Sucker Punch: Mundo Surreal – Crítica

Vai ser difícil comentar sobre esse filme. Eu estava muito, mas muito empolgado para assistir Sucker Punch! Primeiro porque eu sou muito fã do Zack Snyder, gostei de todos os seus trabalhos até hoje. Em minha opinião, Madrugada dos Mortos é um dos melhores filmes de zumbis que já foi feito, 300 é uma adaptação que supera a obra original e Watchmen ninguém teria feito melhor do que ele. Pronto, falei! Caso discordar de tudo isso comente lá embaixo, faça uso da democracia. Mas continuando. Em segundo lugar, porque os trailers mostravam cenas nerds massa pra caramba! Putz, simplesmente eu via uma reunião de tudo que existe de mais legal na cultura pop em um único longa-metragem! Isso me empolgou demais.

Então eu fui assistir! Liguei pro Moviecom aqui de Araraquara pra reservar meu ingresso (não ganho salário pelo programa, mas pelo menos entro de graça no cineminha), busquei minha namorada, comprei meu Doritos e a Schweppes Citrus, esperei um pouco na fila, sentei no meu local preferido, bem no centro da sala, enfim, tudo perfeito para conferir aquele que, na minha expectativa, seria um dos filmes que certamente mais me divertiria em 2011!

Ledo engano.

Não que seja ruim, mas não chegou nem perto daquilo que eu esperava. E sabe, é frustrante admitir que um filme pelo qual eu torci tanto pra que ficasse excelente, tenha se saído aquém das expectativas. É o mesmo sentimento que tenho pelo Green Lantern e pelo Conan: estou torcendo tanto por esses filmes, mas tanto, que se eles me desapontarem o efeito será devastador em minha mente de fã.

Sucker Punch é legal, mas podia ser bem melhor! Ficou claro que o roteiro foi inteiro elaborado para servir de pretexto para Snyder filmar tudo aquilo que mais gosta. Todo fã de cinema e quadrinhos adoraria ter a chance de trabalhar com uma história dessas! No meu caso, a identidade com o filme foi ainda maior, pois todos os elementos que ele escolheu inserir na trama são do meu gosto.

A armadura robô com aquele coelho rosa estampado na frente ficou muito legal; eu adoro personagens que lutam com espada e revolver; curto muito o design de zepelins e aviões da segunda guerra; os nazistas feitos de gás foi uma sacada steampunk; o dragão, os orcs e o castelo medieval lembraram minhas partidas de RPG de antigamente; o combate dentro do trem veio no exato momento em que pensei “bem que podia ter um combate dentro de um trem”; os samurais com metralhadoras, os soldados zumbis, as lutas que independem das leis da física, chão quebrando embaixo dos pés, tudo muito foda!! Só faltou emoção…

Deixe-me explicar um pouco melhor o negócio. No começo do filme duas meninas perdem a mãe e ficam com o padrasto. O sujeito é um canalha que só quer ficar com a herança das órfãs e está disposto a fazer qualquer coisa para conseguir isso. Quando a irmã mais velha presencia o crápula batendo na caçula, ela não aguenta e pega um revolver em uma gaveta. Ao efetuar disparo, infelizmente a bala acaba por acertar sua irmã, que não resiste ao ferimento e morre. Com isso, o homem conseguiu o que almejava: um pretexto para se livrar da única herdeira viva, que acaba internada em um hospital para doentes mentais.

Como válvula de escape para seu sofrimento, a garota, chamada Baby Doll, cria um cenário novo em sua cabeça e passa a agir como se estivesse vivendo nele. Invés de um terrível manicômio, ela está em um bordel onde é obrigada a dançar e atender clientes. No lugar de médicos e psiquiatras, ela vê seu terrível patrão e seguranças. Seu convívio é com meninas dançarinas e não com as demais pacientes, etc. As coisas acontecem de verdade, mas são mostradas pela perspectiva da fantasia da protagonista.  Seu objetivo não poderia ser outro se não a fuga do “bordel”, proeza que vai tentar realizar junto com mais quatro garotas.

Cada uma das cinco etapas do plano das meninas envolve empregar o talento de Baby Doll como dançarina, para distrair algumas pessoas enquanto as demais agem com presteza. Para a protagonista, essas sequências se desenrolam em cenários fantásticos. Uma sacada de gênio do Zack Snyder para inserir suas cenas de ação malucas. Por exemplo, a simples missão de copiar um mapa que está na sala do chefe é vista como a invasão de um quartel general nazista, bem no meio de uma guerra.

Entretanto, seu maior acerto é também sua maior ruína. Da primeira vez que somos transportados para um desses mundos diferentes, ainda não sabemos com certeza porque aquilo está acontecendo. É uma grata surpresa descobrir que aquela cena maravilhosa, cheia de efeitos especiais bem empregados, trata-se na verdade da representação da coreografia de Baby Doll. Não podia ser mais criativo. O problema é que o recurso logo fica enjoativo. É sempre a mesma coisa: a garota dança e vemos uma cena de ação. Quando chega a terceira dança, todo mundo já está cansado da mesmice.

Faltou dinamismo na abertura desses trechos surreais. A imersão na mente da personagem poderia acontecer de várias formas alternativas, e não sempre através de sua performance musical.

Além disso, se por um lado podemos ver as belíssimas atrizes atuarem como guerreiras em cenários cada vez mais ricos em criatividade e beleza, por outro, o roteiro dessas cenas é sempre o mesmo: eliminar todos os inimigos pelo caminho e pegar um item no final. É simplesmente isso, sem qualquer profundidade ou emoção.

