Podcast 69 – Poder Supremo

Olá a todos,

Sejam bem-vindos a mais um podcast do Pipoca e Nanquim. Essa semana, os mais atentos darão falta da voz aveludada de nosso grande amigo, Daniel Lopes, que estava viajando, porém os menos atentos sequer irão perceber (hehehe). O tema de hoje é uma HQ que adoramos e cuja única crítica que temos é o fato de ela não ter seguido em frente: Poder Supremo, de J. M. Straczynski e Gary Frank.

Publicada pelo selo Max (que traz histórias voltadas para o público adulto) da Marvel, Poder Supremo foi uma grande surpresa da década passada e uma das mais bem sucedidas reinvenções de personagens antigos dentro dos quadrinhos de heróis. Escutem e comentem! E aproveitem, pois essa é a última semana para concorrer a uma caralhada de DVDs, cortesia da Comix.

Um abraço e até a semana que vem!!!

COMENTADO NESSE PODCAST

Quadrinhos no Cinema Vol 2, veja aqui o preview
– Última semana para participar a promoção de DVDs da Comix, clique aqui para saber mais (e aqui para ir direto ao Censo que garante sua participação)
Videocast 118 – Espaço Sideral
Assine os feeds do podcast Pipoca e Nanquim
Compre aqui as edições de Marvel Max com Poder Supremo (tem quase tudo)
Compre aqui o último encadernado de Thor com roteiros de J. M. Straczynski
Compre aqui também Rising Stars, de Straczynski.

Músicas

Bloco 01
AmerikaRammstein
Du hast Rammstein

Bloco 02
Bastille Day Rush
BlackoutDavid Bowie

Bloco 03
Feuer frei!Rammstein
Mein Herz BrenntRammstein

Bloco 04
VolunteersJefferson Airplane
Tommy The Cat
Primus

 

Se você gostar do que ouvir, ajude o podcast a se espalhar e clique no botão de RETWEET ou  CURTIR do Facebook. Indique para os amigos, coloque no seu blog, abra uma comunidade no Orkut, segue a gente no Twitter, enfim, colabore com as coisas que gosta (no caso, com Pipoca e Nanquim, rs)! Segunda que vem tem mais.

OUÇA AQUI A VERSÃO SEM BLOCOS MUSICAIS
Para baixar clique com o botão direito e “salvar link como”

Reproduzir

Deixe uma resposta

  1. Fala pessoal do P&N.
    O meu comentário não tem muito a ver com o tema mas em quais edições da Super Aventuras Marvel (formatinho) foi publicada a Queda de Murdock. Encontrei varias em um sebo que dizia “o demolidor de miller e blablabla” e gostaria de saber em quais edições foram para que eu possa ler essa historia plenamente 😀

    • Procure em Mercado Livre ou Estante Virtual pela edição encadernada da Panini, é bem melhor. Ou Então, as 3 edições de Demolidor Especial em formatinho da Abril.

    • Olá Pedro,

      A fase de Miller na Queda de Murdock começou em SAM 62 e vai até a 68. Mas ela foi republicada em edições fechadas tanto pela abril, quanto pela panini. Boa sorte.

  2. muito bom podcast… eu não compro muito quadrinhos por falta de dinheiro e pq minha cidade é um sitio, ou seja, não chega muito quadrinhos ou param de trazer no meio :< mais com dinheiro vou correr atras. A trilha tava foda.. rammstein e Primus, quase tive orgamos com essas musicas hasuhsdas

  3. Muito bom o episódio!!
    Me deu grande vontade de ler. Porém vou esperar quando chegar o encadernado.
    E espero que chegue logo e inclusive com as histórias que não chegaram no Brasil.

    Valeu!
    Abraço!

  4. Fala galera. Adoro as indicações de vocês. Já comprei muita coisa por causa do P&N mas esse acaba ficando muito caro para ter a mini-serie completa…

  5. Comecei a ler Poder Supremo antes de ouvir o cast. Nossa, que história sensacional! Com certeza um dos melhores quadrinhos que já li na vida. Infelizmente só existe nessas versões da Max, queria muito comprar pra ler o resto, mas parece que não vai dar. Quem sabe um dia lançam em um volume decente.

