Resident Evil – Os Mortos saem dos Games e Invadem os Quadrinhos

Colaborador: Cleverson Braga (@cleverson)

Pouco mais de dois anos após seu lançamento nas terras do Obama, a Panini lança no Brasil Resident Evil – Volume 1, um “compendium” de seis partes em uma, baseado na clássica franquia de vídeo games da década de 90.

Logo de início é preciso dizer que a  HQ de Resident Evil consegue despertar diversas sensações e opiniões ao mesmo tempo, da mesma pessoa. O fato de trazer uma bagagem e uma influência da infância e adolescência de muita gente cria uma expectativa e um anseio por qualidade muito grande – quase incontrolável.

Nesta revista, o autor optou por abordar um ângulo diferente dos já conhecidos pelo público. Inseriu personagens totalmente desvinculados da franquia da Capcom e os levou para ambientes novos, também fictícios.

Para o fã de carteirinha da série é provável que isso seja um balde de água fria, pois esperamos rever nossos personagens preferidos agindo ao melhor estilo “badass” ou, pelo menos, rever os cenários devastados pela Organização Umbrella. Entretanto, isso não é de todo ruim, pois os personagens principais conseguem ganhar sua atenção e seu “carinho” muito facilmente.

Aqui o autor explora um pouco o lado político do país depois do golpe da Umbrella e a derrocada armamentista, resultado dos acontecimentos em Raccoon Ctity.

Aborda, também, as armas biológicas criadas pela famosa organização, mostrando um pouco de ficção e experimentos espaciais, culminando em uma mini guerra civil misturada com um golpe de estado usando as armas da Umbrella como exército. A idéia é excelente, porém há um grande problema: é curta demais!

Mesmo sendo um encadernado, a trama se desenvolve muito rapidamente e as explicações e conclusões são jogadas no colo do leitor. Não é possível dizer que ficam pontas soltas, pois não há tempo nem mesmo para identificarmos quais pontas pertencem ao que na história. O que é nítido no quadrinho é o ritmo e o desenrolar da trama, típica de um roteiro de vídeo game, tanto que durante a leitura é factual pegar-se imaginando os frames nos quadros como passagens de um jogo. Não por menos, o roteirista é Ricardo Sanchez, responsável pelos roteiros de Tomb Raider e, de lambuja, um dos criadores da IGN.

Os desenhos ficaram a cargo de Kevin Sharpe e o brasileiro Jheremy Raapack, e agradam muito apresentando um misto de realismo, pintura granulada e traços – em alguns momentos – sujos.

Resident Evil não é um modelo de quadrinho comumente visto no mercado brasileiro e isso é bom, mas a chance de intimidar o leitor é grande, e depende dos fãs da franquia para “bombar” nas bancas e livrarias. Apesar de seus altos e baixos, rende uma boa leitura e satisfaz pelo carisma dos personagens, além do background histórico que dispensa comentários. Se você não tem problemas com história superficial ou rápida, vai ficar satisfeito – caso contrário, ligue seu PSX com Resident Evil 2 e seja feliz. 🙂

*Nota de fã: não pude deixar de relacionar a incrível semelhança dos protagonistas com Barry Burton e Claire Redfield, dos primeiros jogos da série.

________________________________________________________________________________________

Resident Evil
Editora:
Panini
Preço: R$ 14,90
Número de páginas: 144
Data de lançamento: Julho de 2011

Para comprar Resident Evil – Volume 1, clique aqui

Para adquirir o DVD Resident Evil – Degeneração, clique aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Cara, csou fã de Resident Evil, pelo uma vez por ano reinstalo meu Play 1 para jogar o primeiro. Quando vi essa HQ na banca e por esse preço, comprei sem pestanejar e achei uma BOSTA!

    Caraca que treco ruim dos diabos. Vou troca-la no sebo assim que conseguir.

  2. Eu ainda não vi a HQ, mas pretendo comprar.
    Os filmes Resident Evil, coitados… Tudo lixo.
    10x melhor assistir The Walking Dead.

  3. Então cara, a animação Degeneração ficou muito boa só que sofre do mesmo mal da HQ: é bem curto.
    Quando você se empolga com a história, acaba. Mas vale muito a pena MESMO pra quem é fã e parece que vai vir uma sequencia por aí.

  4. Valeu pelo texto Cleverson, mas eu sou um dos que não tem a minima vontade de conferir essa HQ, só de ver os desenhos já desanimo.

  5. Ah cara fala serio, eu nem me animo a gastar dinheiro com isso, é o tipo de quadrinho que vc não precisa nem ler pra saber que é muito ruim !