Poxa vida, se lembram de Toy Story 3, quando os brinquedos vão escapar da creche? O plano deles exigiu trabalho em equipe, se desenrolou em diversas etapas interligadas, uma dependente da outra, com dois ou mais núcleos de ação, tendo inclusive que arcar com imprevistos, o que manteve o público preso na cadeira torcendo por cada movimento daquele jogo de xadrez. Faltou isso em Sucker Punch! Não havia razões para cruzar os dedos e franzir o cenho, o tempo inteiro é evidente que elas vão ganhar sem qualquer complicação, já que todos os seus movimentos de combate são perfeitos. Ora, já que Snyder quis sustentar o filme nesses atos, que concebesse a eles um pouco mais de vida (a única exceção foi o desfecho).

Outro detalhe que me incomodou foi a costumeira câmera lenta do diretor. Dessa vez ele abusou demais da técnica. Todo o começo do filme é em câmera lenta! Todo!! São mais de cinco minutos em tempo desacelerado, ao som de uma música que nunca acaba, sem qualquer fala. Parece um videoclipe. Aliás, a produção toda se parece com um clipe gigante, haja vista a quantidade de músicas, danças e câmeras lentas.

Outro ponto negativo é o desenvolvimento das personagens. Das cinco garotas que compõem o grupo, apenas duas meninas, que são irmãs, tem um background explorado e despertam certa empatia no público, as demais só estão lá para completar o elenco de gostosas. A garota principal até que tem sua historinha e personalidade, mas é pouco para a carga dramática que se exige de um protagonista.

Mesmo assim, após tecer esses comentários negativos, não sou capaz de dizer que odiei o filme. Vou até comprar o DVD original quando ele chegar nas Lojas Americanas por 13 pilas. Sucker Punch é descompromissado, divertido, criativo e estiloso. O cara conseguiu entregar algo novo ao reunir todos os clichês do gênero ação, ficção cientifica e fantasia na mesma produção. Nenhum outro filme se compara a esse, nem mesmo Matrix (embora tenha muito da criação dos Wachowski aqui). Ele abriu uma porta. Quem sabe no futuro, outro diretor ou o próprio Snyder não rodem outra história parecida, mas com um desenvolvimento mais elaborado? Eu certamente assistiria.

Antes de encerrar, preciso alertar o leitor homem de uma coisa: há 90% de chance de sua namorada odiar Sucker Punch. Eu ouvi reclamações do começo ao fim: “Que merda, eles querem segurar o público com as atrizes gostosas de roupa curta” ou então “Ah não, lá vem outra dancinha” e “Qual é a graça de dragões e robôs?”. Nem adianta tentar dizer que são meras referências a animes e a diversos gêneros da cultura pop, provavelmente ela não vai gostar mesmo assim.

Deixe uma resposta

  1. Eu dia dizer que detesto dizer isso…mas a verdade é que eu gosto: EU AVISEI!

    Bruno, vou confessar que nem li seu post todo, me desculpa cara, mas sinceramente esse filme não me desperta o menor interesse.

    E o Zack Snider é brega.

  2. Esse filme tbm não me despertou nenhum interesse..achei desde o início que essa colcha de retalhos era tão somente vitrine pro "visionário".

    Companheiro Marshall apoiado: Snyder é brega!

    Se os filmes dele não tivessem tanta cena com camera lenta, durariam cerca de 32 minutos! rs rs…

  3. Entendi o filme de maneira completamente diferente.

    SPOILERS!!!

    Pra mim o mundo de cabaré não está na cabeça de Babydoll e sim da irmã mais velha, que aparece no começo da cena do hospício aprendendo a entrar em seu mundo. No final isso fica bem claro quando Babydoll diz que essa não é a história dela e que a garota deve fugir. A história que acontece no mundo real é passada em um hospício, logo nenhuma das garotas ali, com exceção de Babydoll, é normal. Sweet Pea imagina a fuga daquela maneira surreal que sua mente insana criou. Ela é a narradora do filme e começa e termina a história falando de anjos da guarda (Babydoll) que vem nos proteger. A fuga realmente ocorreu, mas não daquela maneira. Sweet Pea criou isso tudo no momento em que entrou no ônibus. O motorista que a ajudou a escapar da polícia (os dois policiais são inimigos nazistas) é visto como um guru. O menino na fila é um dos soldados na guerra e etc. O fato dela ser a personagem mais bem desenvolvida é exatamente por ela ser a protagonista.

    Achei a história bastante interessante e acho que ela rende muita discussão. Não entendi os críticos que disseram que o filme tenta se levar a sério e não consegue. Achei o enredo de três camadas muito bem elaborado, mas gostaria de ouvir opiniões contrárias.

    A propósito, minha namorada adorou o filme.

    • Otavio lmon,se todos pensassem assim como você,com a cabeça aberta e o corpo em total sintonia com todo esses esclarecimentos tudo na vida faria um pouco mais de sentido,e para todas essas pessoas que so entra nos comentários para criticar não tem nem um polco de imaginação,como você mesmo falo porque tem que ser tudo nos paramentos da sociedade por que eu não posso ver um mundo diferente quem falo que o mundo e so um padrão certo e que qualquer outra coisa não faz o menor sentido todo mundo pode sonhar e para torna o sonho em realidade e so acordar e como o filme fala você tem as armas que precisa agora lute,lute contra as barreiras do mundo normal abra a mente e seja livre. E obrigado a todos que talvez leia lembre-se você controla seu mundo e pode torna a sua imaginação em realidade so basta acorda para acontecer e seja livre abra sua mente e fecha fluir todo o seus sonhos e pensamentos mesmo que não seja real obrigado especialmente a Otavio lmon

  4. Caraaaaaalho Felipe, mandou bem garoto!!! É isso mesmo, tudo que você disse faz total sentido! Como não percebi, está tão óbvio agora! Baby Doll é o anjo da guarda citado no começo, certamente! E bem que estranhei o fato da cena final contar com as mesmas figuras que apareceram durante as cenas de ação, está tudo sendo contado depois da fuga pela verdadeira protagonista, que é a irmã mais velha do hospício! SENSACIONAL CARA!!!! Fantástico, é isso mesmo!

