road do Lynyrd, Red do King Crimson, Songs From the Wood do Jethro Tull, Stormbringer e Made in Japan do Deep Purple, Exile on Main St. dos Stones e por ai vai…

O diabo desceu na Terra e disse (hahaha de novo): “Daaaaniel, meu querido, escolha rápido: salve sua coleção de discos ou a de quadrinhos, uma delas eu destruirei”. E agora malandro, qual você salvaria?

Essa pergunta é muito fiadaputa!

É como pedir pra uma mãe escolher entre um dos filhos gêmeos.

Mas eu estou tranquilo, pois o Satanás nunca viria atrás de mim, eu sou um bom sujeito.

Daniel, o Pipoca e Nanquim agradece pela entrevista! Deixe um recado ai pra galera, fale aquilo que você sempre teve vontade de contar, mas ainda não tinha tido a oportunidade…

Se você alguma vez durante a infância ou adolescência você já economizou a grana do lanche ou a mesada pra comprar uma HQ, lembre-se sempre da emoção e do prazer que é botar essa revista em baixo do braço e correr pra sua casa para devorá-la na mesma tarde. Aquela sensação incrível de viajar para outro mundo, desejar ter super-poderes para ajudar alguém ou só pra voar e curtir por ai, nunca deve ser esquecida.

Piegas, né?! Mas é verdade!

Obrigado pela força que todos vocês dão ao Pipoca e Nanquim!

Uma das capas mais estranhas do Supeman. Fredric Wertham tinha lá seus motivos rs

Livros teóricos

Mais alguns livros teóricos

Homem de Ferro defendendo alguns livros sobre música

Wolverine defendendo a coleção de Sandman

__________________________________________________________________________________

Minha Estante é um espaço pra você, colecionador de HQs, mostrar para todo mundo sua coleção, falar sobre prazeres e vicissitudes desse hobby, conhecer outros aficcionados e sentir aquela inveja boa.

Então convidamos a todos que possuem belas coleções de quadrinhos a mostrarem elas aqui!

É só mandar um email para [email protected] dizendo alguns detalhes (números de revistas, itens raros e particularidades) que em seguida combinamos a entrevista.