O Espetacular Homem-Aranha – Crítica

Enfim, vamos falar do reboot da franquia Homem-Aranha pela Sony. Li vários comentários sobre o filme em sites especializados, a maioria deles positivos, poucos foram aqueles que desaprovaram – o que, para mim, é algo surpreendente. Eu achei o filme fraquíssimo, com roteiro repleto de furos e um Peter Parker muito chato. Saí triste da sala de cinema, esperava assistir a uma história melhor do que a dirigida por Sam Raimi dez anos atrás, mas me frustrei bastante com o resultado.

No entanto, antes de sair apontando os defeitos, vou elencar os poucos aspectos que me agradaram. Primeiramente, os efeitos especiais, claro. Hoje em dia isso não tem como dar errado em filmes de super-heróis. A movimentação do Aranha balançando por Nova Iorque com sua teia é superior ao que vimos na primeira trilogia, ela é mais natural, sem parecer um boneco de videogame. Cabe mencionar também o esforço em recriar várias poses desenhadas nos quadrinhos, principalmente as eternizadas por John Romita, reproduzidas por todos os desenhistas que o sucederam, até os dias de hoje. Um belo atrativo para os fãs leitores.

Outro ponto positivo é o desempenho de dois atores em específico. Primeiro, a graciosa Emma Stone como Gwen Stacy, ela ficou idêntica à versão dos quadrinhos e interpretou a personagem com a competência que a semelhança física exigia. Mas, a melhor atuação é, de longe, a do veterano Martin Sheen. Ele nos entregou um perfeito tio Ben, combinando características das HQs clássicas com a do universo Ultimate: uma figura paterna e bondosa, mas também um homem que conduz o seu lar com pulsos firmes. Mesmo sem a consagrada frase “com grandes poderes, vem grandes responsabilidades”, o ator consegue transmitir a mesma mensagem à medida que orienta seu jovem sobrinho. A frase fez falta? Para quem é fã, sem dúvida sim, afinal é um dos principais lemas dos quadrinhos, mas graças ao bom desempenho de Sheen não chegou a prejudicar a história.

As cenas de luta também são ótimas, o herói imita bem os movimentos de um aracnídeo, usando mais da agilidade para vencer os inimigos. Em determinado momento, ele gruda no corpo grandioso do Lagarto e anda rapidamente por ele de um lado ao outro, enquanto o enrola em sua teia, igualzinho a uma aranha de verdade. O problema é que o roteiro não conseguiu atribuir emoção às belas coreografias, e até mesmo a batalha final falhou em empolgar o público.

E quanto a Andrew Garfield? O rapaz é um bom ator e é fisicamente semelhante a Peter Parker (mais do que Tobey Maguire), disso não dá para reclamar. Mas, há um grande problema com ele, e novamente a causa está no enredo. O filme entrega um Peter tão chato, mas tão chato, que se esse fosse o personagem criado por Stan Lee em 1962 sua revista não duraria sequer uma década. Ele é uma pessoa triste, sem graça, sem nenhum outro problema a não ser remoer o passado de seus pais. Muito, mas muito diferente de sua contraparte na Marvel Comics. O alter ego do aracnídeo é um dos melhores da nona arte, uma pessoa comum que enfrenta os mesmos problemas mundanos de seus leitores, com o acréscimo da vida heroica, só que a película simplesmente ignora esse fator e apresenta um garoto descolado, quase estilo Malhação, cujas únicas situações cotidianas que enfrenta são: apanhar no lugar de um pivete que sofria bullying (aff) e o compromisso de comprar uma caixa de ovos para a sua tia. É decepcionante. O curioso é que o Homem-Aranha de Garfield não é assim. Como super-herói ele é engraçado, provocador, o mesmo piadista que conhecemos há mais de cinco décadas. Sendo assim, o adolescente civil e o mascarado não parecem ser as mesmas pessoas. Os escritores e o diretor quiseram inovar com Parker, para diferenciá-lo daquele visto na trilogia anterior, mas parece que se sentiram na obrigação de manter intacta sua personalidade de vigilante, o que causou um total desiquilíbrio na obra como um todo.