    Tudo que escrevi acima, sobre a falta de emoção, as câmeras lentas, ausência de dinamismo nas mudanças de cenários, etc etc, continuam valendo, é claro, mas o resumo da história é esse que você disse, o meu é a "versão sem spoilers", hehe. Você matou a pau!! Como disse antes, mesmo com os pontos negativos eu gostei do filme, agora, compreendendo da maneira correta, gostei mais ainda!! Valeu cara!

    Aliás, isso que você disse acaba com tudo que o Erico Borgo do Omelete escreveu, simplesmente destrói o ponto de vista dele, sobre o filme ir por vias erradas ao tentar ser inteligente no final. O esquema já está montado desde o início e ninguém percebeu (ou poucos).

    Agora, quanto ao Marshall e o Daniel, assistam meus caros, não é tão ruim assim. Leiam tudo que escrevi, vejam que falei mal do que merece mas não deixei de gostar do filme. E Zack Snyder é o cara, haha, ele é um brega maneiro! Falow um abração!

  5. Bem, eu realmente estava cheio de expectativas para com esse incrivel filme. Oras bolas, até então Zack S. só tinha acertado, triunfando em filmes como 300 e Watchman e bem, após muita expectativa… Finalmente Sucker Punch estreiou, e o melhor de tudo: NÃO ME FRUSTROU, não completamente… Foi a mesma coisa com Trom: O legado, foi bem foda mais devido ao enredo meio desconexo, o filme acabou sendo apenas mais um filme. Sucker Punch é um filme incrivel, com efeitos especiais e atuações de primeira – tá, algumas bem mediocres, mas quem sou eu? – Enfim, apesar das "lacunas" no enredo, eu recomenda a "pelicula" a todos e que venham mais filmes!

  6. Não Bruno, não. Li o post todo, li até o resumo da história feito pelo Felipe e não adianta, não é o tipo de filme que eu veria num domingo a tarde na Globo, sem mais nada pra fazer. Eu já não gostei de 300, imagina esse.

  7. Pensei , pensei e repensei! Sai do cinema com um gosto amargo na boca. Mas, decidi que verei novamente o filme para tecer uma opinião mais centrada. Concordo com alguns aspectos da opinião do Bruno sobre repetições e um certo ar de "algumas cenas até enchem o saco de tanto visual ", e também concordo muito com o comentário do Felipe, mas tá tudo meio embaralhado ainda. Eu volto..

  8. Nazistas feito de gás?? aquilo é a primeira guerra mundial, existe o KAIZER não o Fuhrer da para ver que você entende de história.

  9. Haha, pior que cheguei a escrever primeira guerra, aí fiquei em dúvida e apaguei e troquei por segunda XD… É tanta coisa na cabeça que a confusão vira e meche é um elemento comum, normal esquecer detalhes (ainda mais que nem fui ler nada na net, escrevi tudo de cabeça). Me desculpe Babydoll, um mero detalhe que em nada estraga a história.

    Abração!

  10. eu sou garota e arrastei minha melhor amiga p/ o cinema, e quando cheguei lá, o filme q eu queria ver não tava passando e fomos obrigadas a ver Sucker Punch. Já tinha visto o trailer e detestado então ñ esperava grandes coisas do filme

    e no fim, me surpreendi. a trilha sonora e a fotografia são dignas de um oscar, apesar do visual das protagonistas pagando de gostosas de bordel foi praticamente uma tortura ver. sem falar na péssima atuação da vanessa hudgens, cuja personagem se chama 'Blondie' – e na verdade não é loira, e sim morena – e é uma personagem chave do filme, q deveria ter sido melhor desenvolvida.

  11. Opa, tipo acabei de assistir o filme, e foi o melhor filme da minha vida, supera inclusive o Clube da Luta. Muita gente nem vai ler isso, mas fica aqui a mensagem para quem quiser entender.

    Suckerpunch não é um filme. SuckerPunch é uma mensagem, uma chave para a libertação de todas as mentes criativas e o potencial humano no seu máximo. Realmente Snyder colocou todas as coisas que queria colocar em um filme, detalhes, sons, músicas e fez a maior de suas obras primas.

    Se você leu até aqui, continue meu caro amigo, porque você é um em um bilhão e está prestes à ser libertado por um dos maiores gênios do cinema.

