Revista Graffiti lança sua última edição

A revista Graffiti acabou, ou melhor, vai acabar com o lançamento de seu último número, nesta quinta-feira (06), no CCCP, em Belo Horizonte.  A edição 23 encerra uma história de 17 anos de vida, 300 HQs de mais de 100 autores, sete prêmios HQ Mix, 1.868 páginas impressas e uma tiragem de 36.730 revistas, sem contar os cinco álbuns da coleção 100% Quadrinhos.

A revista publicou quadrinhos experimentais e dialogou com outras linguagens nessa trajetória. Estimulou a cena nacional de HQ e marcou o cenário cultural de Belo Horizonte durante uma geração. Seus fundadores orgulham-se de ter revelado muitos artistas, como Marcelo Lelis, Luciano Irrthum, Guga Schultze, Daniel Caballero, Bruno Azevedo e Odyr, alem de ter redescoberto outros, como os mineiros Gilberto Abreu e Mozart Couto. Além de brasileiros, artistas da Argentina, Cuba, Bolívia, Inglaterra, Sérvia, Portugal ou Itália também passaram pela revista.

Graças à Lei Municipal de Incentivo à Cultura, a revista sobreviveu tanto tempo assim. Luciano Irrthum, um dos quadrinistas da família Graffiti, uma vez lançou uma revista própria com o número 3 estampado. “Isso porque nenhuma revista de quadrinhos passa do número 3. Sendo assim, já começo com A3”, dizia, lá no final dos anos 1990.

O manifesto de nascimento da Graffiti, em 1995, dizia:

“UFA! A Graffiti está impressa e solta no mundo!

No começo era o caos. E o desejo. E então bares e reuniões, Pelé, Baltazar e reuniões, trabalho, trabalho, trabalho, e um BANG, trabalho. Fizemos a festa, diversão sim, arrumamos grana para xerox e disketes, a vontade é que nos move. A revista nasceu. Está viva e aberta para HQs, arte, cinema, literatura, música, grafitismo. Queremos publicar novos e jovens quadrinistas, incentivar a pesquisa e a produção de quadrinhos no Brasil. Queremos trocar ideias e figurinhas, provocar, propor, despertar paixões e talentos…”

A edição derradeira tem 98 páginas de 13 quadrinistas, a maioria deles já colaboradores de longa data da revista. O nome Grafitti talvez batize, no futuro, outros formatos de manifestação artística, mas não mais será 76% Quadrinhos.

  • Lançamento edição 23 Grafitti 76% Quadrinhos
  • Dia 6 de setembro de 2012, 21h
  • No CCCP, rua Levindo Lopes, 358, Savassi – Belo Horizonte/MG

 

Deixe uma resposta

  1. HQ inacessível. Poderiam ter facilitado sua compra. Sobreviveu graças a recursos públicos e poderia ganhar sobrevida com esforço privado.