  6. Bruno Zago é o rei da heresia! Comé que ele me diz que o Poder Supremo faz mais sentido que a Liga? É muita marvequice.
    Os Avanteadoresm então, fazem mais sentido que os Vingadores. Pelamordedeus.
    OBS: Babilon 5 é muito legal.

    • Mr. Travesseiroman, eu disse que essa é uma versão da Liga muito legal, não que faz mais sentido que a Liga. Mas sim, disse que eles pensaram em origens que aproximem os heróis um pouco mais da realidade de hoje, mas não disse que prefiro um grupo em detrimento do outro. Pô, assim não né?

      • Isso é muito relativo. Considero a origem dos Supremos muito mais antenada com os nossos dias do que a dos vingadores, inclusive com a tecnologia do Homem de Ferro, a a origem do Hulk, a postura do Capitão America e etc. No entanto, aquela que foi abordada no cinema, embora tenha elementos dessa, é muito mais próxima da tradicional. Darwyn Cooke disse, em um comentário sobre A Nova Fronteira, algo mais ou menos assim: que a Liga guardava uma aura infantil, mas no bom sentido, pois somente com a ingenuidade de uma criança podemos conceber seres super-poderosos que usam suas habilidades pelo bem da humanidade e não para a conquista e dominação. Talvez essa visão ingênua seja a mais necessária em tempos sombrios, pois, como já dizia o mestre dos magos: “Nas trevas, procure a luz”.

  7. Cês acham que o governo americano conseguiria localizar o bebê alien escondido e cria-lo como arma?
    O governo americano tem muita propaganda, mas foi um fiasco para resolver os problemas de um furacão na Louisiana e demorou uma década para localizar o inimigo numero 1 do Estado. Fora que, conforme vimos em “prenda-me se for capaz, um moleque de 16 anos passou a perna na polícia federal dos caras… pow, não confie muito nos EUA.

    • Eles certamente tem como monitorar seu espaço e identificar quando uma nave entra na atmosfera e cai em seu território, isso é plenamente plausível.

      • Pode até ser… mas temos exemplos que dizem o contrário. Por exemplo, em fahrenheit 9/11, é dito que há uma grande dificuldade em vigiar as fronteiras, principalmente as marítimas, dos EUA. A própria dificuldade de monitorar os 3 aviões sequestrados já depões contra a eficiência americana nesse quesito… imagine então décadas antes dos atentados. Além disso, existem o trafico de drogas e o de pessoas que são realizados, também, por via aérea, e de difícil combate. Em um episodio de CSI, traficantes de animais jogam um Gorila no deserto do que, provavelmente, era uma aeronave ilegal. fora que, em termos de extraterrestres, sempre se fala da dificuldade de se monitorar corpos celestes que possam colidir com a terra, pelas limitações da vigilância espacial. Restos de satélites e outros lixos espaciais que caem por ai e são confundidos com ovnis até serem localizados, são exemplos de que é difícil ter certeza de onde as coisas do espaço vão parar quando chegam na terra. Se a nave for pequena, muito rápida e cair em local razoavelmente distante de instalações militares, eles demorariam para localiza-la. se pessoas comuns estivessem próximas do local e não relatassem o evento, seria bem possível que pudessem esconder o conteúdo da coisa antes de os militares chegarem.
        Sustento que a ideia que temos da eficiência americana vem muito mais da propaganda do que de suas capacidades reais.

        • Cara, estamos falando de um universo de Super-Heróis. se no Universo DC existem armas avançadíssimas e super-computadores, teriam sim como ver o Superman caindo na Terra.

