Minha Estante #40 – Lenimar Andrade

Depois de um hiato grande, pra felicidade de nossos leitores a coluna Minha Estante está de volta! É isso aí, e comecem a incentivar os colecionadores que vocês conhecem a mandar suas fotos para o [email protected], assim a coluna continua ativa por bastante tempo. Ou melhor, se você for um colecionador porque ainda não participou?

Hoje vamos conhecer a coleção do Lenimar, professor de matemática e colecionador das antigas, repleto de publicações da EBAL e importados da Era de Prata! Uma coleção maravilhosa que ele gentilmente topou mostrar aqui no Pipoca e Nanquim.

Esperamos que curtam, deixem seus comentários para incentivar os colecionadores! Aguardem por mais em breve.

Olá, Lenimar! Muito obrigado por topar participar dessa entrevista.

Para mim, é um prazer poder participar. Gostei muito de várias entrevistas que estão no site. Espero poder contribuir com algo que também possa despertar o interesse dos outros.

 

Para começar nos conte um pouco sobre você, onde nasceu, mora, o que faz na vida profissional?

Nasci em janeiro de 1962 em Patu, uma pequena cidade do alto sertão do Rio Grande do Norte. Morei em Patu até o início de 1969.  Naquele tempo, na minha cidade não tinha energia elétrica, nem água encanada, nem cinemas, nem televisão. É até difícil imaginar a vida hoje em dia sem essas coisas. Tive uma infância muito pobre, mas extremamente feliz, pois eu era muito querido pelos avós  e pelos tios.

Aprendi a ler muito novinho, aos 4 anos de idade, e isso chamava muito a atenção dos familiares. Em 1969, meus pais queriam concluir o segundo grau (ensino médio) e, por causa disso, tivemos que mudar de cidade. Sendo assim, mudamos para a cidade de Catolé do Rocha, alto sertão da Paraíba, vizinha à minha cidade natal. Ao contrário de Patu, em Catolé tinha praticamente tudo: energia elétrica, cinema, telefonia, banca de revistas…  Fiquei em Catolé até o início de 1978.  Mudei para João Pessoa para concluir os estudos e é onde moro até hoje.  Desde março de 1984 que sou professor de Matemática da Universidade Federal da Paraíba.

 

Quando você começou a se interessar por quadrinhos?

Até os 7 anos de idade eu nunca tinha visto uma revista em quadrinhos.  No entanto, aos 6 anos eu vi uma folha de uma revista jogada no lixo. Apanhei essa folha, li e achei muito interessante. Cheguei a ficar impressionado com ela. Décadas depois, descobri que a folha que eu tinha achado em um lixo de Patu era de uma reedição da Edição Maravilhosa da EBAL, de outubro de 1967.  Aquela folha havia me deixado muito curioso porque se tratava de um personagem mascarado (o Zorro, de capa e espada) e eu nunca tinha imaginado nada parecido com isso.

Você se lembra da primeira vez que se viu fascinado por uma HQ? Qual foi a história ou revista?

Quando mudei para Catolé, uma das primeiras coisas que percebi foi a banca de revistas de lá. Mas, naquela época, eu não comprava nada, apenas olhava a banca. O único dinheiro que eu tinha era 1 cruzeiro novo que meu pai me dava para ir ao cinema no domingo à tarde. E foi assim ao longo de todo o ano de 1969.

Em 1970, eu decidi que era hora de alterar essa situação. Eu não queria mais apenas frequentar o cinema uma vez por semana, queria ler e conhecer todos aqueles personagens mascarados e valentes que eu via nas capas das revistas. Convenci meus pais que eu não estava mais interessado em ir toda semana ao cinema e, usando o cruzeiro novo do ingresso, eu queria comprar revistas. E eles concordaram. Com o valor da entrada do cinema eu comprava uma edição em cores da EBAL ou duas edições em preto e branco. As primeiras revistas que comprei foram Superman 3ª série # 70 e Capitão América em Cores #01, ambas da EBAL.  Confesso que não gostei de nenhuma das duas pelo fato de não ter entendido quase nada das histórias. É muito difícil para um menino ingênuo de 8 anos entender prontamente o que se passa nesses complicados universos  dos super-heróis Marvel e DC. Mas aquilo não desestimulou a leitura. Depois de ler, cuidava logo de trocar a revista por outra com outros meninos. E assim, no final de 1970 eu já estava completamente apaixonado pelos universos dos super-heróis.