    Enquanto assistia o filme, eu percebi a reação de várias pessoas. Elas suspiravam, fazim sinais de descrença, duvidavam de todas as ações que quebravam a gravidade ou as leis do mundo real. Muitos já começaram falando que o negócio era um lixo. Grande engano, meus céticos companheiros.
    SuckerPunch não é um filme, como eu disse ele é uma mensagem. Vejam as frases finais do filme, relacionem com o nome do filme. Snyder quis provar com SuckerPunch que não há limites para a imaginação, ele quebra as leis do mundo real e ultrapassa as fronteiras que nós mesmo impomos nas nossas mentes. Por que eu não posso fazer um filme que tenha todos os elementos que eu gosto, por que esse filme tem ser como todos os outros filmes, com uma história plausível no mundo real? Por que diabos eu tenho que fazer uma coisa limitada se minha imaginação é ilimitada, porque meus personagens não podem voar ou segurar balas se eu posso imaginar que eles voam e seguram balas, enfrentam samurais, dragões, robôs.
    Imaginem super Mario World, o que um encanador tem a ver com um tartaruga ou seja lá o que diabos for o Yoshi. Nada, mas alguém imaginou assim, na cabeça de alguém isso existiu e ele trouxe isso pro mundo e é divertido.
    Quem cria os monstros que devemos enfrentar, quem limita nossas mentes, quem diz que não podemos fazer exatamente o que imaginamos, por que não posso fazer um filme com robôs, samurais, dragões e garotas armadas, por que? tem que ser real? Tem que ser plausível, tem que seguir uma estrutura antiga e tradicional? Tem que estar tudo justificado e nada pode fugir do que eu conheço, embora minha capacidade de imaginação tenha poder para tal.
    Somos nós, nós que nos limitamos, nós que criamos as drogas das regras que nos prendem a esse mundo. O que é irreal na mente de uma pessoa? todos seus pensamentos são falsos? Quando você quebra as leis da fisíca imaginando um personagem voador, ou um samurai robô dançarino, você de fato está criando algo inútil? Ou você está usando todo o potencial da sua mente para transcender a realidade e libertar todo seu potencial criativo?
    Zack Snyder fez o que ele quiz com SuckerPunch, com personagens que ele imaginou em situações que ele imaginou, é um sonho, dentro de um sonho, dentro de outro sonho. Suckerpunch não é uma narrativa sem propósito, é uma mensagem forte e poderosa de que todo ser humano é capaz de coisas inimagináveis, que são descartadas pelo ceticismo, pelas regras e limites que nós impomos á nós mesmos. Criamos tanta coisa legal e jogamos tudo fora. Se você entendeu o que estou tentando dizer deve estar se sentindo como se tivesse tomado um soco na mente, um SuckerPunch.

    Abra sua mente e aproveite todo seu potencial, Snyder provou com esse filme que isso é possível, mesmo que muitas pessoas não tenham entendido a mensagem do filme e continuem céticas acreditando que as leis desse mundo são tudo que existe, e que elas devem ser respeitadas até mesmo onde elas não existem. Se Snyder conseguiu fazer um filme com tudo que ele queria e imaginava, todo mundo também é capaz. Basta se desgarrar destas leis mesquinhas e da fé nesse potencial humano muito limitado. Você pode imaginar o que quiser, qualquer coisa, mas por que você não pode mostrar isso pros outros?

    Mentes criativas de todo mundo, prestem atenção, porque Snyder iniciou uma nova era, e isso de maneira quase que subliminar. É chegada a hora em que os seres humanos vão poder usar todo seu potencial criativo e se libertar deste mundo fisíco e suas leis e limitações. A mente não tem fronteiras, nem limites. Se você é cético e viu este filme, só vai conseguir ver um apanhado de imagens bonitas e uma história fraca. Se você é uma mente criativa frustrada que teve de descartar centenas de suas idéias porque o mundo não era capaz de entender, rindo dos exageros, da quebra da realidade, você vai conseguir ver algo maior do que tudo que já viu.

    A mente humana não tem limites, você pode pensar o que quiser, mas nesse mundo se pensar algo que não condiz com a realidade você será apedrejado. Você tem que ser limitado, tem que seguir as regras. Não é atoa que Jesus falava por meio de parábolas e metáforas.

    Fica a mensagem.Revejam o filme e prestem atenção, talvez não na história em si, mas como foi divertido para Snyder criar tudo isso, liguem os pontos e verão que o filme não é nada, apenas uma mensagem e um soco no estômago dos céticos e descrentes, um soco nos limites impostos da realidade na mente de cada um de nós. SUCKERPUNCH.

    É isso, essas são minhas opiniões, vai ter gente me chingando, me chamando de idiota, dizendo que o filme é uma bosta. Posso sim estar errado, mas se não estiver, Snyder deu um jeito de dizer a você que sua mente é livre e que você pode fazer o que quiser e provou isso com SuckerPunch na mesma hora. Mesmo que você não tenha visto isso no filme, isso é algo real. Se não estiver de acordo com isso você deveria dizer algo como: Não! Minha mente não é limitada, mas as histórias tem que ser verossímeis tem que ter a ver com este mundo, tem que seguir as regras deste mundo, por que senão ninguém acredita! Agora me diga, quem já viu animações da Pixar, viu insetos falando, viu carros conversando, e você ficou o tempo todo pensando que aquilo era uma mentira? Acreditar é uma questão de querer, não tem sentido limitar as coisas, imaginem quantas coisas novas poderemos criar se ao invés de limitar coisas, nós aumentarmos nossa capacidade de acreditar.

    Liberdade infinita e pura, mentes criativas de todo mundo! Snyder deu o primeiro passo, a gente só tem a ganhar seguindo seu exemplo.

    Esse filme tratou de um frustração que tive desde criança. Faço Design de Games na Anhembi Morumbi, e acreditem já tive muitas idéias insanas como de Snyder que foram descartadas e abandonadas por não seguir um apanhado de regras e limites impostos pela sociedade e pela própria faculdade. Não faz sentido a gente se prender, se oprimir dessa forma.SuckerPunch me mostrou que um cara de nome grande lá em cima percebeu isso, e com o filme mais ousado que já vi, ele riu do mundo todo enquanto desferia seu soco fatal. O que Snyder fez nesse filme não foi algo estético ou visual. SuckerPunch é a Liberdade quase que total da mente de Snyder. É a morte do gladiador que passou a vida inteira como escravo seguindo as regras da arenas, mas o gladiador que ganhou o povo (300, Watchmen) e agora peitou o imperador, pra alcançar o Elísio (SuckerPunch) A liberdade da mente.

