Calvin e Haroldo Vol.8 – Mais Um Volume da Melhor Tira da História

Trabalhar com charges ou tiras não é para qualquer um.

Muitas pessoas acabam debandando para essa área simplesmente por que não conseguem se destacar nos quadrinhos “sérios” (ei, não me olhe assim, é verdade!), pois acham que as liberdades que esse tipo de linguagem oferece (que vão desde liberdade anatômica e traço autoral, até controle criativo sobre temas e personagens) irão facilitar seu trabalho e desenvolvimento.

Mas na verdade, escrever e desenhar tiras é dificílimo. Os caras que migram para essa linguagem por não terem conseguido se enquadrar de outra forma, acabam criando trabalhos medíocres – desta vez não vou citar nomes por que acho que seria bastante desagradável. Contudo há os caras que desde sempre quiseram trabalhar com tiras, nunca migraram de ou para outra linguagem e o resultado de sua produção artística é simplesmente genial.

É o caso de Calvin & Haroldo, criação seminal de Bill Watterson.

Já falamos de Calvin em nosso podcast sobre tiras aqui, e no videocast aqui, porém com o lançamento do último álbum pela Conrad, O Ataque dos Perturbadores Monstros de Neve Mutantes e Assassinos (só o título já é brilhante), me senti na obrigação de escrever este artigo.

A Conrad não foi a primeira editora a publicar as aventuras deste bravo garoto e seu tigre de estimação. Antes dela, Calvin já havia passado pela Cedibra, Best News e Opera Graphica (além dos jornais espalhados por todo país, claro), porém foi realmente a Conrad que fez o melhor trabalho com o personagem até hoje, caprichando na encadernação, tradução, papel e, o que é mais importante, finalmente levando a série adiante – pois nas demais editoras as compilações acabaram morrendo na praia. Assim, O Ataque… é o Volume 8 da coleção Calvin.

Elogiar Calvin é chover no molhado e se você é fã de quadrinhos, é improvável que nunca tenha lido uma tira sequer do garoto. Mas o certo é você ler a obra completa, que não tem altos e baixos, mas é incrivelmente nivelada, mantendo a qualidade desde o começo até o final. Para você não se perder, aqui vão todos os volumes na ordem certa:

Volume 1 – O Mundo é Mágico (fevereiro de 2007)

Volume 2 – E Foi Assim que Tudo Começou (Setembro de 2007)

Volume 3 – Tem Alguma Coisa Babando Embaixo da Cama (março de 2008)

Volume 4 – Yukon Ho! (julho de 2008)

Volume 5 – Criaturas Bizarras de Outro Planeta (outubro de 2008)

Volume 6 – A Hora da Vingança (agosto de 2009)

Volume 7 – Deu “tilt” no Progresso Científico (janeiro de 2010)

Volume 8 – O Ataque dos Perturbadores Monstros de Neve Mutantes e Assassinos (março de 2011)

Bem, sobre o conteúdo do álbum em si não tem muito o que ser dito de novo.  Calvin continua sendo a mesma praga de sempre; você dá risadas, pensa em estrangulá-lo, se diverte, pensa no quanto seus pais sofrem, ele alegra seu dia, e você dá graças a deus por não ter filhos… Tudo isso sempre escrito e desenhado de forma brilhante, com sacas inusitadas, altercação de ironia, humor negro e humor infantil. Se você já tem os outros números, evidentemente vai comprar este também. Se não tem, lanço um desafio. Compre o primeiro. Duvido que não irá adquirir os demais.

Bill Watterson tem uma característica interessante. Ele nunca quis ser politizado como, por exemplo, Mafalda. Seus quadrinhos não tentam dar conta de todo um período político e movimento sócio-cultural e nem são demasiado sérios como os da tira argentina, contudo, em diversos momentos, ele toca fundo na ferida – sempre de forma sutil, a qual pode inclusive passar despercebida ao olhar mais estabanado.

Ele também jamais quis que seu personagem fosse um ícone da cultura pop, como é o caso de, por exemplo, Snoopy e sua turma. As criações de Schulz romperam os limites dos quadrinhos e ganharam o mundo com uma dimensão inacreditável.

Ainda assim, na minha modesta opinião, Calvin supera sem esforço e de forma natural a mensagem por trás de Mafalda e, novamente sem esforço e de forma natural, tornou-se um ícone da cultura pop, mesmo sem seu criador ter tido o ensejo de vendê-lo dessa maneira (ao contrário de Schulz). Não que as tiras citadas acima não sejam obras primas, não me levem a mal, elas são. Só o que digo é que, a despeito das demais, Calvin é a melhor tira em quadrinhos já escrita, a coesão perfeita de ideias, a junção perfeita de texto e desenhos, a percepção acirrada de um artista que sabia exatamente onde queria chegar com sua criação.

Um momento longo e duradouro de genialidade! Só assim consigo descrever os anos que Watterson esteve a frente de sua criação – o que inclui a humildade e sapiência dele ao decidir encerrar com ela enquanto ainda estava por cima. Trata-se de uma leitura obrigatória a todos os que amam HQs bem feitas, seja qual for o gênero.

Se você quiser adquirir qualquer um desses álbuns maravilhosos da Conrad, a melhor coisa é visitar diretamente o site oficial da editora neste link.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Eu descobri Calvin e Haroldo através do jornal.
    Divertidíssimo…extremamante inteligente…é praticamente impossível a gente não cair na risada com as várias faces dos personagens, hora inocentes, hora malvados, ou não se emocionar com a sensibilidade incomum de Waterson para contar suas histórias.
    Eu já li muita coisa boa por aí, mas os livros de Calvin & Haroldo sempre vão para os locais "VIP" da minha prateleira. Ali, bem visível e ao alcance das mãos…
    Maravilhoso o post!

  2. Calvin & Haroldo é espetacular todos os albuns são maravilhosos e engraçadíssimos, ainda mais pra mim que tenho um filho com a idade proxima da do CAlvin e é exatamente aquilo mesmo, qualquer coisa é motivo pra ele sonhar.

    RECOMENDADÍSSIMO.

  3. Assim como vcs, acho as tiras de Calvin maravilhosas (já chorei de rir, só de imaginar se fosse realidade), não posso considerar melhor do q Mafalda, a qual tb acho fantástica apesar dos anos, ambas na sua intenção se destacam dos demais; Snoopy ficou pra trás nesta comparação, já que, como as personagens de Mauricio de Souza, tentou cativar adultos e crianças se perdendo no medio. Forte abraço!