A relação com a Gwen também não funcionou legal. Li na internet que o ponto mais forte da direção de Marc Webb era os diálogos dos dois, mantendo o estilo de seu filme anterior, (500) Dias com ela. Pura balela! O que vi foi uma relação clichê e sem sal, quase ao nível de Bella e Edward (juro!). No Homem-Aranha de Sam Raimi nós torcíamos para que Peter e Mary Jane ficassem juntos, um sentimento que nem chega a ser trabalhado nesse reboot, pois já na primeira metade do filme o casal está formado. Foi rápido demais! Seria melhor que tivessem explorado a paixão de ambos e alimentado a expectativa do público, para concretizar a união apenas no segundo longa.

O mesmo mal aflige o vilão Curt Connors, que se transforma no Lagarto. O ator Rhys Ifans é ótimo, mas seu personagem pena nas mãos dos roteiristas. Ele começa como uma boa pessoa, assim como nas HQs, mas de repente se torna louco e megalomaníaco, em razão de um segundo efeito colateral de sua fórmula à base da genética dos répteis, e mesmo na forma monstruosa mantém suas faculdades mentais. Pra mim, nada disso deu certo. Nos quadrinhos, o interessante desse antagonista era a preocupação que ele causava no Aranha quando o enfrentava: o herói precisava detê-lo, mas sem machucá-lo demais, pois sabia que por debaixo daquela fera irracional e desenfreada estava seu amigo e professor. Esse empecilho foi desconsiderado pela adaptação, já que o vilão permanece ciente de suas atitudes e não é desenvolvida amizade entre Connors e Parker, apenas um envolvimento por interesses. Além do mais, nas HQs o cientista tinha uma família pela qual zelar, enquanto que no filme ele não tem nada a perder caso deixe vir à tona sua faceta réptil – ele inclusive se transforma propositadamente.

O roteiro peca também com a tia May, infelizmente. Após a morte do tio Ben, Webb não acerta na ligação afetiva entre ela e o sobrinho. O que é mostrado na tela transmite a ideia de que ambos são forçados a conviver apenas por dividirem o mesmo teto. O jovem chega em casa durante a noite, repleto de hematomas, e lá está sua tia lhe esperando, preocupada, querendo explicações sobre o atraso e os ferimentos, ao que ele apenas se cala e a abraça, com ares de perdido. Como se apenas isso bastasse para demonstrar o afeto que um nutre pelo outro. Certamente dava para ir além com os dois.

Muito mais do que personagens descaracterizados e desconexos, o enredo ainda se perde em uma série de outros probleminhas. Diversas cenas foram concebidas para servir como “manobras fáceis” para a continuidade dos acontecimentos. O filme inteiro se pauta em coincidências! Personagens no lugar exato e na hora exata, o tempo todo. Isso me incomodou demais!

Pra não colocar spoilers no meio do texto e pegar alguém desprevenido, segue abaixo uma pequena lista de algumas coisas que me chatearam na trama de O Espetacular Homem-Aranha. Se você ainda não assistiu, pule para o parágrafo após os tópicos.

****

A aranha que originou o Aranha: o pai de Peter e o Dr. Connors trabalhavam para a Oscorp em um experimento que visava imbuir nos seres humanos as qualidades de alguns animais, até que tudo foi pro brejo quando um deles morreu. Logo em sua primeira visita à Oscorp, Peter entra em uma sala com as aranhas geneticamente alteradas por seu pai e, claro, acaba picado por uma delas, o que origina seus poderes. Em minha opinião, foi “forçar demais a barra” nos pedir para crer que NINGUÉM nunca antes tenha sido picado por um daqueles espécimes. Pois é, da forma como mostraram, parece que qualquer uma daquelas aranhas pode conceder poderes, e não apenas uma específica. Elas estão ali se procriando há uns dez anos, pelo menos, visto que o Dr. Parker bateu as botas quando seu filho era um menino, ou seja, é certo que muitas pessoas entraram ali ao longo dos anos para estudar a experiência e tratar dos aracnídeos. Mas, nenhuma pessoa foi acidentalmente picada, não senhor, só o Peter, porque ele é o filho do cara que “inventou” as aranhas alteradas. Uma cena muito mal bolada.