    Mals pelo longo comentário, mas espero ter dado esperança aos frustrados como eu, assim como Snyder me deu.

    Caso alguém queira entrar em contato para discutir: [email protected]
    Se quiser chutar minha teoria pelos ares e dizer que eu sou um babaca diga aqui mesmo. Não se incomode em me mandar um e-mail que não vai ser respondido. Eu não tenho que provar nada a ninguém, só quero ajudar quem quiser ser ajudado.

    Otávio Imon
    (Quase) GameDesigner, (Quase) Quadrinista, (Quase, e esse é bem quase mesmo) Escritor e Mente criativa em ação.

    • Valeu a leitura de cada palavra sua. Não considero o Snyder um gênio, mas a ousadia dele de não querer ficar preso ao status quo hollywoodiano incomoda tanto os críticos que estes desde este filme o perseguem.

      Gostaria muito de saber qual foi sua opinião sobre Batman v Superman, porque eu adorei o filme, mesmo com seus problemas. Justamente porque Snyder não quis fazer o feijão com arroz, o mais fácil, mas quis arriscar fazendo algo diferente.

  12. Otavio Imon, meu amigo que comentário meu deus! Que belo comentário!! Adoramos. Você não devia ter comentado, devia ter feio um post, isso sim!! Ahhh meu caro, como eu queria que uma meia dúzia especifica de pessoas lessem isso que você escreceu, aaaaa como eu queria.
    Você abriu um parenteses para explicar aquilo que coloquei lá em cima, Zack Snyder, com esse filme, abriu uma porta, ninguém nunca filmou algo assim antes, nem mesmo Matrix foi como Sucker Punch em termos criativos. O que você explicou faz total sentido, total.
    Como disse no post, eu gostei do filme, foi ousado pra caramna e talz, mas te pergunto: você não achou que faltou emoção e ficou repetitivo em algumas partes? Cara, por pouco esse filme não ficou perfeito, bastava mais atenção nesses detalhes que falei.
    Adorei sua comparação com Mario! É isso aí, a galera chia que ficou uma salada cheia de coisas sem sentido misturadas, mas quem disse que assim seria chato? Porque não podemos nos permitir dar liberdade pra imaginação e realizar aquilo que mais queremos, da forma como queremos? O Snyder fez o filme do jeitinho que ele queria, o cara realizou um sonho e mostrou a vários como ele que isso é possivel de ser feito. Ele não nos levou até essa porta, mas mostrou o caminho.
    Otavio, parabéns, por causa de seu comentário e do comentário do Felipe, peguei mais admiração por esse filme, e estou seriamente inclinado a ir assistir de novo. Valeu!!

  13. haha Lola, sabe, foi bom que o seu filme não estivesse passando e que tenha assistido Sucker Punch, esse filme certamente foi uma experiência interessante pra vocês, seja pro lado bom ou ruim. O lado bom, é que vcs se surpreenderam e gostaram, como eu, o outro lado foi terem que aturar a mulherada de roupa curto, hehe, pela reação da minha namorada sei que deve ter sido uma torturapras vcs mesmo, como você disse. Um beijão, valeu pelo comentário, e volte sempre viu!!!

  14. haha, pois é, Bruno, foi bom eu ter ido assistir, hj já comprei ingresso e vou de novo, dessa vez vou arrastar meu namorado e vou tentar ñ ligar pra aquelas lingeries (ñ pd nem ser chamado de roupa aquilo)… se eu perceber algo novo eu volto hj para contar!

  15. finalmente entendi TUDO SOBRE O FILME!

    a baby doll se imaginava em um bordel, mas na verdade ela e todas as garotas estavam mesmo internadas em um hospício de verdade. ela imaginava e se via em um bordel pq abusam das garotas no hospício, então ela se via nesse ambiente. a prova disso é quando amber rouba o isqueiro do bolso do prefeito. na verdade, ela não o rouba do prefeito e sim daquele guarda que baby doll ve no inicio do filme, q abre as portas do hospício, sabem? ele, quando baby doll chega ao hospício, está batendo num isqueiro de dragão prata e vermelho, e, provavelmente abusou de amber, e ela conseguiu pegar o isqueiro dele na ocasião. tbm quando baby salva rocket do cozinheiro, ele ñ foi atras dela pq ela pegou um chocolate, e sim pq ele iria estupra – la.

    A história, assim como baby doll diz no fim do filme, nunca foi dela, e sim de sweet pea, o que é a mais plena verdade. Rocket conta p/ baby q ela fugiu de casa pq tinha problemas com os pais, e sweet pea a seguiu, apesar de nunca ter tido problemas com eles. na verdade, sweet pea não era louca, e rocket, sim. percebi isso quando baby disse q sweet pea era a "mais forte" de todas as garotas- com isso ela quis dizer q sweet pea era a mais sã mentalmente das garotas. Então, Sweet Pea foge e ela é provavelmente a narradora oculta do começo e do fim do filme, pq diz 'as vezes, aparecem anjos em nossas vidas. as vezes, eles vem em forma de demonio… mas acabam se tornando anjos'. ela diz isso pq desde o começo ñ concordava com o plano de baby doll, e baby doll matou rocket, já q quando ela está na cozinha, joga a panela com batatas no chão para dançar, e a agua da panela que causa o incendio e talz… ou seja, ela virou o demonio p/ sweet pea já q matou a pessoa q sweet mais amava, sua irmã rocket. mas baby se tornou o anjo de sweet pea pq ela deu a liberdade a sweet.