          • Nossa analise esta caindo em anacronismo. A única forma de os universos DC ou Marvel existirem como tais, é respeitando suas regras internas. Do contrário, se tornariam outra coisa.
            Vejamos a Super-tecnologia: em um mundo que ela existe no nível em que se encontra nos UDC e UM616, seria improvável que existissem veículos a combustão, Efeito estufa, doenças incuráveis e fome. Reed Richards constrói um motor capaz de impulsionar uma nave até andrômeda em poucas horas, mas uma viagem entre Londres e Nova York continua levando o mesmo tempo. É bizarro, mas funciona internamente e a maioria dos fãs considera o universo Marvel realista (esse título, pra mim, fica com o Ultimate, até pesadelo supremo).
            No Universo DC, por exemplo, grande parte da supertecnologia só é desenvolvida depois da chegada do Superman a terra, muitas vezes por coadjuvantes seus, como o Dr. Hamilton, John Henry ou o próprio Lex Luthor. Embora existam exemplos isolados de tecnologia avançada em períodos anteriores, como a nave thanagariana que caiu no antigo Egito ou as civilizações atlante e gorila, estes encontram-se ocultos do resto da população. Ainda assim, com exemplos pós Superman de tecnologia, como os teleportes da Liga, durante a mini-serie Invasão, 9 raças alienígenas botaram o terror na terra e não foram detectadas antes de já terem ocupado a Austrália. Parece improvável, mas não podemos esquecer que uma das regras da ficção científica (e da ciência, claro) estabelece que, de acordo com os rumos da história e cultura, uma civilização poderia desenvolver o teleporte antes da pólvora.
            Portanto, se lidarmos com a hipótese de um mundo fictício existir na realidade, devemos aceitar que ele exista tal qual suas regras internas estabelecem. Dessa forma, tanto o UDC como o de Poder Supremo tornam-se plausíveis dentro de suas regras, mas implausíveis dentro das nossas.
            Do contrário, partindo do pré-suposto que eles existiriam dentro de nossas regras, devemos também aceitar que Alienígenas dificilmente teriam aparência humanoide ou disparariam laser pelos olhos. Da mesma forma, uma civilização avançada o suficiente para disparar uma nave a velocidade da luz, em segurança, de um canto a outro do Universo, teria condições também de camufla-la de nossas defesas.
            Também deveríamos aceitar que qualquer batalha entre a terra e uma frota alienígena invasora (ou equivalente místico ou dimensional) redundaria em fracasso de nossa parte, pois seres capazes de se deslocar pelo universo (ou multiverso) com intenções bélicas, teriam armas capazes de nos eliminar quase instantaneamente, preservando o que lhes fosse valioso. ou seja, tudo que é divertido em histórias de super-heróis, cairia por terra.

    • Cara, pra resolver os problemas reais do povo eles são péssimos, mas pode ter certeza que pra conseguir uma arma poderosa e única no mundo os caras iam se esforçar.

      • Depende muito de se saber ou não que tal arma existe. O esforço do projeto Manhattan, por exemplo, ocorreu quando já se sabia que a quebra do átomo possuía grande poder destrutivo. Uma quantidade gigantesca de objetos colide com a terra todos os dias, os EUA não pressuporiam que um deles seria portador de uma arma. mesmo no caso de suspeitas de quedas de satélites inimigos, ou os de defesa, o resgate geralmente demanda um certo tempo entre a localização e o recolhimento.

  8. Parabéns pelo cast! Este cast e o do Y – O Ultimo Homem me deixaram na seca para ler essas obras hahaha
    Abraço!

    • Valeu Vinicius! Bem que PS poderia sair no mesmo esquema de Y, em encadernados menos luxuosos e mais baratos. Está lendo Y? Olha, não perca essa série hein!

  9. Pessoal, mto bom o cast, tão bom que resolvi comprar as HQs hehehe, no site da comix tem todas as edições? Pelo que eu vi, só as edições 06, 07 e 37 tem o logo do Poder Supremo essas 3 edições formam a história completa?

    • Não Pedro, não formam não. A melhor coisa que você faz é entrar no guia dos quadrinhos, digitar Poder Supremo e anotar todas as edições de Marvel max em que o grupo foi publicado…

  10. Muito bom! Já estava doido para ler Poder Supremo, por ser uma das referências para minha campanha de rpg, depois desse podcast eu estou com mais vontade do que antes! Será que tem encadernado gringo do primeiro arco de estórias? Se tiver, eu não vou esperar pela Panini!

  11. Boa tarde, parabéns pelo programa,mas na versão podcast sem blocos musicais só tem a opção de download,favor dar uma olhada nisso,obrigado

    • Sim Carlos, infelizmente nosso plugin de podcast não aceita dois players no mesmo post. É o plugin mais utilizado atualmente, o blubrry, mas tem esse inconveniente. Mas, se vc clicar em cima sem ser com botão direito, ele are em outra janela para dar o play.

      Abraço!!!