A concepção do uniforme e do lançador de teias: aquele moleque sozinho costurou um baita uniforme profissional? Esse tipo de coisa até passava batido antigamente, mas hoje em dia uma explicação mais plausível se faz necessária. Prefiro a versão em que ele consegue a indumentária como lutador, nos ringues. Quanto ao lançador de teias, o equipamento até que é legal, só que a teia de laboratório é roubada por Peter de dentro da Oscorp, que a produz em escala para comercializar como substituto de cabos de aço (pelo que entendi). Que ideia mais tosca! Primeiro, a Oscorp deveria ser uma indústria farmacêutica, e segundo, de nada adianta criar um disparador e não criar as teias! Para um gênio da ciência como o alter ego do aracnídeo, seria mais fácil desenvolver uma teia superaderente do que um uniforme fodão cheio de detalhes.

O treinamento: no primeiro longa da trilogia anterior, a cena em que Peter aprende a se transportar lançando suas teias é muito boa; tinha toda uma tensão que antecedia o salto, o medo da queda, a falta de experiência, etc. Aqui, já na primeira vez o herói se debruça de ponta-cabeça na beirada de um edifício, fazendo flexão com um braço só, e se joga em pleno ar, totalmente confiante. Que moleque valente, se falhasse ele estaria morto.

O modo como um descobre o outro: Até imagino os roteiristas pensando: “O Homem-Aranha precisa achar o Lagarto? Ora, vamos colocar várias lagartixas cruzando o caminho dele e entrando no esgoto, aí ele vai se ligar que elas estão sendo atraídas pelo vilão, irá segui-las e, consequentemente, encontrá-lo!”. Brilhante! A cruzada das lagartixas em pleno centro de Nova Iorque, bem em frente a quem mais precisava ver (coincidências…), sem sequer mencionar um possível efeito do poder do Lagarto em atrair esses répteis. Mas, a forma como Connors descobre a identidade secreta do rival consegue superar em falta de criatividade: “propriedade de Peter Parker”. Tsc tsc…

A base do vilão: Curt Connors se esconde no complexo de esgotos da cidade, onde ergue um laboratório com grandes computadores e outras máquinas, só tecnologia de primeira. Fiquei pensando: quanto tempo ele demorou pra levar isso tudo lá para baixo? Por onde ele entrou? Quantas tomadas existem no esgoto? Como ninguém viu toda essa mudança para um lugar proibido? Poxa, não seria mais fácil ele ficar em uma casa alugada qualquer? Eu até imagino o cara abrindo a tampa do bueiro, cumprimentando um transeunte, pegando um computador e descendo as escadinhas. Foi isso ou ele subornou todos os funcionários e guardas do departamento de água e esgoto para usar as entradas oficiais. Um bom diretor não abriria concessões para brechas como essa.

Outras ideias espetaculares: Gwen Stacy como chefe de estagiários e com livre acesso a tudo dentro da Oscorp (sim, uma adolescente de ensino médio). Policiais que se tornam híbridos de lagarto para não fazerem nada, nenhuma cena de ação com eles. O plano do Lagarto ser exatamente o mesmo do Ra’s Al Ghul em Batman Begins – a diferença é que lá ficou admissível e aqui ficou bobinho, apenas uma “chuva de poção mágica”. E, por favor, alguém me diz para que serviram aqueles guindastes no final? O Aranha não poderia disparar teias nos prédios, do modo como sempre fez? Pareceu-me que Marc Webb estava desesperado por uma cena em que as pessoas comuns ajudassem o mocinho (como aquela do metrô em Homem-Aranha 2), e aí aprovou essa cena sem sentido.

****

Sou um entusiasta das histórias do escalador de paredes nas HQs e estava torcendo para esse reboot ser bacana, só que infelizmente não foi dessa vez. O número de erros superou muito o de acertos e pendeu demais a balança. Agora, estou torcendo para que um dia os direitos sejam revertidos para a Marvel. O pior é que terei muito tempo de espera até isso acontecer, já que o filme está muito bem de bilheteria em todo o mundo.

