Melhores discos de 2010

Nesse post não irei falar nem de quadrinhos nem de filmes, como perceberam pelo título, vou indicar os 10 discos lançados em 2010 que mais me fizeram a cabeça e se tornaram parte da minha trilha sonora cotidiana. O critério é tão somente gosto pessoal.

Ringo Starr – Y Not

Lançado no logo no começo do ano esse disco foi um dos que mais ouvi em 2010, é sensacional!

Ringão nos brindou nesse começo de década com um baita discão de rock básico, sem firula, é só musica boa e cativante como tão bem sabe fazer o batera mais simpático de todos os tempos. Y Not é um dos melhores discos da carreira de Ringo e o primeiro que ele próprio produz, atividade na qual se sai muito bem. O álbum ainda conta com participação de Joe Walsh (ex-Eagles e James Gang), Joss Stone, Ben Harper e o velho parceiro Paul McCartney, que colabora em duas pérolas: “Walk With You” e “Peace Dream”.

The Black Keys – Brothers

The Black Keys foi formado por Dan Auerbach (vocal e guitarra) e Patrick Carney (bateria) em 2001 e já lançaram oito excelentes discos, sendo que o último foi esse aqui. Meu amigo, que disco é esse!?!?!

Um baita disco blues rock poderoso! Há aqui guitarras vigorosas, riffs incríveis, percussão bem marcada, belas melodias, efeitos eletrônicos, sintetizadores e toques psicodélicos, tudo na medida, funcionando para fazer um disco extremamente atual, contagiante, redondo e vibrante. Ouça as músicas “Tighen Up”, “Howlin’ For You” e “She’s Long Gone” depois me diga se não foi fisgado instantaneamente.

http://www.myspace.com/theblackkeys

Firebird – Double Diamond

Esse vigoroso power trio comandado pelo vocalista e guitarrista Bill Steer (ex-Napalm Death e atual Carcass) lançou em 2010 mais um petardo, não vá pensando que o som da banda guarda semelhanças com os outros projetos do cara, muito pelo contrário, é todo calcado na sonoridade de bandas setentistas como Humble Pie, Traffic, Free, Deep Purple e por ai a fora, corra atrás, pois é rock n roll classudo da melhor qualidade.

http://www.myspace.com/firebirdblues

Pata de Elefante – Na Cidade

Mais um discaço desse sensacional powetrio instrumental, aqui o Pata de Elefante nos mostra novamente que rock instrumental pode ser pop, com melodias contagiantes e possíveis de “cantar” junto (sério, você vai se pegar catarolando alguns dos riffs deles sem perceber). Ao contrário dos dois álbuns anteriores da banda, onde costumavam flertar bastante com música folk, surf music e de faroeste ao estilo Ennio Morricone , Na Cidade é um álbum mais urbano, mais pesado e remete a elementos das metrópoles, mas não fica devendo em nada aos outros trabalhos do grupo, que alias recomendo entusiasticamente, pois o Pata de Elefante é uma das melhores bandas brasileiras dos últimos tempos.

Olha a mamata, o disco pode ser baixado gratuitamente clicando aqui

http://www.myspace.com/bandapatadeelefante

Sharon Jones and The Dap-Kings – I Learned the Hard Way

Que disco! Que voz! Quanto Swing! Quem é essa?!

São as principais frases que ouço quando mostro para alguns amigos esse álbum fantástico, com o qual Sharon Jones vem reclamar o posto de melhor cantora de soul music da atualidade e consegue tranquilamente.

Sharon tem como banda de apoio os Dap Kings (a mesma de Amy Winehouse) em dez anos de parceira já lançaram outros dois belos discos, juntos fazem músicas inspiradíssimas, repletas de grooves certeiros, harmonias vocálicas acachapantes, muito swing e funk ao melhor estilo anos 60 da Motown, Stax e por ai vai.

http://www.myspace.com/sharonjonesandthedapkings

Labirinto – Anatema

Essa foi uma grata surpresa, em Setembro do ano passado fui conferir o som do Labirinto em um show no Centro Cultural São Paulo, não fazia idéia do que iria ver, um amigo me disse que era excelente e lá fui eu, ao começarem a tocar fique boquiaberto.

Era lançamento do primeiro álbum completo deles, esse ai, o Anatema, que logo após o show comprei sem piscar.

O disco, assim como o show, é excelente, onírico e cadenciado, com uma calma absoluta que por vezes irrompe em clímax inesperados, ao melhor estilo post-rock (denominação moderna para algumas bandas de rock progressivo), é música para se ouvir com calma, numa relax e perceber as sutilezas, que alias são muitas, desde a integração das faixas, instrumentos como violino e banjo usados com muita sabedoria, diálogo entre arte da capa, nomes das músicas e conceitos do disco.