 

Quando aconteceu a mudança de leitor ocasional para colecionador inveterado?

De 1970 a 1973 eu apenas lia as revistas e, na primeira oportunidade, trocava logo por outras. Era o jeito que a gente tinha para ler um número cada vez maior de quadrinhos. Somente a partir de 1974 foi que resolvi que queria colecioná-las.  Em 1975 eu comecei a comprar as revistas diretamente da editora, pelo correio, usando o serviço que eles chamavam de “Venda Direta ao Leitor”. O serviço era até eficiente para a época, demorava apenas 15 dias entre o envio do pedido e o recebimento em casa das revistas.  E assim eu comecei a comprar novamente quadrinhos as quais eu já tinha comprado em anos anteriores e que havia trocado por outras.

 

Quantas HQs você tem?

Minha coleção é pequena. Nunca me interessei por quantidade, só a qualidade me interessa. O período das publicações que me interessam vai do início dos anos 1960 a meados dos anos 1980, antes da “Crise nas Infinitas Terras”. É mais ou menos o que chamam de Era de Prata e início da Era de Bronze dos quadrinhos.

Tenho umas 1800 revistas da EBAL (ou um pouquinho mais do que isso) que inclui umas 30 coleções completas. Tenho também muita coisa da Abril, mas essas eu não contei porque, para mim, são secundárias. Eu tinha praticamente todas as edições Marvel lançadas em 1975-1977 pela Bloch – mas eu me livrei de quase todas elas, pois, na minha opinião, eram de má qualidade (péssima tradução, péssimo colorido) e, hoje em dia, tenho apenas umas 20 revistas da Bloch que guardo apenas a título de recordação daqueles anos.

Tenho os encadernados da Panini que me interessam. Atualmente meu interesse maior são os mais de 130 livros de capa dura importados das coleções DC Archives e Marvel Masterworks, que venho comprando nos últimos 2 anos.

Sua coleção é incrível, 1800 quadirnhos é bastante coisa! Mas então, você não gosta de ler o que é publicado de super-heróis hoje em dia, apenas as publicações da Era de Prata e começo da Bronze?

Em geral, interesso-me apenas pelas publicações das eras de Prata e Bronze. Da Era de Ouro eu tenho apenas coisas isoladas, esporádicas, pouco me interessa desse período. O que é publicado hoje em dia nada me interessa, com exceção apenas dos trabalhos de Alex Ross. Tem certos desenhistas que fizeram grande sucesso comercial nas últimas décadas, mas eu os ignoro completamente. Por volta de 2002, fiz uma limpeza na minha coleção de revistas e joguei fora muita coisa da Abril do final dos anos 80 e praticamente tudo dos anos 90.

 

Além de super-heróis, você coleciona outro tipo de HQ, como mangás, europeus, etc?

Fora dos universos Marvel e DC dos anos 1960 até 1980, o único tipo de história em quadrinhos que me interessou foi o faroeste italiano conhecido no Brasil como “Histórias do Oeste” que foram publicados parcialmente pela Editora Record e publicado pela EBAL sob o título de Epopéia-TRI.  Já li outras coisas como turma da Mônica, Disney, Judoka, Tarzan, Zorro… Mas, sem maiores interesses.

Quais são os principais itens de sua coleção, séries e minisséries completas, encadernados de luxo, edições raras, etc.

Completei as coleções “em cores” da EBAL (Batman em cores, Superman em cores, Superboy em cores, Invictus em cores), as coleções “BI” (Batman-BI, Superman-BI, Superboy-BI), as coleções “em formatinho” (Batman, Superman, Superboy, Invictus, Superduplas, Mulher Maravilha), algumas grandes coleções como Batman 3ª série, Superman 3ª e 4ª séries, Turma Titã, Invictus, Superboy mensal e outras coleções menores como Supermoça, Flash, Gavião Negro, Aquaman, Miriam Lane e Jimmy Olsen, Legião dos Super-Heróis, Os Justiceiros, Superamigos, As Aventuras de Diana, Demolidor, Quarteto Fantástico, A Maior.

Tem outras coleções que eu tenho apenas 90% dos títulos, como Batman 2ª  série, Homem-Aranha, Super-X, Thor, Capitão Z.