Por mais quantas continuações a força da imagem do personagem continuará sendo suficiente para levar as pessoas ao cinema? Acredito que bastaria outro filme sem emoção, sem graça e de roteiro tão pobre quanto este para a derrocada da Sony e da franquia do aracnídeo, isso se o quinto filme já não arcar com essa decepção… Mas, quem sou eu para dizer, afinal, está cheio de gente por aí que gostou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Como eu ja disse antes no videocast do aranha esse filme ta uma M… e concordo com voce fielmente bruno, o que logo de cara me fez lembrar do meu comentario, a respeito da aparencia da atriz e das pozes do aranha acho que isso se deve ao angulo que pegaram o cabeça de teia bem mais proximo da tela.

  2. Finalmente alguém com o meu ponto de vista. Não gostei de várias críticas, justamente por eu não ter gotado do filme. Não sei porque muitos estão maravilhados com o longa do aranha, pois ele é bem abaixo da média. Mesmo com alguns ponto legais, eu ainda prefiro as referências e a concepção do Sam Raimi para o cabeça de teia. Por incrível que parece, eu gosto mais do Spider 3, que tem vários lances muito legais do que esse filme novo.

  3. Excelente crítica, Bruno Zago! Estou de acordo com a maioria de seus argumentos. Principalmente sobre a chatice do Peter: a forma como ele trata a Tia May é desprezível. Também me incomodou bastante a cena em que ele experimenta os poderes… andando de skate? Nossa, muito sem graça. E uma pergunta de fanboy: o que são todos aqueles hematomas? O Peter se machuca com muita facilidade (mais do que o Kick-Ass), sempre imaginei que os poderes conferissem a ele uma grande resistência e uma capacidade de cura maior (não tanto quanto do Wolverine, é claro). Tudo bem que em lutas contra os super-vilões como o Lagarto ele saia machucado, mas, no filme, parece que qualquer pivete pode deixar um olho roxo nele. Que eu lembre, no quadrinhos, ele não se machuca com tanta facilidade assim. O que acham? Abraço a todos!

    • Verdade Allan, tem isso também! Engraçado é que quanto mais eu converso sobre esse filme com alguém, mais problemas eu encontro, está mesmo repleto de furos.

  4. caramba bruno,excelente critica.
    apontou as qualidades(muito poucas) e os defeitos(muitos).
    um detalhe,espero q o Corto do Melhores do Mundo (MDM) não leia a sua resenha,tá arriscado ele ter uma síncope.
    Já q ele é um desses q adorou o filme,rsrsrs.
    um abraço,cara.

  5. poxa alan,esse lance dele chegar destruido em casa tambem me incomodou.
    sempre achei q por ele ter uma capacidade sobre humana,como força e agilidade,ele tambem poderia ter uma certa resistencia.
    ahh,vc esqueceu um detalhe,andando de skate e ouvindo…COLDPLAY,tsc,tsc.rsrs

  6. O fato e que os americano tem a faca e o queijo mas nao sabem aproveitar ,eles tem os ofeito especiais,tem verba a vontade porem faz esses filme baseado nas estorias em quadrinhos que nao tem nada ver com os gibis,quem passou horas a fio devorando paginas e mais paginas de HQs sabe que esses filme nao tem nada a ver com alma dos quadrinhos, historias sem grassa,atores que nao se parecem nem um pouco com os herois enfim pura enganacao.

  7. Se o cinema falasse verdade, o filme em vez de se chamar “O Espetacular Homem-Aranha”, seria “O mediano Homem-Aranha”. Mas suponho que em termos de marketing não funcionasse tão bem.

  8. Boa Brunão,

    Infelizmente leitores de quadrinhos como nós, ficam decepcionados com adaptações como esta. A falta de preocupação com os detalhes, enfraquece a obra. Mas como já era de se esperar a franquia esta voltada para o publico em geral, com romances e dramas adolescentes bem enfadonhos ou sequencias de ação com belos efeitos e pouca explicação logica. Digamos que a parte dedicada ao fãs-leitores é de 20%, ou seja o conceito básico do personagem.
    Assim com você, gostaria que os direitos voltassem pra Marvel, não somente do cabeça de teia mas de outros personagens com Quarteto e Demolidor, já que os estúdios Marvel vem elaborando de foram agradável a expansão de seu universo nas telonas.