E já que citei a arte que embala o disco, vocês que gostam de quadrinhos, não podem deixar de conferir, ela ficou por conta do ilustrador João Ruas, o sensacional capista de Fábulas.

Baixe o disco agora, é de graça!

http://www.myspace.com/labirinto

Spiritual Beggars – Return to Zero

Essa bandaça sueca comandada por Michael Amott (Arch Enemy e ex- Carcass) já faz um tempo vem se consagrando dentro do gênero stoner-rock (ou stoner-metal), e se você não conhece não sabe o que está perdendo!

Nesse disco a formação da banda mudou e o som também deu uma mudada, mas para melhor! Remete aos bons momentos de Rainbow, Black Sabbath, Uriah Heep…ou seja pancada na orelha da melhor qualidade.

http://www.myspace.com/spiritualbeggars

Roky Erickson with Okkervil River – True Love Cast Out All Evil

Depois de 15 anos sem se aproximar de um estúdio, Roky Erickson, lendário líder da seminal banda psicodélica 13th Floor Elevators, se juntou a banda Okkervil River e lançou essa obra-prima.

É um álbum bem intimista, pessoal e com forte carga emocional, não podia ser menos, pois Roky Erickson passou por maus bocados durante muitos anos, o cara foi diagnosticado com esquizofrenia paranóica no fim dos anos 60, tentou se tratar com choques elétricos,sofreu de demência, foi preso, e passou anos internado em hospícios.

O disco mostra que depois de tudo isso Erickson, com 63 anos de idade, ainda é plenamente capaz de compor perolas e interpretá-las de maneira pungente. Um retorno triunfal.

http://www.myspace.com/rokyerickson

Robert Plant – Band of Joy

Plant ao invés de voltar a se reunir com o Led Zeppelin, tocar velhas canções e ganhar uma fortuna, se manteve convicto em continuar sua ótima carreira solo, já com nove discos de estúdio, sendo que o penúltimo,  “Raising Sand”, que gravou junto com a cantora Alison Krauss é audição obrigatória para qualquer pessoa que goste de música,  pois é um puta disco!

Aqui, em “Band of Joy” ele continua buscando inspiração em musicas de raiz americana como blue-grass, country, folk, gospel e por ai vai, com apenas uma música composta por Plant, o disco conta com mais 11 covers, em sua maioria desconhecidos. É um disco calmo, mas repleto de nuances e sabedoria, pois Plant sabe que não agüenta mais alguns agudos como antigamente e por isso usa mais a voz mais grave e faz isso de maneira magistral.

Se você é um fã fervoroso do Led e fica nervoso com as constantes negações de Plant para um retorno grupo, ouça esse disco e repense isso, pois Plant se mostra brilhante e seria uma grande perda para a música em geral se ele voltasse a cantar somente hinos já consagrados do rock.

Elton John and Leon Russell – The Union

Elton John nunca escondeu a admiração por Leon, e o considera uma grande influência, e não por menos  Leon Russell é um gênio da música com currículo impressionante, desde os anos 60 ele vem tocando ao lado de gente como: Joe Cocker, George Harrison, Ringo Starr, Bob Dylan, Beach Boys, Eric Clapton, Rolling Stones, Frank Sinatra, só para citar alguns, e ainda possui uma carreira solo excelente mas por incrível que pareça não é tão conhecido do grande público. Uma pena!

O fruto dessa reunião é um belíssimo disco, repleto de excelentes canções, muito blues, rock, country e pop ao melhor estilo Elton John, mas com uma pegada que há muitos anos não víamos em suas músicas. Esse petardo ainda conta com participações de Neil Young, Brian Wilson (Beach Boys), Booker T. Jones e Jim Keltner (um dos melhores bateristas de todos os tempos).

O encontro de dois monstros da música mundial resultou no melhor disco de Elton John nos último 30 anos, isso meus amigos não é pouca coisa!

Espero que gostem, comentem e também me digam quais foram os melhores discos que ouviram esse ano.


Deixe uma resposta

  1. Salve Daniel! Deixou de fora O MELHOR disco de 2010: Pain of Salvation – Road Salt One. Mas tudo bem, deixa você comigo! Brincadeiras e recomendações a parte, boas dicas de boa música da sua parte. Frequentemente posto em meu twitter descobertas musicais, se liga lá e pra quem quiser seguir, fique a vontade! Abraços galera do P&N!

  2. GRande Willian, esse do Pain of Salvation eu não ouvi, mas agora que deu a dica vou procurar e depois coloco aqui minhas impressões.

    Legal ter curtido a lista, é brabo fazer isso, muita coisa fica de fora, acabei não colocando Neil Young, Buddy Guy, Iron, Clapton..

    Abração!

  3. Ae Palocci! baixei a maioria dos discos e são todos muito bons mesmo. Valeu pelas dicas! haha abraço cara…