Ainda hoje, sempre que completo alguma coleção ou compro algo que considero muito interessante, gosto de fazer uma espécie de “comemoração”. Essa “comemoração” é, na verdade, uma sessão de fotos ou a gravação de algum vídeo.  Por exemplo, em 2008, quando eu completei a Batman-BI, da EBAL, fiz um vídeo comemorativo e coloquei no YouTube para mostrar aos amigos:

Quais são as maiores raridades da sua coleção?

Acho que são uns números de Superman 1ª série, da década de 1950. Eu tenho, por exemplo, as Superman 1ª série números 93, 94, 97, 98, todas de 1955 e bem difíceis de serem encontradas nos dias de hoje.

 

Como você fazia para conseguir essas HQs, em uma época em que não existia internet e a distribuição se resumia a bancas de jornal, principalmente a de grandes centros urbanos? Devia ser muito mais difícil de colecionar…

Era muito difícil colecionar na época em que eu morava no sertão (antes de 1978).  Naquela época era muito comum a banca receber apenas um único exemplar de cada revista. Aí, se você não fosse rápido na compra, ficava sem o exemplar. E não era todo mês que chegava revista daquele personagem. A gente ficava sempre atento a quem viajava para cidades maiores, como as capitais dos estados, porque essas pessoas que viajavam, em geral, podiam trazer revistas na bagagem da volta.

Além de revistas, todo menino também gostava de álbum de figurinhas. Ás vezes saíam os personagens das histórias em quadrinhos nos álbuns. Por volta de 1970, uma editora publicou uma página de um álbum só com os personagens da Liga da Justiça. Em 1973, outra editora publicou duas páginas com todos os tipos de personagens: faroeste, Disney, Tarzan, Zorro, Batman, Super-Homem, Capitão América, etc. E queríamos sempre mais. Como os álbuns exclusivos de super-heróis que gostávamos nunca apareciam, eu e outro menino resolvemos criar nossos próprios álbuns.  Para isso, recortávamos todo tipo de revista colorida e pregávamos os personagens recortados em folhas de caderno. O resultado final até que era bonito. O problema é que as revistas eram completamente destruídas por causa do álbum de recortes. Mas isso não nos intimidava e nosso lema era “revista boa é a que presta para ser recortada (depois de ser lida)”.

 

Como você faz para comprar essas HQs mais antigas hoje em dia? Corre de sebo em sebo, faz tudo pela internet ou mantém contato com outros colecionadores?

Na maioria dos casos, consegui tudo pela internet. Já mantive contato com outros colecionadores por um período e frequentei alguns poucos sebos. Além disso, uma pequena parte do que tenho foi comprada nas bancas nas décadas de 1970 e 1980.

 

Como você guarda sua coleção de HQs? E qual técnica usa para conservá-los?

Não uso técnica especial. Apenas coloco cada uma dentro de um saco de plástico, em geral sem os grampos, e agrupo várias revistas ensacadas de uma mesma coleção em um saco maior.

Todo colecionador tem manias, seja um ritual para leitura, uma bela cheirada na revista nova ou nunca se desfazer de nada, qual é a sua?

Acho que o único hábito que tenho que pode ser considerado algo estranho é querer possuir determinadas revistas em duplicata. E, além disso, guardar as duplicatas em locais diferentes, de preferência em cidades diferentes. Isso fornece certa ilusão de segurança, uma impressão de que a gente nunca vai ficar sem a revista.

É verdade que você gosta de escanear as suas revistas antigas e compartilhá-las com outros leitores na internet? Como você faz isso, desmonta as revistas para poder escanear?

Desde 2004 que venho escaneando várias coleções completas. Algumas das publicações que circulam hoje em dia “de site em site” foi eu que fiz o scan. Por exemplo, foi eu que digitalizei a edição comemorativa dos 25 anos da EBAL, a Chamada Geral. Também fui responsável pelo escaneamento de várias coleções completas tais como Turma Titã, Elektron, Flash, Batman-BI, Batman em cores, Superman em cores, Homem-Aranha em cores, Capitão América em cores e outras.

Um dos sites onde elas podem ser encontradas é no Guia Ebal. Para fazer o scan, eu retiro os grampos das revistas e, depois de escanear página por página, guardo sem grampos em um saquinho de plástico. Depois de digitalizada, cada página tem que passar por algum tipo de tratamento, tais como rotação de pequenos ângulos e recorte das bordas. Dá muito trabalho fazer isso. Exige muita dedicação e disposição.  Mas, para mim, é algo importantíssimo. Já digitalizei umas 400 revistas da EBAL e pretendo escanear pelo menos mais o dobro disso. A revista escaneada pode ser multiplicada e enviada para onde você quiser. É muito bom você viajar e levar, por exemplo, milhares de revistas no disco rígido do computador.