    • Wilson, e ainda tem a possibilidade de a Marvel acatar com esse Aranha da Sony e inclui-lo em seu universo, boatos que surgiram antes do lançamento desse filme. Tomara que isso não aconteça.

  9. Por que fazer outra adaptação do Homem Aranha, pode até ser fácil de responder. Grana. Mas por quê fazer outra adaptação recontando a história de como ele se tornou homem aranha é difícil responder. Por que? É o café requentado pela enésima vez. E até eu que não bebo café sei que isso é ruim. Agora outra pergunta besta: por que o fã se permite ser enganado desse tanto e ainda vai ao cinema ver isso?…enfim, aqui cabe a máxima: não vi e não gostei.

  10. Concordo em alguns pontos com sua crítica Bruno, mas não achei um filme ruim, eu gostei. Uma coisa em que estive pesando é, o que é ser “descolado”, se você for ver o Peter do John Romita e do Stan Lee também era “descolado” para sua época. Ele tinha motocicleta, usava cordão, vivia em uma cafeteria rodeado por belas mulheres, com um amigo rico com o qual dividia um apê, e outro amigo esportista. A verdade é que o Peter perdeu boa parte de sua nerdice quando ganhou seus poderes. Não acho que o Peter do Garfield seja “descolado”, ele só está atualizado, não acho que o Peter precisa ser um completo boçal, e fazer a mesma cara de idiota em três filmes como o Maguire fez. Outro ponto que discordo é o relacionamento do Peter com a Gwen, achei muito mais interessante do que o anterior, a Gwen da Emma Stone é muito mais ativa do que a Mary Jane da Kristen, que só serve para ser a moçinha a ser salva no final do filme, dos três diga-se de passagem. Sobre a Gwen ter acesso a toda a Oscorp, ela não teve acesso a toda a Oscorp, ela só foi até o laboratório do Connors, pelo que eu me lembro, lugar que ela aparentemente tinha acesso, já que ela trabalhava junto com ele e conhecia sua pesquisa, acho no filme até fala que ele estava treinando ela. Agora se ela tivesse entrado na sala do Norman Osborn, presidente da companhia, sem nenhum problema, aí sim seria estranho.

    Bom acho que já escrevi demais, mas como disse, achei um bom filme, não é perfeito e nem é uma obra-prima, mas eu gostei. Acho que o próximo filme tem muito potencial se for melhor desenvolvido.

    • Também não acho que o Peter tem que ter cara de bobo, mas ele começa como um nerd, essas são suas raízes. Depois de um tempo ele não se torna descolado nas HQs, mas sim confiante. O ponto é: ele nunca foi um cara triste como esse do filme. Ele teve seus momentos de tristeza, mas não está enraizado na sua natureza. Nas HQs tem um ponto que ele anda com duas mulheres (Gwen e Mary Jane) e se dá bem como pessoal, mas continua tendo problemas para resolver e não caiu ao nível “estou na moda”, como Malhação.

      Como disse, gostei da interpretação da Gwen, mas achei que a relação dela com o Peter foi uma droga. A Mary Jane do Sam Raimi representava a própria Gwen das HQs, que precisava ser salva. Moças em perigo (e outras pessoas em perigo) sempre foram uma pedra no sapato do Aranha.

      E só o fato de ela ter acesso as coisas mais importantes da Oscorp, como o antidoto, a sala das pesquisas do Connors e do D. Parker, etc, já é um absurdo.

  11. O Bruno Zago está certíssimo!!!!!!!!! O filme não chega a ser uma bomba, mas é bem fraco.

  12. Deu para perceber que ele pegou um punhado de vários filmes, como por exemplo esse Peter não custura a roupa mas compra ela da internet o mesmo aconteceu em Kick Ass.

    Outra coisa que me deixou frustado foi o Peter não tinha cara de nerd parecia um bobo comum sem nem uma inteligencia.

    Enquanto a franquia Spider-Man ficar nas mãos da Sony teremos lixo atras de lixo.