    E no fim, também reparei q Blue assinava por Madame Gorsiki (a terapeuta) permitindo a lobotomia p/ que as garotas não lembrassem do abuso q sofriam. assim, quando Blondie (Vanessa Hudgens) contou a madame gorski q elas estavam planejando fugir, tenho certeza q ela fez isso pelo mais puro medo, pq Blue já devia ter abusado dela, então ele resolve mata – la de uma vez, ja q ela ja havia contado seu 'segredinho' p/ madame gorski. mas ela não acredita ate ver q ela assinou por ela a lobotomia de baby. e quando blue manda colocarem baby na cadeira, o cara diz 'não vou machucar mais nenhuma dessas garotas daqui' e blue manda ele calar a boca.

    agora, me restam 2 dúvidas:

    -amber e blondie realmente morreram? se sim, como?

    -o que blondie contou a madame gorski e a blue na cena em que ela começa a chorar e os 2 prometem não dizer nada a ninguem? só podemos imaginar, ja q baby imaginou que ela entegou o plano das garotas a blue, pq ele mata blondie… certo? mas o que mais ela disse para te – lo feito matar amber? talvez pq amber já havia pego o isqueiro do cara q abusou dela…

  16. Oi! Acabei de assistir a Sucker Punch. Gostei, primeiro pq não me enchi de expectativas, fui por puro entretenimento e não esperando que fosse um filme que renovasse o cinema propriamente dito. Segundo, pq a estética do filme é realmente bem Cultura-pop mesmo (Zack Snyder posso afirmar que é o diretor nerd dos tempos atuais), o que me deixou bastante feliz… Senti várias vezes que estava num jogo de vídeo.
    As atrizes mto fracas em atuação, tb o que podíamos esperar de Vanessa Hudgens?
    Mas é isso, quem espera puro divertimento vai gostar. Vou escrever um post no meu blog sobre o filme ouvindo o Podcast Matrix! rsrsrss

  17. Esse Otavio Imon cagou no ventilador todo!
    Li cada abobrinha em alguns comentários ai em cima, meu deus!

    Falar que ele iniciou uma nova era nos cinemas, que Sucker Punch supera Clube da luta (queria saber onde?) e que Snyder é um gênio, foi muita exagero hein!

    Caraca, está um prazer ler alguns comentários aqui kkkkkkk

    Bruno, não estou falando da sua resenha, que apesar de eu discordar um monte está muito boa.

    Abraços!

  18. simplesmente adorei o filme…

    e tinha a mesma opinião do felipe q Sweet Pea era a dona da estoria ( o por q de mta coisa ) so não sabia esplicar por que

    Felipe vc mandou mto bem…

    me ajudou a entender pontos q tinham ficado vagos pra mim vlw

  19. Lola tbm tive a mesma duvida

    mas acho q isso é por q a historia é narrada por sweet pea e ela

    não teria acesso a esse fatos quando estava enternada na

    tem be acho q o bordel é fantasia de sweet pea por q essa realidade so entra em sena quando baby doll se ela pela primeira vez, no tratamento ( onde eles chamavam de teatro pelo fato das meninas, espresarem o q pensam quando ouvem a msk colocada pela Madame Gorsik )

    por isso a historia do bordel começa pedois de baby doll ver sweet pea sentada na cama.

    isso tbm esplica o fato de baby doll entrar en seu mundo atravez da dança ( o q pra mim seria atravez do tratamento feito por Madame Gorsik)

    Ah… um detalhe interesante quando baby esta nessa segunda realidade ve seu padrasto vestido de padre)

    isso é pelo fato de todos acharen q ele esta certo ( não sabendo de suas reais intensoes)

    e Blue esta vestido de cafetino pelo fato dito por Lola (meninas eram freguentemente abusadas em manicomio )

    A credito q a personagem principal era sweet pea e baby doll o anjo em forma de demonio q veio a judar ela a se libertar.

    PS concordo plenamente com Otavio Imon

    a frase mas repitida no filme é: vc ja tem as armas, basta lutar ( o q foi tbm a ultima frase do filme ) espresa mto bem a msg q Snyder quer passsar de q nossa mente pode criar tudo, é so nos quere!!!

    assim q baby doll ouve as palavras de Madame Gorsik: vc esta com medo agora, não tenha!
    voce tem as armas, basta lutar…

    para alcançar o paraisso…

    depois disso baby entra em outro mundo descrito por sweet pea como um templo onde ela acaba lutando na verdade contra sim mesma, seus medos, seus montros ( q Snyder retrata como samurais gigantes )

    O FILME É MARAVILHOSO é so saber ver com outros olhos ( é algo q foge do real, do comum e padrão)

    vi com meu namo e nos adoramos!!! eu agora mas por consegui entender algum fatos!!!

    acho q ja falei de mas …

  20. hahah, pow recebi um e-mail sobre esse comentário, achei que ninguém entenderia. Não sei se o filme deveria ter mais emoção ou se faltam elementos, acho que se for pensado como filme, talvez sim. Mas sei lá, não consigo ver Sucker Punch como não sendo uma obra de arte. Tipo, é como ver um quadro, algumas pessoas param na superfície só vêem a imagem estática ali, técnica e só. A verdadeira graça está um pouco além, na sensação da obra, no sentimento do autor, sei que parece papo de maluco, mas é algo que você sente mesmo. E no caso de Sucker Punch realmente é a libertação. Tem que ser um pouco louco pra acatar essas idéias, mas vejo que não tou sozinho nessa.
    Tipo, não tou dizendo que quem não viu é porque é menos desenvolvido ou coisa do tipo, isso não tem nada a ver. Mas é reconfortante você pensar que pode fazer aquilo que quiser.
    hahah tipo, eu agradeço aeh o espaço pra expressar essas idéias, muito legal, tava a ponto de explodir depois que vi o filme.
    Vlw mesmo aeh Bruno, pessoal, o negócio é retomar a breguice dos anos passados, acatar o clichê dos mangás e animes, tá na hora da gente parar de se limitar e acreditar nos nossos sonhos, acima de tudo. Sempre vai ter alguém que vai dizer que você fumou ou que cagou no ventilador, mas vai ver você cagou mesmo, vc fuma vento, e vai por mim não troco essa loucura por nada.