 

Com seu trabalho escaneando as revistas antigas, você consegue apresentar esse material a outras pessoas. Mas e pessoalmente, você incentiva as pessoas próximas a você, como filhos, sobrinhos, etc, a ler quadrinhos? Costuma deixar que leiam as suas revistas?

Meus filhos têm idades de 22, 23, 25 e 27 anos e nunca se interessaram em ler nenhuma das minhas revistas. Antigamente, eles até que liam algumas coisas da turma da Mônica, mas não passava disso. Meus sobrinhos são muito novinhos e acho que não vão se interessar pelo tipo de quadrinhos que gosto.

Acho que eu deixaria, sim, outra pessoa ler as minhas revistas. Mas teria que ser alguém muito bem escolhido, de confiança. Antigamente, quando eu morava no sertão, sempre tinha algum amigo que lia as histórias que eu adquiria na época. Sempre questionei muito a utilidade das coisas, dos objetos.  E uma revista, para mim, é algo que tem que ter alguma utilidade, tem que servir para alguém ler. Não consigo me imaginar possuindo algum objeto que seja intocável, inútil, apenas servindo para enfeite e especulação.

 

Tem algum item que quer muito ter, mas está praticamente impossível de encontrar?

Os itens que eu quero muito ter são os livros de capa dura DC Archives e Marvel Masterworks. Mas isso eu estou comprando todos os meses. É só uma questão de pouco tempo para ter todos os que me interessam.  Tem outros que são difíceis de encontrar, mas que não me interessam tanto assim, tais como os números iniciais da coleção Batman 2ª série da EBAL.

Qual foi sua última leitura e qual está sendo a atual?

A última história que li foi uma de Jimmy Olsen, escrita e desenhada por Jack Kirby e que foi publicada pela Panini recentemente. A Panini publicou apenas uma pequena parte dessa história. A EBAL a publicou na íntegra em 1972 e a Abril também a publicou em 1985. Vivo torcendo para que a Panini a publique na íntegra na forma de um ou dois encadernados.

Não tenho leitura atual, mas estou planejando ler todas as histórias dos meus grupos prediletos, em sequência: Legião dos Super-Heróis, Liga da Justiça e Quarteto Fantástico. Passei muito tempo fazendo essas coleções e agora está na hora de passar algumas semanas lendo.

Obrigado pelo papo, Lenimar! Para finalizar, deixe um recado para os leitores do Pipoca e Nanquim e colecionadores do Brasil.

Meu recado é que vale a pena lutar pelas realizações dos seus sonhos.  Há cerca de 10 anos eu apenas imaginava como seria bom poder desfrutar de coleções completas dos personagens que a gente gosta. Eu não conhecia nem as capas das revistas. Hoje, graças à minha persistência e dedicação, posso dizer que realizei esse sonho.

—-

Minha Estante é um espaço pra você, colecionador de HQs, mostrar sua coleção, falar sobre prazeres e vicissitudes desse hobby, conhecer outros aficcionados e proporcionar aquela inveja boa.

Convidamos a todos que possuem belas coleções de quadrinhos a mostrarem elas aqui!

É só mandar um e-mail para [email protected] dizendo alguns detalhes (números de revistas, itens raros e particularidades) que em seguida combinamos a entrevista.

Até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Parabéns amigo pela grande coleção que vc possui e mais ainda por escanear e colaborar enviando para postagem no Guia Ebal e outros blogs, distribuindo essas raridades para que outros possam ler.Vlw!!!

  2. FINALMENTE!!!!! Pensei que a coluna Minah Estante tivesse despencado. Quem bom que voltou e ainda mais com a excelente coleção do Sr. Lenimar que eu já conhecia do orkut. E por falar no Sr. Lemnimar, a coleção é de fazer inveja, uma inveja até boa porque vi que é possível completar a coleção de hqs do batman que é fantástica.
    Vida longa e próspera a Minha Estante!

  3. Sua coleção é a nata do clássico.
    Que bom que a seção “Minha estante” voltou e com grande estilo.
    Uma grande quantidade de revistas clássicas.
    Muito bom.