    Por favor, Marvel Estudios peguem logo a rendias de Spider-Man

  13. concordo com a critica… também não dava pra esperar muito sabendo que o estúdio fez esse “reboot” apenas pra não perder o direito da franquia…

    estranhamente… torci pro Tio Ben não morrer e pra Gwen morrer logo, Emma Stone está bem, mas a química entre os dois não colou… esperei a Mary Jane e o seu “tirou a sorte grande gatão” no fim.. mesmo sabendo que não rolaria…

    .O Capitão Stacy está tão bem, que quando o destino dele chega, como nos quadrinhos, me surpreendi…

    e a Briga entre Peter e os tios.. que motiva a saída do Tio antes da morte é tão ou mais forçado que os outros pontos apresentados na crítica…

    a unica coisa que discordo é quanto ao uniforme… achei essa versão mais plausível que qualquer coisa que já pareceu, seja em quadrinhos ou no filme anterior… ele fez adaptações de uniforme de atletas olímpicos… achei que fez sentido…

    um comentário “não confirmado”.. posso estar errado, mas o Tio Ben nunca disse a Tal frase tão famosa “com grandes poderes vem grandes responsabilidades”.. na origem apresentada pelo Stan Lee a frase aparece em um quadro no ultimo quadrinho… mais tarde ela foi atribuída ao tio Ben… repetindo.. posso estar enganado..

    • Eu achei muito estranho esse esquema do uniforme. Como ele fez as teias??? Em um frame mostra ele plotando o desenho da Aranha, mas e os demais detalhes??

  14. Eu não me expressaria melhor Bruno. Ótima critica a um filme fraco.
    Vendo outras críticas fiquei pensando se foi só eu mesmo q reparei na cena TOSCA dos lagartos marchando por NY e da câmera com “propriedade de Peter Parker”.

  15. Gostei da critica, mas acho que o filme não e ruim, ficou um filme medio. Acredito que a força do personagem e que leva o filme e eles conseguiram manter. Como o BATMAN que antes do Nolan teve dois filmes que foram verdadeiros lixos e não acabaram com o personagem no cinema o mesmo acontece com o aranha, o quinto filme que já esta confirmado pode ser a chance para corrigir os erros deste e fazer uma grande filme do aracnideo

      • I have learn some just right stuff here. Certainly worth bookmarking for risvieting. I wonder how a lot effort you place to create this kind of magnificent informative website.

  16. Bruno, concordo em genero numero e grau. Isso eh exatamente o que sai pensando apos sair do cinema.

  17. Curt Connors se esconde no complexo de esgotos da cidade, onde ergue um laboratório com grandes computadores e outras máquinas, só tecnologia de primeira. Fiquei pensando: quanto tempo ele demorou pra levar isso tudo lá para baixo? Por onde ele entrou? Quantas tomadas existem no esgoto?

    KKKKKKKK Muito boa essa analise. Concondo inteiramente com o Bruno zago, oh filme de pessima qualidade.
    e esses defeitos citados nem sao todos, se alguem parar pra obsevar aposto que vai ficar de queixo caido.

  18. Concordo com grande parte do que foi dito, mas ao final gostei do filme sim. Como filme não teve o mesmo impacto que a antiga trilogia, mas achei um bom recomeço.

  19. Bruno, estou na metade da sua crítica, mas já adianto que concordo com tudo que você disse. Infelizmente, eu esperava que o filme fosse uma bosta, felizmente, eu acertei. Pq eu esperava isso? Pq eu torcia para a Marvel/Disney voltar atrás nessa idéia de reboot. Eu esperava uma franquia do Homem-Aranha como a do 007. Sinceramente, eu odeio reboots.
    Para mim, a única coisa que se salva nesse filme foram as piadas que o Homem-Aranha solta para os bandidos.
    Sobre a origem do herói, até hoje eu não consigo entender pq não fazem como na HQ clássica: o menino era o único nerd da sala assistindo a apresentação do Dr. Octavius, deu uma merda lá, uma aranha foi apanhada no meio da merda, a aranha picou o menino. É algo plausível… Muitos reclamam do excesso de coincidências do 3º filme da trilogia, espero que reclamem nese também. Ainda assim, essa bosta arrecadou uma pequena fortuna e já tem continuação garantida… Peso mesmo…

  20. Crítica perfeita!
    Sou fã do Homem-Aranha a mais de 20 anos e também não gostei do filme, mas nem é preconceito de fã não. Minha filha de 5 anos se revoltou com diversas cenas também. E minha esposa também saiu do cinema decepcionada.

