Coleção Histórica Marvel – Se não leu, leia!

Em tempos de Vingadores fazendo fortunas nos cinemas (já alcançou a marca de quarta maior bilheteria da história do cinema mundial), as bancas se enchem de lançamentos envolvendo o grupo e seus respectivos integrantes. Alguns títulos são totalmente questionáveis e facilmente dispensáveis, como ‘prelúdios’ ou ‘adaptações oficiais’. Já outros, conseguem fugir do estigma de serem apenas produtos ‘caça níqueis’, e agregam um certo “valor” à iniciativa. Como é o caso da Coleção Histórica Marvel.

Lançada pela editora Panini, a série em quatro volumes promete resgatar de forma individual momentos marcantes dos chamados “Heróis mais poderosos da Terra!” – de preferência, capítulos diretamente ligados à produções cinematográficas produzidas pela Marvel Studios.

“AÇÃO! EMOÇÃO! AVENTURA!” – Coleção Histórica Marvel #1 (2012)

O primeiro exemplar não poderia deixar de ter como foco principal o “primeiro vingador”, Steve Rogers, também conhecido como Capitão América – e confirma muito bem a proposta da coleçãoNo decorrer de 164 páginas, embarcamos em uma verdadeira viagem no tempo, visitando parte da história dos quadrinhos norte-americanos de super hérois através dosalicerces da Marvel Comics.

Voltamos à década de 1940 e somos apresentados à primeira aventura do héroi, publicada originalmente na revista Captain America Comics #1 (Março/1941). Criado por Joe Simon e Jack Kirby para a editora Timely Comics – que mais tarde viria a se tornar a Marvel -, o personagem foi concebido para ser uma espécie de propaganda política, um símbolo do patriotismo norte-americano durante a Segunda Guerra Mundial. A capa dessa edição é icônica e diz muito sobre o sentimento da época, ao mostrar o ‘bandeiroso’ socando o líder nazista, Adolf Hitler.

“Não tenha medo filho …você está prestes a se tornar um dos salvadores da América […]Nós o chamaremos de Capitão América! – Captain America Comics #1 (1941)

Porém, com o fim dos conflitos em 1945, a publicação perdeu força, o que levou os executivos da editora a optarem pelo seu cancelamento.

      

A lenda viva’ foi literalmente resgatada em 1964, pelas mãos de Stan Lee e do seu próprio co-criador, Jack Kirby, nas páginas de The Avengers #4* – título criado pela Marvel, em 1963, para “brigar” com o principal grupo de hérois publicado por sua distinta concorrente: A Liga da Justiça da DC COMICS.

A edição *(que não está presente neste encadernado, mas foi republicada em Biblioteca Histórica Marvel – Vingadores #1, (Panini, 2007) mostra a segunda formação dos Vingadores (Thor, Homem de Ferro, Vespa e Gigante) encontrando o corpo inerte do Capitão América congelado em um iceberg. Descobre-se que ápos cair de um avião experimental no Átlantico Norte, no que foi a sua última missão na Segunda Grande Guerra, o Sentinela da Liberdade manteve-se em animação suspensa, sobrevivendo apenas devido a poderosa constituição física de Rogers adquiridas após a aplicação do soro de supersoldado.

Com este mote, os autores conseguiram não só explicar de maneira bastante criativa a ausência do héroi durante todo esse tempo e inserí-lo naturalmente no panteão recém criado da editora, mas também abrir um leque enorme de possibilidades para o futuro deste ‘estranho em uma terra estranha’, lançado vinte anos à frente do seu tempo em uma América Pós-Guerra, muito diferente aos olhos do soldado, que não a reconhece e se identifica de imediato.

      

No mesmo ano e ainda sob os cuidados da dupla que o “ressuscitou”, o Capitão América estreia a sua primeira aventura solo na edição #59 de Tales of Suspense (Novembro/1964) -dividindo o título com outro héroi vingador, o Homem de Ferro. Na época, os autores decidiram mostrar um personagem poderoso, de inumeras habilidades especiais, mas acima de tudo,humano – abordagem que se tornou marca registrada da editora em seus anos primevos.

Além do debut citado acima, o primeiro volume da Coleção Histórica Marvel traz ainda os números #79, #80 e #81 do periódico, publicados entre julho e setembro de 1966. Neles, o héroi descobre que seu principal inimigo dos tempos de guerra, o Caveira Vermelha, também está vivo e ávido para controlar o Cubo Cósmico: um poderoso artefato capaz de manipular a realidade conforme a vontade daquele que o possui. É o primeiro confronto com o vilão na Era Moderna da MARVEL – duelo que viria a se repetir inumeras vezes ao longo dos tempos.

“Enquanto os homens considerarem a liberdade garantida… enquanto rirem da fraternidade… esnobarem a honestidade… e esquecerem a fé… as forças do Caveira Vermelha estarão sempre mais perto da vitória final!” – Tales of Suspense #80 (1966)

Os acontecimentos que fecham essa primeira edição foram exibidos originalmente entre janeiro e maio de 1969 nas páginas da revista Captain America #109 – #113 e trazem como atrativo principal o mestre Jim Steranko, que alternou por um curto, porém marcante período de tempo, as ilustrações do título com o lendário Jack Kirby.

Elementos clássicos da mitologia do personagem são abordados nestas edições, como a organização terrorista HIDRA e Bucky Barnes, seu “falecido” e eterno parceiro: ítens que tratados sob a peculiar ótica narrativa de Steranko e a classe estilística do Rei (como Kirby é conhecido), ganham contornos artísticos poderosos, engrandecendo ainda mais o conteúdo histórico da coleção.

       

Além do conteúdo convidativo, destaca-se também o atraente acabamento gráfico atribuído pela Panini ao encadernado. As edições possuem um simpático design vintage (com direito à rachuras e sinais do tempo), que alimenta uma ótima sensação nostálgica durante a leitura.

A editora acertou também em outro ponto importante: o preço. Com capa cartonada, lombada quadrada e papel offset, o valor de R$22,90 não é nenhum absurdo (o primeiro volume sai pelo preço promocional de R$19,90).

“O verdadeiro herói segue lutando, mesmo quando a causa é impossível e o prêmio se perdeu” – Tales of Suspense #81 (1966)

Devido a sua natureza icônica, o Capitão Ámerica sempre vai ser um personagem polêmico para uns ou complexo para outros, e com certeza, um ótimo representante daquela máxima que diz: “não existem personagens ruins, e sim, escritores ruins”.

Um excelente pontapé inicial para a série. Espero que essa coleção não fique restrita aos Vingadores, se estendendo também para outras figuras da Casa das Ideias. E que venha o todo poderodo Deus do Trovão, THOR!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Tanto essa Biblioteca Histórica Marvel como a Crônicas da DC são excelentes para quem gosta de histórias clássicas. Mas quanto ao preço, só encontro essas edições na faixa dos 40, 50 reais dependendo da loja. Que preço é esse de R$ 19,90?

  2. Eu adorei essa coleção, comprei o volume 1 e 2 e espero ansiosamente pelo vol 3 que pelo jeito será do Homem de Ferro.