    Obs: Queria agradecer o Bruno Zago, o Eduardo Grudka, e todo mundo que deu uma chance pro comentário acima. Mals o tom épico e jornalístico ou sei lá o que baixou em mim na hora que escrevi aquilo. Mas em síntese, continuem acreditando!

    YOU HAVE ALL THE WEAPONS YOU NEED…
    NOW FIGHT!!

  21. Oi galera, tenho q dizer q foi a partir dos comentaria de Felipe, Otavio Imon e Lola que compreendi a complexidade deste filme, então fui assisti-lo novamente e adora-lo apartir disso… É engraçado ver que os comentarios empolgam mais do q o poste do critico mesmo. Sabe, muita gente nem vão lê-los, muitas pessoas vão ler as criticas e nem assistir ao filme, o que é injusto; afinal o Bruno Zago mesmo nem tinha entendido coisas importantes (comentario de Bruno depois do Felipe) e que fundamentam a opinião de um critico (o que faz muitas pessoas decidir assistir à um filme ou não). Acho, Bruno, que deveria ser colocado mais informações na critica acerca das informações que vc tem agora…

    E acho tb que o Érico Borgo (do Omelete) deveria fazer outra critica ao filme, ja que: "Desfecho busca desnecessária justificativa para o filme de ação perfeito" esta totalmente destruído.

    – Do que adianta criticar se nem entendeu o filme?!?!? Será que nenhuma critica mostrará a mensagem que é transmitida no filme?!?!? Será que nenhum crítico foi buscar o que quer dizer "Sucker Punch"?!?!? Triste saber que se contentaram com "(Mundo Surreal)"… As perguntas permanecem…

    Obs: Bruno Zago, gostei da sua critica, acho q foi a melhor que teve, mas deveria adicionar algumas coisas que vc tem noção agora, como eu ja disse acima.

  22. Olá pessoal!

    Já comentei esse filme em outros sites a muito tempo, por isso não farei aqui, resumindo gostei do filme.

    Sou apenas um cara que assiste à muitos filmes e não um viciado em cinema. Ah, adoro ler críticas.

    Sei que o filme já foi comentando a muito tempo, mas tava passando por sites novos e encontrei este e gostei muito dos comentários de todos e queria parabeniza-los.

    Li todos os comentários até o gigantesco e desnecessário do Otávio Imon.

    Lola adorei seus comentários, dúvidas pertinentes e um ponto de vista válido da história.

    Ini, adorei seus comentários, concordo com muita coisa, não tudo, mas concordo principalmente com a parte que as lutas eram "medos" da Babydoll transcritos para o Mundo Surreal, afinal de contas ela teria que enfrenta-los – Simples de entender, mas pouca gente se ligou.

    Como disse adoro críticas e já li uma imensidão por aí sobre esse filme, mas FELIPE, amigo, PARABÉNS, deixou muito crítico de queixo caído, críticos que não criticam corretamente e só falam besteira pq não entenderam o filme. Excelente análise, concordo em 100%.

    O melhor que a se fazer é primeiro ler o que os críticos "fodões" escreveram sobre o filme, depois começar a vasculhar opiniões em blogs ou sites como este que é onde você acaba encontrando alguma coisa muito diferente e muito melhor como algumas críticas e comentários por aqui.

    Freqüentarei mais a partir de agora. Abraço a todos.

  23. Ah, outra coisa, sinceramente achei o filme muito bom, mas difícil de entender, tive que ver 2 vezes e não sei se tinha entendido 100% ainda, mas acho que Snyder fez em partes propositalmente essa complexidão para sugerir teorias e criar especulações como os ótimos comentários da maioria de vocês, em outras partes acho que foi sem querer mesmo rsrs, mas como disse é somente um "achismo", posso estar errado, o diretor ter feito merda filme todo e ter sido criado esse monte de teorias por acaso. Convenhamos, é pouco provável que isso tenha acontecido.

    Abraço.

  24. Felipe, também entendi o filme deste mesmo jeito que você citou.
    Vale salientar que além da ação e fantasia, o filme passa a ser uma espécie de autoajuda, e creio que ele consegue transmitir 2 mensagens:
    1 – temos força na nossa mente tanto para nos prender quanto para nos libertar
    2- recebemos ao decorrer de nossa vida, anjos de guarda, auxílios grandes ou pequenos q fazem toda a diferença mudando tdo, salvando a vida! Nossas ações mudam destinos…
    Fiquei com esta frase ecoando na minha cabeça: “Você possui todas as armas. Agora lute.“
    Ahhh, eu sou mulher e adorei o filme! Isso é normal? hauhauhau

  25. Ola

    Olha hoje vi pela primeira vez o filme em blu-ray , acredito
    que os efeitos que acima foram criticados na verdade foram muito bons
    e acredito que a câmera lenta são na verdade para mostrar os detalhes que por nossos olhos são imperceptíveis , se o efeito foi adicionado observe os detalhes incríveis que não seriam vistos se a cena fosse normal como saltos , desvios e cenas de luta .
    Observei os erros de interpretação cometidos , o filme passa na
    verdade na cabeça da Sweeat Pea que inventa aquilo tudo por ter problemas mentais , mas na realidade tudo aconteceu elas
    pegaram a chave o mapa o fogo e a faca mas no hospício não em um bordel como Sweeat Pea imaginou , os planos de baby dool não acabaram dando certo como mostra o final ela no hospício passando pelo processo de lobotomia que tem sérios efeitos colaterais mentais .
    O filme como ja comentado acima creio q passa seguinte mensagem : imagine , acredite fuja da realidade sinta o Sucker Punch como ja dito soco mental ou soco idiota se traduzido para o português , desprendas se do padronizado .