  21. Muito boa crítica, me fez até enxergar alguns pontos negativos que não tinha reparado… Outra coisa que também me encomodou e que você não citou, foi o fato do Flash (o cara do bullyng) no final ficar “amiguinho” do Peter… Fala sério, a vida não é assim, geralmente um cara que é babaca com você vai ser babaca até o fim da vida, eles romantizaram demais o filme.

    Mas enfim, gostei de ter visto o filme, porque pelo menos pude rever o cabeça de teia de novo na telona em algumas cenas (muito poucas) de ação, mas com certeza faltou aquela emoção dos primeiros filmes… o diretor até agora não confirmou se irá fazer o próximo, quem sabe mudam de diretor e o Espetacular Homem-Aranha 2 seja realmente um filme digno de ter nosso querido supe herói.

  22. Excelente critica Bruno!
    Cara, tava preocupado achando que vcs do Pipoca e Nanquim iriam tbm cair na malha da critica meia-boca de outros sites que martelam o mesmo argumento: “O filme é bom pq é o mais fiel feito até agora!”.Decidir parar de dar audiência pra esses sites que se dizem conhecedores de cinema e quadrinhos e não reconhecem um péssimo roteiro quando ele é esfregado em sua cara. Não engulo esse papo de ser fiel ao universo ultimate, a única coisa que achei fiel é o ator que lembra o Aranha Ultimate, cabeçudo e magrelo, mas só fisicamente pq a personalidade tá mais pra um Edward do que Peter Parker. De que adianta tentar ser fiel e mostrar um roteiro muito ruim, um protagonista sem expressão, uma Tia-May-Regina-Duarte sem sal e uma direção duvidosa???
    O “Nada Espetacular Bomba-Aranha Crepúsculo” me decepcionou tanto a ponto de fazer esquecer que eu estava assistindo um filme do Aranha, por muitas vezes me vi entediado no cinema querendo pular fora dele.
    Me incomodou muito o fato em que o filme precisa ficar se explicando e amarrando os personagens uns aos outros pra dar sentido a trama, coisa que fizeram em Homem-Aranha 3 e insistiram em errar denovo!
    Não resta mais nada a fazer a não ser continuar considerando os primeiros dois filmes do Sam Raimi como ótimos filmes do Aranha e lembra de Aranha 3 e Nada Espetacular Bomba-Aranha como coisas a serem esquecidas.

  23. Não concordo, gostei muito do filme, achei o melhor de todos os lançados até agora. A relação de Peter é Gwen é sensacional. Conseguiu ser diferente da relação com Mary Jane. Sai bem empolgado e feliz do cinema, não gostei das alterações no uniforme e dele contar logo pra Gwen que era o Aranha, tirando isso a historia é bem conduzida. O Lagarto como vilão também foi demais.

  24. Muito a boa critica concordo com você em tudo praticamente,uma das coisas que mais me incomodou no filme foi que o Peter mal conhece a Gwen e já revela a identidade secreta dele pra ela….no primeiro encontro (que por sinal foi na casa dos pais dela) a relação deles que disseram ser o ponto forte do filme foi uma das piores coisas

  25. Vocês não estão sozinhos, vamos ser realistas, por favor, esse filme tá um lixo, seria bom que a Walt Disney estudasse melhor isso. Depois de eu ter assistido este filme só de curiosidade, só confirmou que esse filme merece o prêmio framboesa de escória de filme lançado no cinema. Além de ser um lixo de história, o filme possui efeitos visuais horríveis e um ator que não tem cara de Peter Parker e não representa bosta nenhuma do personagem. A roupa ficou ridícula e herói não se movimenta como tal. Em outras palavras, o filme todo é um lixo não reaproveitável. Diretor que dirige filme de romance, tem que dirigir filme de romance e não filme de herói Marvel. Se não sabe em que território vai pisar, não pisa.

  26. Boa crítica. Eu mesmo não tinha percebido tanto erro na estrutura do filme. Ainda assim me parece melhor que o Homem-Aranha 3. Potencial desperdiçado, infelizmente.