Battlefield 3 – O Melhor Shooter dessa Geração

Desde que a DICE nos introduziu ao sensacional (e suficientemente realista) universo de Battlefield, gamers no mundo inteiro desde 2005 lotam os lobbys de multiplayers. Já naquela época me lembro muito bem, em meio ao caos da guerra pixelada, vários jogadores comentando: “Se esse jogo já é perfeito assim, imagina o próximo!” .  A pergunta agora é, será que todo o alarde feito quanto ao terceiro jogo da série é justificável? Sem dúvida! Battlefield 3 já merece o título de melhor shooter dessa geração.

Fazendo uso do monstruoso engine Forstbite 2, BF3 é simplesmente algo impressionante de se observar.  Os efeitos de luz, movimentação e foco estão entre os melhores já vistos, tanto em consoles quanto no PC, uma briga acirrada com Crysis 1 e 2. A ação também é tensa e caótica independente do modo de partida que você determinar. Com efeitos sonoros realistas e detalhes gráficos extras, a DICE conseguiu fazer com que o gamer fique completamente imerso no campo de batalha. Seja com som agudo de balas voando em sua direção, a poeira de estilhaços de azulejos de explosões que atrapalham sua visão, o estrondo sinistro de um tanque se aproximando ou o “grito” ensurdecedor dos caças sobrevoando os campos de batalha, é garantido que cada partida vai ter uma característica única.

Como a jogabilidade da série Bad Company beirava a perfeição, os criadores de BF3 mantiveram grande parte dos elementos de controle dos últimos dois jogos. Utilizar armas e veículos continua basicamente com a mesma dinâmica. Outro elemento atualizado é a eterna jornada da DICE para valorizar o modo campanha para o single player. BF2 já contava com um enredo intrigante e elaborado. Além de mostrar o melhor dos gráficos, o story mode de Battlefield 3 é duradouro e apresenta missões memoráveis voltadas para os veículos, cobrindo todos os aspectos da jogabilidade entre classes e armas (aspecto que não foi suficientemente explorado em BF2).

Mas sejamos sinceros, não é pela campanha que esperamos desde 2005 e sim pelo multiplayer. Durante meses de especulações sobre o multiplayer, vídeos e mais vídeos no YouTube nos deixavam maravilhados com o que estava por vir e meus amigos, a DICE apelou. Como eu já havia dito, pouco mudou na jogabilidade e as diferenças ficam por conta das classes: Assault e Medic são agora um só soldado com a capacidade de descer chumbo e reviver seus companheiros no meio da batalha. Uma das melhorias fica por conta da classe Sniper (Recon): dessa vez, os malditos campers vão ter que aprender a segurar a respiração para conseguir um belo headshot (apesar de só enxergá-los quando a luz do ambiente reflete no scope do rifle). São nove mapas extremamente variados que vão de campos abertos perfeitos para veículos e caças à corredores claustrofóbicos de metrôs.

Ficar grudado por dias no multiplayer é a intenção dos criadores de BF3. Existe um novo sistema de progresso que faz o gamer batalhar incansavelmente para liberar todos os kits, armas melhores, etc. Dentro de cada kit existem novidades para desbloquear e cada ponto conquistado no campo de batalha é utilizado para liberar alguma coisa. Não é uma graduação tão fácil quanto a de Battlefield 2, mas sem dúvida é um sistema que recompensa.

Helicópteros e os caças são simplesmente sensacionais. Dentro do helicóptero, dessa vez, o jogo está ainda mais realista, principalmente por conta da sua liberdade de visão dentro do cockpit. Os caças são difíceis de controlar, mas dão uma dimensão inimaginável ao multiplayer. A qualidade gráfica de BF3 realmente impressiona nesse aspecto: as nuvens são tão perfeitas que você se esquece fácil da carnificina que está rolando no chão e fica centrado apenas no seu voo. Dar um rasante em um tanque e lançar um stinger míssel em um helicóptero não tem preço! Infelizmente, aprender a voar um caça só é possível dentro do multiplayer, ou seja, prepare-se para ser abatido inúmeras vezes antes de dominar a máquina.

O multiplayer de Battlefield 3 é simplesmente irreplicável. Toda a destruição, veículos, variedade de armas, mapas gigantescos transformam cada partida em uma experiência única. Apesar da história ser muito boa na campanha e o modo cooperativo ser diversão garantida, o motivo obrigatório para se ter esse jogo é o multiplayer online. Sem mencionar que os DLCs ainda nem foram anunciados, com Battlefield 3 a DICE acabou de criar um desafio quase imbatível para as outras empresas que se aventuram no universo FPS. Vai ser interessante observar o que vem pela frente em termos de shooters para consoles e PC. Nota 10!

___________________________________________________________________________________________

Leonardo Chacel é formado em Publicidade. Depois de cinco anos como livreiro, chutou o pau da barraca e virou tatuador e gamer porque jogar e desenhar é o que faz de melhor. Além de escrever sobre games para o PN escreve sobre música (só as boas) em seu blog Overdose Contínua.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. melhor jogo fps do mundo, não vejo a hora de pegar a minha nvidia 460 e jogar (nem que seja no low/medium)
    huashuahuh
     

  2. tenho que discorda pq o jogo de fato é bom mais a historia n faz com que o player realmente fique ligado no game eu msm quase morri de tedio alem do single ser muito dificil os inimigos te percebem msm sem vc ter feito barulho nenhum , o multiplayer ele é otimo mas se joga com amigos com uma “party”/squad pq se for jogado sozinho fica dificil vc correr atras de kill e alem disso faze o objetivo 
    Call of duty modern warfare 3 decepcionou ? sim e muito podiam ter trazido um jogo bem melhor com mais inovações espero que o proximo cod feito pela treyarch seja melhor , embora o cod mw3 seja um pouco ruim a historia dele ficou melhor do que a do Battlefield 3 pq msm sem saber ingles vc intende a do mw3 ao contrario do Battlefield 3 , msm eu achando que os dois podiam ter cido melhores eu pretendo ter os 2 ate abril do ano que vem