    Desculpa a demorara para comentar o filme pois so tive oportunidade de ver agora … mas adorei o filme .

    Obrigado por ler minha critica !

  26. Finalmente alguém que pensa como eu. É estranho, mas parece que até hoje só pessoas superficiais tinham visto Sucker Punch, porque era só eu falar que tinha sido uma decepção pra ouvir “Você tá louco? Viu os efeitos?”, como se isso fizesse um bom filme. Na verdade, a única coisa que gostei foram os efeitos visuais mesmo, muito bem caprichos, mas pecou pela história superficial e e previsível. Uma pena, depois do trailer fiquei ansioso para ver, mas mal sabia eu que o que tinha de bom já havia sido visto.
    Muito boa a sua crítica.

  27. Peraí… o autor do post disse que o publico feminino não gostou do filme só por causa das atrizes?! MAS ESSE É O GRANDE LEGAL DO FILME! Um bando de garotas usando roupas de colegial,tipicamente em versão japas,derrotando todos os tipos de monstros que vimos nos filmes até hoje?! DO CARALHO AÊ!!

    • Eu também, achei besta aquilo que ele falou ;-;
      essa coisa de que menina não gosta de robos, metralhadoras essas coisas é muito besta, acha que só pq elas nasceram meninas é obrigada a gostar só de filminho de romance (eu odeio romance ) deixar os cabelos perfeitos e unhas delicadas é estupido isso.
      eu sou menina e AMEEEEEEI o filme
      um dos meus favoritos dai vem um idiota e fala essas coisas.
      e mesmo que fosse um bando de muleke eu ainda iria gostar ;-;

  28. Eu achei o filme simplesmente fantástico, pois nele pode se ter varias interpretações diferentes. Realmente depois da terceira dança da babydoll o filme fica meio cansativo, porem depois da parte que uma das irmas morre pra frente, se torna realmente envolvedor. Na realidade é complicado saber o que eh realidade ou fantasia no final, pois na minha visão a baby não é uma criação da Sweet Pea mas sim o filme todo que é criação da baby, ela cria o filme todo no momento em que vai ser realizado a lobotomia nela como uma maneira de aliviar sua dor. Assim a facada q o chefão levou e a morte das garotas não ocorreu, a unica parte real do filme é que a Sweet Pea consegue fugir do hospício e ir ao encontro de sua familia.
    No começo do filme fala sobre anjos que tomam formas de pessoas, esse anjo eu imagino q seja o motorista do ônibus que completa a fuga dela.
    A cena mais incrível que eu achei do filme é no final o cara convencendo a babydoll (em sua imaginação) entregar seu corpo, pois tudo o que ele fala se resume na lobotomia que iria acabar com a dor o sofrimento e o arrependimento, da morte das 2 pessoas que a baby amava, sua mãe e sua irma.
    Bom eu gostei do filme, e ele pode ter varias interpretações diferentes. Essa é a minha.

  29. Apenas completando a msg q eu deixei, a essenssia do filme é nos dizer, nos mesmo criamos a nossa limitação na vida real, cada um de nos temos todas as armas para lutar nesse mundo, cabe apenas saber usa-las. Todas as coisas ruins ou boas acontecem de acordo com nossas atitudes e a msg principal do filme que é simplesmente fantástica,: A partir de uma realidade de miseria, dor, tristesza e angustia, se você olhar o mundo de uma maneira diferente, tudo se transforma. Se a nossa mente quebrar a barreira da realidade e usarmos nossa imaginação podemos criar um lugar totalmente diferente e especial, apenas cabe a cada um olhar a dor como um estimulo para a maturidade, o sofrimento como um sentimento que nos ajuda a evoluir, a morte como uma nova chance de recomeçar. Assim tudo que é ruim nesse mundo pode se transformar em um grande filme com propositos positivos.

  30. Você não entendeu o filme, ficou tão impressionado com as cenas psicodélicas de ação em slow motion que não tentou entender a história por trás de todo aquele show. Não estou dizendo que Sucker Punch é o melhor filme que já vi, nem mesmo é o melhor filme que o Snyder já fez, mas garanto que o filme é bem mais profundo do que parece. O que acontece, é que na tentativa do Snyder tentar fazer o filme parecer ser mais inteligente do que realmente é, acabou saindo um daqueles filmes que você assiste e ao final não tem certeza se entendeu mesmo o que acabou de ver. Até hoje eu ainda tenho minhas dúvidas se minhas conclusões sobre o filme estão realmente certas, tanto é que tenho mais de uma teoria sobre o que “realmente está acontecendo” durante o desenrolar do filme. Só o que posso dizer, é que o filme de fato não chega a ser uma obra prima (visualmente, admito que talvez seja algo bem próximo disso) mas com certeza o filme possui uma história mais interessante e complexa do que parece.

  31. Eu gostei bastante da sua análise , mas tenho que admitir que eu adoro esse filme! É realmente preciso de uma percepção mais profunda para entender o que se passa nele mas eu sinceramente adoro. Tanto as musicas como o desenrrolar da história.

  32. Não sou cinéfila. Nem conheço animes. Mas esse filme mexeu mto com a minha cabeça. Encarar um problema q eu tava passando como foi feito no longa. Assim consegui enfrentar. Só q no MEU final foi mais legal. Pronto falei!