  4. Parabéns pela bela coleção de Lenimar! Acho impressionante como os quadrinhos conseguem tocar as pessoas ao longo do tempo… a iniciativa do compartilhamento virtual do material produzido pela EBAL vale, por si só, um agradecimento da comunidade de leitores do país.

  5. ” E uma revista, para mim, é algo que tem que ter alguma utilidade, tem que servir para alguém ler. Não consigo me imaginar possuindo algum objeto que seja intocável, inútil, apenas servindo para enfeite e especulação.”

    Disse tudo… Parabéns Lenimar pela sua MARAVILHOSA coleção!

    • Good research on this, Tony. Pretty sad story. I wonedr what is going on with Yukon King salmon? I thought Alaska would be immune to the problems with salmon decline that they’ve had in the Columbia drainage. The Yukon has no dams, of course, and yet the Kings have had several very bad runs.Excellent post!

  6. Coleção sensacional, sr. Lenimar! Meus parabéns!!

    Eu estou com minhas humildes 100 HQ’s mas espero um dia chegar nesse nível..é invejável mesmo. Essas revistas do Batman-BI são de babar de inveja…hahahahha

    Essa é uma das melhores sessões do Pipoca, não pode parar! Parabéns pelo trabalho sempre muito bom por aqui, Daniel, Bruno e Alexandre…grande abraço.

  7. Puts, que coleção fantástica! Lembrei imediatamente do meu pai que sempre fala que lia os quadrinhos da Ebal quando era moleque.
    1800 quadrinhos da Ebal?? Muita coisa, imagino que além de super-heróis o sr Lenimar deve ter outros títulos da Ebal.
    Enfim, fquei empolgadíssimo e vou ali ler meus quadrinhos 🙂

  8. Bela coleção fique com uma baita inveja! A minha ainda é muito modesta para esta na “Minha estante” acho que quando chegar a edição 200 eu participe XD

  9. eba!!!! a melhor coluna voltou!!!
    mto contente e demais o tiozão com o dog! mto sangue bom!

  10. Gostei muito da entrevista e das fotos. Sempre fico muito feliz ao vê-lo folheando suas coleções com os olhinhos brilhando. Mas como toda regra tem exceção, odeio quando vejo a nossa cama cheia de revistas!!!!

  11. Parabéns Lenimar, Ótima coleção.
    Agora uma dúvida, Onde foi publicado pela Panini a história de Jimmy Olsen do Jack Kirby???

    • Alexandre, a Panini publicou apenas 1 das partes da história em um encadernado recente,
      comemorando os 75 anos da DC (COLEÇÃO DC 75 ANOS – 2 DE 4 – A ERADE PRATA).
      Mas, essa história de Jimmy Olsen de Jack Kirby tem um total de 360 páginas (aproximada-
      mente). A Panini publicou apenas 22 páginas, um mero aperitivo. Ela foi republicada em
      2003/2004 pela DC americana na forma de dois encadernados.

  12. Arrisco dizer que foi a melhor entrevista do P&N até agora. Sem desmerecer as outras, claro. Mas o Lenimar foi muito didático em sua explanação. Preciso até nas datas, detalhista. Coisa de velho sertanejo, sempre com a memória afiada.

    Destaquei os seguintes pontos em sua entrevista, para comentar em seguida:

    1. Por volta de 2002, fiz uma limpeza na minha coleção de revistas e joguei fora muita coisa da Abril do final dos anos 80 e praticamente tudo dos anos 90.

    – – – Nesta época, eu morava em Campina Grande-PB, onde cursava Direito. Teria ido bater em Jampa atrás dessas edições.

    2. Já digitalizei umas 400 revistas da EBAL e pretendo escanear pelo menos mais o dobro disso.

    – – – São pessoas assim que mantem viva a memória dos quadrinhos. Parabéns pela empreitada árdua, solitária e gratuita.

    3. Meus sobrinhos são muito novinhos e acho que não vão se interessar pelo tipo de quadrinhos que gosto.

    – – – Infelizmente, a cada dia rareiam os novos leitores de HQs. Garotada quer saber de compras, consoles de games caros e outras coisas. A leitura se perde a cada dia.

    DETALHE: finalmente, o PN está postando as imagens em boa resolução. Assim, podemos ampliar as imagens e analisar capas, detalhes etc. Sempre houve essa “exigência” dos leitores do PN. Parabéns pela melhora na coluna mais querida sobre nona arte.

    • Kleiton, obrigado pelos comentários. Com relação a essas revistas da Abril que eu me livrei
      (por volta de 2000 ou 2001), elas foram doadas a uns meninos de um orfanato daqui de
      João Pessoa. Parece que os meninos ficaram bem felizes, fizeram a festa. Era uma montanha
      de revistas, novinhas, acho que tinha umas 800 revistas. Mas nunca me arrependi por ter me
      livrado delas.

      • Ah, ótimo. Quando vi, no comentário, você dizer que “jogou” as revistas, pensei que tinha apenas as descartado. Mas a finalidade foi nobre.

  13. Grande Lenimar, que inveja! Sensacional a sua coleção! Tive e tenho muita coisa que você tem (atualmente me interesso pelas republicações em inglês, embora dê preferência às séries mais baratas “Essential” e “Showcase”), mas mesmo que eu conseguisse ter de novo tudo o que já tive, não chegaria aos pés do seu acervo. Saudades da Ebal! Aliás, algumas de suas fotos lembram aquele concurso de fotografia: “De que modo você lê os livros e revistas da Ebal?” Acima de uma delas estaria o título: “Esta foto ganhou dez mil cruzeiros antigos!”

    • Emílio, as cores nas revistas são essenciais para mim. É por isso que não comprei ainda nenhuma “Showcase” e nenhuma “Essential”. Mas ainda vou comprar algumas (Batgirl, Elongated Man, Green Arrow, Martian Manhunter e outros). Quanto às fotos, concordo plenamente com o que você escreveu. Eu também já tinha pensado nesse concurso “De que modo você lê os livros e revistas da EBAL?”. Pena que não esteja mais em tempo de participar desse concurso, não é?.

  14. Linda coleção! Entre seus desenhistas preferidos estão Jack Kirby e Neal Adams?
    Sua coleção está cadastrada no Guia dos Quadrinhos?

    • Caro José Marçal, gosto muito desses dois aí que você citou. Mas gosto muito dos trabalhos de outros antigos desenhistas tais como John Buscema (Homem-Aranha, Thor e outros), Dick Dillin (Liga da Justiça), Curt Swan, Murphy Anderson (Superman), Irv Norvick (Flash e Batman), Jim Aparo (Batman) Dave Cockrum (Legião dos Super-Heróis), Mike Grell (Lanterna Verde e Arqueiro Verde), George Perez (Liga da Justiça e Novos Titãs) e outros.

  15. Bela coleção, muitas HQs antigas e interessantes.

    Mas deu um aperto no coração quando ele disse que jogou fora a coleção dos anos 80/90

    🙁

  16. Prabéns meu amigo Lenomar, fiquei babando pela sua coleção. Eu tamém sou apreciador dessa bela arte. Sempre gostei dos gibis desde os meu 7 anos de idade, hoje estou com 57. Tamém possuo uns 10.000 gibis, porém saõ na sua maioria revistas da Disney, mas tenho também alguma coisa da Ebal .
    Um grande Abeaço
    Vladmir Ferreira

  17. Lenimar Andrade… espetacular sua coleção e melhor ainda a entrevista, as vezes a pessoa tem muita coisa mas nao tem historia pra contar, sobre seus filhos nao se interessarem por suas revistas tenho um pedido a fazer, me adota pai.

    grande abraço

    parabéns!

  18. Caraca!! To de cara… o_O
    Muito Festa sua colecao, Lenimar!!! =P
    Adorei!! Achei engracado quando vi o ‘Batman – em cores’.
    Pra mim, sempre foi colorido…

    Parabéns!

  19. Lenimar, parabéns pela coleção fantástica. Muito legal, é uma maravilha ter essas raridades todas de uma época memorável.

    Sempre que completar alguma coleção, avise os admiradores como eu!!

    Abração,

    Rogerio Prestes

  20. Boas Lenimar, também estou a fazer a coleção do batman, batman-bi, superman etc mas aqui em Portugal não se encontram muitas como aí no Brasil, vou tentando aos poucos comprar no mercado livre mas pedem muito dinheiro, parabéns pela sua coleção é demais.

  21. Estou me desfazendo de minha completa e rara coleção da Ebal…gostaria de saber se vc está comprando…Parabéns pela sua linda coleção!!